sertoes

20ª edição do Rally dos Sertões terá 4.840 quilômetros

O roteiro do Rally dos Sertões 2012, enfim, deixou de ser segredo para os competidores. Pilotos, navegadores e chefes de equipe estiveram presentes na noite desta terça-feira (3) no Hotel Comfort Suites, na cidade de Barueri (SP) para o briefing da 20ª edição do Rally dos Sertões. A prova tem início no dia 18 de agosto em São Luís (MA) e termina no dia 29 em Fortaleza (CE).

No encontro, os competidores puderam saber de todos os detalhes sobre a 20ª edição do maior rali do mundo disputado dentro de um único país, em apresentação conduzida pelo diretor técnico da Dunas Race, organizadora do Sertões, Du Sachs.

“Teremos neste ano um rali muito técnico, duro, mas de extrema beleza visual”, destacou Sachs. “Em 12 anos trabalhando no Sertões, este foi o levantamento mais difícil que já fiz. Esta edição terá um alto grau de dificuldade e algumas novidades, como a realização de duas etapas maratona, o que torna as coisas ainda mais difíceis para pilotos e navegadores”, afirmou.

A prova deste ano terá 4.840 quilômetros de extensão, dos quais 2.296 são compostos por trechos cronometrados (especiais). “Teremos grande parte do rali em terrenos arenosos, de grande dificuldade, mas por outro lado os competidores serão premiados com visuais belíssimos de caatinga, sertão e áreas litorâneas”, lembrou Sachs.

A região do Jalapão, que compreende a porção nordeste do estado do Tocantins e sudeste do Maranhão, além da divisa com o Piauí, consta mais uma vez no roteiro da competição. É um dos trechos mais temidos pelos pilotos justamente por sua dificuldade, e por fazer parte de uma das etapas maratona.

As MaratonasE estão nas maratonas algumas das novidades desta edição. Ao contrário dos anos anteriores, em que era realizada apenas uma vez, neste ano serão duas. Como não pode haver nenhum tipo de manutenção nos veículos por parte das equipes de apoio, e pilotos e navegadores só terão 30 minutos no parque fechado após a etapa para realizar os reparos necessários, isso faz com que a maratona seja uma espécie de etapa dupla.

“A maratona é como se fosse uma etapa dupla porque os pilotos saem para o dia seguinte sem as manutenções comuns com a equipe trabalhando nos veículos. Por isso ela é tão complexa e tão temida”, lembra Du Sachs. Somados o dia de entrada e de saída da primeira maratona (Bacabal-Barra do Corda-Carolina), serão 797 quilômetros. Na segunda, no Jalapão, no trecho Palmas-Alto Parnaiba-Bom Jesus, são mais 1.048 quilômetros.

Somente nas entradas e saídas das maratonas, serão 1.845 quilômetros, o que corresponde a 38% da rota. Somadas apenas as especiais, serão 1.203 quilômetros em ritmo forte e pouca manutenção, o que equivale a mais da metade da quilometragem cronometrada do rali: 52,4% dos 2.296 quilômetros.

As etapas:
1ª Etapa (Largada) – Pela primeira vez, o rali vai largar da capital do Maranhão, depois de dez anos saindo de Goiânia (GO). A prova começa no dia 18 com a realização do Prólogo e do Super Prime, que definirá a ordem de saída dos veículos para a primeira especial, entre São Luís (MA) e Barreirinhas (MA). “Serão 365 quilômetros em um trecho reduzido para os caminhões, porque o início da especial é uma parte estreita. Então eles largarão alguns quilômetros à frente”, lembra Sachs.
São Luís (MA) – Barreirinhas (MA)
Deslocamento Inicial: 134 km
Trecho de Especial: 176 km
Deslocamento Final: 55 km
TOTAL: 365 km.

2ª Etapa – O segundo dia de competição, entre Barreirinhas e Bacabal (MA), já começa a mostrar que o Sertões 2012 não será fácil. “A especial é praticamente 100% areia, e haverá um trecho de 30 quilômetros com navegação por GPS nas dunas. O visual é belíssimo, passando pelos Pequenos Lençóis. O deslocamento final começa por estradas de terra, quase uma trilha, e depois os competidores chegam ao asfalto para alcançarem Bacabal”, explica o diretor técnico.
Barreirinhas (MA) – Bacabal (MA)
Deslocamento Inicial: 1 kmTrecho de Especial: 148 km
Deslocamento Final: 514 km
TOTAL: 514 km.

3ª Etapa – A terceira etapa é a primeira maratona. O trecho entre Bacabal e Barra do Corda (MA) tem um total de 274 quilômetros, nos quais não pode haver qualquer tipo de manutenção nos veículos por parte das equipes de apoio. “O piso muda da areia para o cascalho e a piçarra, em uma especial um pouco mais rápida”, explica Du Sachs.
Bacabal (MA) – Barra do Corda (MA)
MARATONA
Deslocamento Inicial: 106 km
Trecho de Especial: 149 km
Deslocamento Final: 19 km
TOTAL: 274 km.
4ª Etapa – A quarta etapa é complicada pelo fato de a manutenção dos veículos ter sido feita apenas pelos próprios pilotos e navegadores. Por isso, exigirá bastante cuidado de todos. “É uma especial completíssima, com muita areia e ‘deps’ (depressões), além de muita navegação. Depois entra em trechos de fazendas e vilas com piso de piçarra e pedras, e termina com areia. Serão trechos extremamente técnicos”, aponta Sachs.
Barra do Corda (MA) – Carolina (MA)
Deslocamento Inicial: 8 km
Trecho de Especial: 309 km
Deslocamento Final: 206 kmTOTAL: 523 km.

5ª Etapa – O quinto dia será bastante duro com pilotos, navegadores e máquinas, e é quando o Sertões sai temporariamente do Maranhão para entrar no Tocantins para encerrar a etapa na capital, Palmas. “Ela começa travada e depois segue por estradas de média e alta velocidade. Haverá uma zona de radar de 15 quilômetros no asfalto. Além disso, o longo deslocamento final será um ingrediente a mais no cansaço dos competidores”, disse o diretor.
Carolina (MA) – Palmas (TO)
Deslocamento Inicial: 3 km
Trecho de Especial: 188 km
Deslocamento Final: 281 km
TOTAL: 472 km.

6ª Etapa – O sexto dia é o mais longo do Sertões e a caravana da prova retorna ao estado do Maranhão. É a entrada da etapa do Jalapão e o início da segunda maratona do rali. Além disso, será a especial mais longa de toda a competição, com 468 quilômetros cronometrados. “É a especial mais longa e mais dura desta edição, e por isso a mais completa. Ela começa travada com muito trial, e depois entra nas areias do Jalapão. Neste dia haverá duas paradas para reabastecimento para motos, quadriciclos e UTVs e mais uma para carros e caminhões. A novidade é um trecho de 30 quilômetros com navegação por GPS no Cerrado”, explica Sachs. Na navegação por GPS, piloto e navegador vão em direção aos wayponts que constam na planilha.
Palmas (TO) – Alto Parnaíba (MA)
MARATONA
Deslocamento Inicial: 207 km
Trecho de Especial: 468 km
Deslocamento Final: 5 km
TOTAL: 680 km.

7ª Etapa – A sétima especial do Sertões 20 anos começa rápida e vai exigir muito cuidado com quem enfrentou problemas no dia anterior durante a etapa maratona. “Vai ter cascalho e passar por zonas agrícolas, seguindo por várzeas e longas retas em trechos de fazenda”, lembra o diretor técnico da prova. É no sétimo dia que o rali se despede do estado do Maranhão e entra no Piauí.
Alto Parnaíba (MA) – Bom Jesus (PI)
Deslocamento Inicial: 35 km
Trecho de Especial: 277 km
Deslocamento Final: 55 km
TOTAL: 368 km.

8ª Etapa – A passagem pelo Piauí será breve, mas promete ser inesquecível até a chegada a Pernambuco. A organização tomou o cuidado de nomear o trecho como “Especial dos 20 anos” por sua complexidade técnica e principalmente por causa das paisagens. “Todos estarão recuperados da maratona, e a especial vai começar travada e passando por trechos de fazenda, e então vai começar a passar por cânions e vilas com trial e a parte final com 110 quilômetros só de areia no segundo dia mais longo da prova. É o maior trecho consecutivo de piso arenoso que já fizemos na história do Sertões”, destaca Sachs. “O visual é coisa de cinema e a especial vai definir quem termina ou não o rali, porque, com o perdão do clichê, será um dia que vai separar os homens dos meninos”, disse.
Bom Jesus (PI) – Petrolina (PE)
Especial dos 20 anos
Deslocamento Inicial: 3 km
Trecho de Especial: 335 km
Deslocamento Final: 289 km
TOTAL: 627 km.

9ª Etapa – O Sertões deixa Petrolina e o estado de Pernambuco para entrar no Ceará. Serão 560 quilômetros (143 cronometrados) até Iguatu (CE), que a exemplo de Bom Jesus (PI), recebe o Sertões pela primeira vez em sua história. “É uma especial relativamente curta, passando por sertão e caatinga, mas que exigirá muito dos navegadores, principalmente. Por fim, o deslocamento final será bastante longo”, aponta.
Petrolina (PE) – Iguatu (CE)
Deslocamento Inicial: 62 km
Trecho de Especial: 143 km
Deslocamento Final: 355 km
TOTAL: 560 km.

10ª Etapa (Chegada) – Como é tradição no Rally dos Sertões, a especial final é mais leve para os competidores que conseguiram chegar até o final. Composta por dunas, será lembrada também por seu visual. “É uma especial extremamente prazerosa, daquelas de ficar na memória de quem terminar o rali”, destacou Du Sachs. É o dia final do rali, com a chegada em Fortaleza para as cerimônias de premiação e subida de rampa.
Iguatu (CE) – Fortaleza (CE)
Deslocamento Inicial: 184 km
Trecho de Especial: 103 km
Deslocamento Final: 170 km
TOTAL: 457 km.

Inscrições – As inscrições para a edição de 20 anos do Rally dos Sertões podem ser feitas até o dia 20/07 pelo site oficial do evento (www.sertoes.com). Mais informações na Secretaria de Prova, pelo telefone (11) 4191-0133.