curva_motoGP

A incrível inclinação das motos de competição

Desafiando as leis da física

Desafiando as leis da física

Este gráfico mostra claramente o que representa uma inclinação de 60 graus

Este gráfico mostra claramente o que representa uma inclinação de 60 graus

No GP Aperol de São Marino e Riviera di Rimini deste domingo, a TV geradora das imagens colocou um indicador gráfico para mostrar o grau de inclinação das motos dos principais pilotos da categoria rainha da MotoGP™ nas curvas mais fechadas e velozes do circuito. Os números mostrados são inacreditáveis e ultrapassam os 60 graus, ou seja, acima de 2/3 dos 90 graus possíveis.

A tecnologia aplicada nos pneus, suspensões e aerodinâmica impressiona pelo desafio à física que estamos presenciando. Para uma moto atingir tal inclinação é necessário que os pneus, somados ao peso da moto, ofereçam a aderência necessária para neutralizar a força centrífuga (força G) que empurra a moto para a direção oposta à curva.

Valentino inclinando muito além do que o bom senso recomenda

Valentino inclinando muito além do que o bom senso recomenda

Por sua vez a suspensão e a aerodinâmica são responsáveis por manter as rodas sempre em contato com o asfalto, mesmo quando a moto passa por depressões no meio das curvas. Apesar da velocidade em curvas ser menor, a aerodinâmica está presente.

Um chassi bem resolvido e isento de torções também é imprescindível para assegurar ao piloto que as rodas dianteiras e traseiras não percam o alinhamento nos momentos de maior estresse da estrutura, e isso só foi descoberto recentemente. Antes, as estruturas das motocicletas tinham uma flexibilidade controlada que se acreditava ser benéfica para a estabilidade.

Os italianos eram mestres nessa tecnologia. Os ingleses fabricavam ótimos quadros também. (hoje esse termo indica mais esse tipo antigo de estrutura, com flexibilidade controlada). O efeito shimmy era neutralizado com uma ressonância benéfica na flexibilidade do chassi, que só se registrava em velocidades baixas. Hoje, sabe-se que mesmo oscilando em altas frequências, uma estrutura rígida permite velocidades maiores. Pode-se reparar como oscilam rápidamente as motos do GP quando iniciam um “tank slapper” (ou shimmy na dianteira) em grandes mergulhos, onde a distância entre eixos cai muito e o trail se torna impraticável. A moto recupera rapidamente quando o piloto solta os freios, e isso é consequência da ótima estrutura que estabiliza as flexões. Impressionante.

Outro fato preponderante nessa questão é a qualidade dos pneus. Na inclinação que se verifica hoje em dia, a força vertical contra o solo é o único componente a segurar a moto na trajetória, por causa do atrito contra o asfalto. A maior inclinação é necessária para manter a linha do centro de gravidade sobre a área de contato do pneu. Só assim ele pode resistir à força lateral que tende a deslocar a moto para fora da curva. Adicione a isso a força do motor, deslocando a moto para frente, saindo da curva. Se essa força exceder o limite de atrito disponível a moto literalmente sai de baixo do piloto. Nessa hora o controle de tração tem importância fundamental. Uma leve oscilação do acelerador, passando por um buraco por exemplo, pode tirar a moto de baixo do piloto. Ele está no fio da navalha.

Por trás do esporte existe uma indústria de pesquisa tecnológica que dá suporte à incansável busca por milésimos de segundo e também à segurança, primordial em um esporte tão perigoso como é a motovelocidade, envolvendo os fabricantes de todos as peças que compõem uma moto de competição. Essa tecnologia é testada nas pistas e depois aplicada nas motos vendidas a consumidores civis do mundo inteiro.

Um grau a mais de inclinação pode significar uma melhor saída de curva e milésimos de segundo preciosos de vantagem

Um grau a mais de inclinação pode significar uma melhor saída de curva e milésimos de segundo preciosos de vantagem

Provavelmente o limite de inclinação já tenha sido atingido. Observando as fotos e vídeos das corridas vê-se que não existe mais espaço para ombros e joelhos entre a moto e o chão. Mas sabemos que nosso heróis da MotoGP vão continuar tentando ampliar esses limites.



Mário Sérgio Figueredo

Motociclista apaixonado por motos há 42 anos, começou a escrever sobre motos como hobby em um blog para tentar transmitir à nova geração a experiência acumulada durante esses tantos anos. Sua primeira moto foi a primeira fabricada no Brasil, a Yamaha RD 50.