enduro-fim-xperience-da-mulher_2018_foto_publix_1246

4° Enduro FIM Xperience da Mulher reúne mais de 70 pilotos

O 4° Enduro FIM Experience da Mulher 2018, que tem tudo para se tornar tradicional no calendário brasileiro de off-road, foi realizado na Estância Turística de Ribeirão Pires, cidade localizada na Serra do Mar, ao sudeste da cidade de São Paulo. Idealizado por Fábio Simões com o objetivo de aumentar a participação de mulheres em atividades do estilo, a competição vem tomando força e crescendo a cada ano.  Na edição 2018, contou com 71 pilotos de 38 cidades e 6 estados de todo o país.

Muita poeira foi levantada por trilhas em Ribeirão Pires durante o Enduro FIM Experience da Mulher 2018!

Muita poeira foi levantada por trilhas em Ribeirão Pires durante o Enduro FIM Experience da Mulher 2018!

Propositalmente, é realizado no mês de março como uma forma de comemorar o Dia Internacional da Mulher, o que coincidiu com o aniversário de Ribeirão Pires. Com apoio oficial da cidade, estavam presentes o prefeito Adler Teixeira – o Kiko, o vice-prefeito Gabriel Roncon, a primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Flávia Dotto, o secretário de Esporte e Lazer, Iuquio Ywasaki e do secretário de Turismo e Desenvolvimento Econômico, Cesar Ferreira.

Evento destinado apenas às mulheres contou com 71 pilotos de 38 cidades e 6 estados de todas as regiões do País

Evento destinado apenas às mulheres contou com 71 pilotos de 38 cidades e 6 estados de todas as regiões do País

Bárbara Neves, 17, de Aparecida de Goiânia e atual Campeã Nacional, foi a vendedora na geral e na categoria Pro Nacional, utilizando uma Honda CRF 230F. Em segundo, 16 segundos depois, Janaína Souza, de São Paulo, que foi a vencedora da Pro Importada, com uma Honda CRF 250R. Bárbara começou a competir há apenas 4 anos, neste mesmo evento. “O EFX da Mulher foi a prova que me levou a competir no Campeonato Brasileiro e pretendo continuar disputando todas as edições”, disse. Tainá Aguiar, Marcely Lobato Cazadini e Livia Batistine completaram o pódio da Geral.

Com um percurso que totalizava 16 quilômetros, a prova teve quatro voltas para as quatro categorias principais e três voltas para as demais e foi finalizada com o tempo total de 4 horas e meia, para as mais lentas. Ao todo, 42 pilotos utilizaram o modelo Honda CRF 230F.  As outras 29 utilizaram Honda CRF 450X, Honda CRF 150R, Honda CRF 85, Honda NX Bros 160, Honda XR 200, Yamaha DT 200, Yamaha WR 250F, Yamaha TTR 125, Yamaha TTR-230, Yamaha XT 225, Sherco 300-SER, Sherco 250 2T, Gas Gas EC 300 e Kawasaki KDX 220.

enduro-fim-xperience-da-mulher_2018_chamada_publix_1244

Personagens do Enduro FIM Xperience da Mulher

Uma disputa interessante e animada, foi a das equipes: por um lado a Kapangas, formada principalmente por pilotos do estado de São Paulo, e do outro, a Minas Rímel, com pilotos de Minas gerais e Espírito Santo. Beatriz Machado, de Arujá, SP, e apenas 12 anos, fez sua estreia participando da categoria Novatas com Moto Importada com uma Honda CR 85. Ficou em 3° em sua categoria, com o tempo de 3:25:04.52.

Com apenas 17 anos, Bárbara Neves é uma promessa do off-road nacional. Piloto goiana, atual Campeã Nacional, foi a vendedora nas categorias geral e Pro Nacional com sua CRF 230F

Com apenas 17 anos, Bárbara Neves é uma promessa do off-road nacional. Piloto goiana, atual Campeã Nacional, foi a vendedora nas categorias geral e Pro Nacional com sua CRF 230F

Do outro lado, Diankarla Damasceno, de 56, era a mais velha. Utilizou uma Honda CRF 230F e saiu vitoriosa na categoria Over 50 ficando em 41° na geral. “Vovó Cross“, como é chamada, também começou a andar de moto aos 12, mas somente aos 50 descobriu a terra.  Viaja o mundo sobre duas rodas e  compete em diversos campeonatos de Enduro e Cross-Country, inclusive fora do país.

Vigor e desejo por aventura aos 56 anos. Esta Diankarla é a 'Vovó Cross'

Vigor e desejo por aventura aos 56 anos. Esta Diankarla é a ‘Vovó Cross’

Piloto de motovelocidade, instrutora de pilotagem e jornalista, Suzane Carvalho, também de Honda CRF 230F, teve sua segunda experiência no off e ficou com o 2° lugar da categoria Over 50 e 47° na geral. “Essa foi a segunda vez na vida que andei na terra.  Ainda tenho muito o que aprender, mas já vi que dá para ir mais para a frente”, falou a única representante do estado do Rio de Janeiro.

A representante de Ribeirão Pires na competição foi Myharra Gabrielle Nagaiassu de Aguiar, de 18 anos, ficou em 60° com o tempo total de  4:10:00.00. “É a primeira vez que participo. Sempre acompanhei meu pai nas competições, mas quase nunca tinha mulheres. Quando soube que a prova só teria mulheres, foi incrível. Meus familiares incentivaram e topei o desafio”.

Suzane Carvalho trocou o macacão pela camisa e encarou, pela segunda vez, a terra do Enduro FIM Xperience da Mulher

Suzane Carvalho trocou o macacão pela camisa e encarou, pela segunda vez, a terra do Enduro FIM Xperience da Mulher

Suzete Alves, a Penélope, que também utilizou uma CRF 230, foi para Ribeirão Pires de carona com uma amiga, utilizando uma Kombi 2005 a gás. Após as quatro horas de competição e festa do pódio, demorou nada menos que 16 horas para voltar para sua cidade, Curitiba, andando entre 20 e 30 km/h.

71 pilotos, 71 histórias para contar…

No final, todas competidoras estavam felizes e receberam o convite do prefeito Kiko para que a competição permaneça na cidade. “A Adrenatrilha tem uma filosofia voltada para a razão da vida, que é a família. Portando antes de ser uma equipe ela é uma grande família, que considera todas as demais equipes, moto-clubes e trail clubes como seus irmãos”, disse o organizador Fábio Simões, que promove também a Copa EFX Brasil, Copa Adrenatrilha de Cross Country e Cross Country Kids para crianças a partir de 4 anos e GP 6 Horas, sempre no final do ano.

Pódio da Pro Nacional. Competição foi dividida em oito categorias

Pódio da Pro Nacional. Competição foi dividida em oito categorias

Esse é um evento aberto a todas as mulheres que quiserem participar.  Não precisa ser filiada a nenhuma entidade nem ter tido experiência anterior em competições. A piloto se encaixará em uma das 8 categorias existentes. O Enduro contou ainda com show de manobras da equipe Sisters no Grau Moto Show (formada somente por mulheres, claro), um desfile de motos pela cidade na véspera da largada e apresentação do Grupo de Ginástica Rítmica formado por adolescentes da cidade.

whatsapp-image-2018-03-16-at-17-58-51Texto por Suzane Carvalho, piloto de motovelocidade, instrutora de pilotagem e jornalista. Acompanhe seu trabalho pelo YouTube.