Foto: Disco traseiro na CB 300 - Bitenca

ABS nas trezentas Honda, motos que morrem, Quer punho rápido na cidade,

Foto: Disco traseiro na CB 300 - Bitenca

Foto: Disco traseiro na CB 300 - Bitenca

Bom eu gostaria de saber quais as principais funcões dos freios ABS. E se realmente a diferença é notória em uma moto de porte médio como a CB300R? parabens pelo site acompanho sempre as novidades pelo motonline!!! Maikon, 25, Andradina, SP.

R: Maikon, aguarde matéria específica sobre o sistema nas trezentas Honda.
Basicamente, a função do sistema é evitar que as rodas travem em situação em que o limite de tração é superado. Acontece que os ajustes e técnicas de construção raramente alcançavam a performance obtida por um piloto razoavelmente experiente. O limite fica normalmente muito abaixo do que se consegue pilotando normalmente e portanto esse sistema tem sido criticado porque exige uma tocada muito conservadora, longe da realidade do usuário comum, principalmente no uso urbano, cheio de surpresas. O que o sistema faz é soltar e agarrar o disco no momento em que um sensor nas rodas percebe uma variação de velocidade em uma das rodas, diferente da outra. As situações a se considerar são inúmeras. Imagine o caso em que a traseira receba tração do motor e supere em rotação a dianteira, que pode estar com os freios acionados, por combinação com o traseiro, pois essa é uma técnica muito usada em saídas de curvas para neutralizar instabilidade causadas por folgas na transmissão. Outras situações em que o sistema é “enganado” por falta de informação ou velocidade na interpretação e reação podem fazer com que a condução fique na realidade mais perigosa do que se o piloto tem toda a situação sob seu controle. Nos últimos anos a Honda internacionalmente tem investido muita pesquisa nesse aspecto porque percebe que apesar de a empresa ser uma das que mais investe em treinamento dos usuários ainda há muitos que se arriscam em pilotar em situação extrema de falta de manutenção e experiência. Um dado da Abraciclo me assustou quando apresentaram o resultado da inspeção técnica das condições em que rodam as motos pela cidade de São Paulo. A grande maioria dos usuários não tem os freios em condições mínimas de manutenção. O que poderia ser dito a respeito do uso correto de suas máquinas?
Sob essas circunstâncias a realidade se mostra cruel mas para nossa tranquilidade a Honda se adianta novamente e lança um produto em um novo padrão de qualidade. A solução apresentada combinando o CBS (Combined Brake System) com o ABS (Antilock Brake System) se situa em um novo patamar, onde a pilotagem de um iniciante se assemelha a de um condutor experiente, porque o tempo de resposta e o limite aceito do poder de frenagem vai bem além do que normalmente se observa em outros ABS que atuam como anti-lock e soltam o freio bem abaixo do limite da tração. Abraços,

Foto: Punho Rápido - Peter Verdone design

Foto: Punho Rápido - Peter Verdone design

Caro Bitenca,Rodei hoje na cidade providenciando emplacamento da XRE 300, e logo cedo pela manhã ao sair de casa, tive dificuldade de ligar o motor (temperatura +/- 25 graus), quando precisei acionar a partida três vezes e durante o dia circulando na cidade o motor interrompeu, sem mais nem menos, duas vezes. Em ambas as ocasiões, desliguei a chave, acionei a partida e o motor voltou a funcionar normalmente. Abasteço sempre no mesmo posto, há anos, e não tenho estes problemas em outros veículos que possuo.Levei a motocicleta na concessionária e o chefe da oficina afirmou – e não me convenceu – que este problema era normal e deve acabar rodando mais um pouco. Consultando o Forum, li o relato de outros donos de XRE300 com o mesmo defeito.Fora estes problemas a motocicleta tem celeração boa, marcha lenta está normal(cerca de 1500giros), é confortável, enfim, uma boa motocicleta.Na sua opinião o que deve estar provocando estes problemas e qual a provável solução?Um abraço Alvaro, 56, Eunápolis, BA.

R: De fato Alvaro, esse problema não é normal mas considero que pode haver uma estabilização da injeção com o uso sim. Alguma sujeira no bico ou falha na interpretação de algum sensor pode ter ocasionado o problema. Injeção eletrônica é mais ou menos como telefone, às vezes você liga e perde a ligação e em outras você fala normalmente sem nenhum problema, reinicie o sistema sempre que duvidar. Fique atento e se o problema permanecer volte à concessionária.
Abraços,

Bitenca, preciso que você me esclareça sobre uma situação que ocorreu comigo e que tem me deixado preocupado. Estava dando uns roles com a Bros ESD 2009 pelo centro da cidade, e de repente decidir ir pra uma cidade vizinha, coisa de 15 km. Quando estava me aproximando da estrada, eis que a moto pára de funcionar. Logo pensei que eu tivesse apertado o corta-motor, aquela paradinha vermelha que fica do lado direito do guidon. Mas o botão não estava ativo. Então olhei para o painel, pra ver se o led da I.E. estava acesso, mas tava apagado. Daí comecei a ficar preocupado. Pensei que fosse gasolina, mas tinha mais ou menos uns 2 litros + 3 da reserva. E desligava a moto, ligava e nada de pegar. Daí levei para um posto e coloquei 10 conto de gasosa. Nada de funcionar, e a angustia aumentando. Daí veio uns carinhas que estavam num bar próximo e resolveram me ajudar. Como a moto é I.E. eles não saberiam me ajudar. Mas eis que um deles pediu pra tentar um procedimento: abrir um pouco o acelerador e em seguida segurar a partida elétrica por cerca de 10 segundos. BINGO!!! A moto pegou. O rapaz me disse que a moto estava AFOGADA. Depois fui verificar no manual da moto e realmente existe essa parada de MOTOR AFOGADO. Agora vem agora os questionamentos: Se é I.E. como é possível um motor afogar, já que o sistema provavelmente controla a entrada de gasolina no motor? O que leva a isso? É mau uso da moto? É normal acontecer isso? Danifica a moto? Por favor Bitenca, me esclareça essa questão. Franklin, 26, Itabaiana, SE.

No seu caso, ao abrir o acelerador entrou ar na composição da mistura e o sensor “liberou” o funcionamento do bico enquanto dava na partida. Isso é o que provavelmente ocorreu. A causa primeira no seu caso deve ser verificar a qualidade da gasolina, não a condição da vela como do outro leitor. De qualquer forma. se a injeção não “gostar da queima da gasolina” ela se nega a funcionar, pois sobra excesso de resíduo não queimado (poluição) e o sensor de oxigênio bloqueia o funcionamento.

:Li o artigo do Bitenca sobre carburação de moto e descidi escrever. Li no manual da minha Suzuki Yes 125 que seu motor apresenta melhores respostas em altas rotações. Acontece que o acelerador original é de curso bem longo. PERGUNTA: Existe alguma restrição de se instalar nela um acelerador rápido de 1/4 de volta tipo o do link abaixo da Circuit? Por acaso ele pode comprometer a regulagem ou o funcionamento da moto?Um abraço e obrigado. Fernando, 48, Taboão da Serra, SP.

R: Não há problema na carburação Fernando. Você vai ter que mandar fazer um cabo especial na medida correta para que o acelerador funcione no curso do punho rápido. Outra coisa, você vai ter que retirar o cabo de retorno do acelerador original porque nesse rápido não há previsão para ele. Compromete sua segurança porque com o cabo de retorno, se houver um engripamento do pistonete com ele você força o retorno mas com o punho rápido isso será impossível, fica apenas com a força da mola e o corta-corrente como segurança adicional.
Como o punho original acomoda interruptores elétricos esses também terão que ser refeitos, o rápido não tem. Coloque um botão de corta-corrente de boa qualidade e fácil acesso para compensar no aspecto segurança.
Abraços,