Acidente Anhanguera em 04 de abril de 2009

Acidente Anhanguera em 04 de abril de 2009

Acidente Anhanguera em 04 de abril de 2009

Caros amigos: a propósito do acidente na rodovia Anhanguera onde, segundo a Globo, motociclistas com motos de alta potência, em
alta velocidade, sem escrupulos, cuidado, cautela, etc, etc, teriam causado a morte de um policial militar ficou nítida a falta de isenção do órgão de imprensa em afirmar que a causa foram motociclistas imprudentes com motos de alto risco, mas, nada afirmam com relação a provável falta de cuidado dos policiais que ocuparam uma rodovia sem os cuidados necessários para atendimento de um acidente. Acho que para afirmar algo tão grave deveriam buscar melhores informações. antonio carlos Garcia, Três Lagos – MS

R: Carlos desculpa desagradá-lo, mas a imprensa nesse episódio deu a notícia com a mais pura verdade. Não é necessário ser especialista, todavia, o que vou falar é exigido no exame para renovação da CNH. Quando ocorre um acidente, o socorrista primeiro avalia as condições da vítima ou das vítimas e depois faz a sinalização. Os acidentes ocorreram quase que simultaneamente. Nesse caso, quem agiu com imprudência foram os motociclistas. A polícia estava fazendo seu trabalho, aliás, o que corrobora com minha afirmação que foi checada na Polícia Rodoviária é que os policiais atropelados eram da ROCAM, ou seja, nem tempo houve para a chegada da Policia Rodoviária. Não é competência da ROCAM o patrulhamento de rodovia, estavam transitando como qualquer cidadão, se deslocando de uma cidade para outra e como policiais que devem zelar pelo cidadão, pararam para socorrer a vítima do automóvel.

Acidente Anhanguera em 04 de abril de 2009Umas das motos, modelo R1 da Yamaha o conta-giros travou a 10.000RPM, isso significa uma velocidade altíssima, mas, que será provado pela Polícia Científica facilmente, num trecho cuja velocidade máxima é de 90Km/h. Esses indivíduos devem arcar com indenizações a família do policial morto e pagar todo tipo de dano material que causaram por suas, respectivas, prepotências, inclusive, do ponto de vista jurídico e usando o dicionário Aurélio, tais motociclistas foram delinqüentes no estrito sentido da palavra.

Quem conhece a Rodovia Anhanguera sabe muito bem que ali, é repleto de curvas cegas e qualquer ser pensante sabe que ali não é lugar para correr.

Outro ponto de vista jurídico interessante, é que se as motocicletas tiverem seguro, as, respectivas, Seguradoras podem e devem eximirem-se de indenizar, todavia, o segurado, no caso, agiu com má-fé pois agiu aumentando o risco e esse aumento de risco não foi calculado na proposta de seguro.

Lugar de correr é num autódromo, onde é um ambiente controlado. Realmente, falta lugares na região metropolitana de São Paulo que conta só com Interlagos e por outro lado, por falta de conhecimento, as Seguradoras negam indenização de sinistro ocorrido dentro de autódromo, no entanto, o risco de haver acidente num autódromo é, infinitamente, menor do que numa rodovia.

Sinto imensa dor pelas famílias dos policiais e dos motociclistas. Mas entre o corporativismo e a verdade, fico com a segunda. Que esse triste episódio no trânsito brasileiro e que mancha o motociclismo, sirva de exemplo para os demais.

abraço e não esqueçam: não há razão quando se ganha uma lesão. Pilote equipado, defensivamente e respeite as leis de trânsito.