Acidentes com pipas diminuem em 2008, mas precauções ainda são fundamentais

Acidentes com pipas diminuem em 2008, mas precauções ainda são fundamentais

Acidentes com pipas diminuem em 2008, mas precauções ainda são fundamentais

De acordo com a AES Eletropaulo, até novembro deste ano foram registradas 12 771 ocorrências por interrupção de energia provocada por pipas, sendo janeiro, o mês com maior índice, de quase três mil casos. Em todo o ano de 2007 foram constatadas 16.163 ocorrências.

Com as férias chegando, os pais e responsáveis devem ficar atentos com uma das brincadeiras preferidas das crianças: empinar pipa. Sem orientação e lugar adequado, essa diversão pode se transformar em risco para a segurança das crianças e transtornos para a população.

Os números de ocorrências registradas até novembro de 2008, 12.771, são os menores desde 2003. Os acidentes também tiveram queda expressiva e, até o momento, foram constatados oito casos neste ano.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo (Stieesp), Carlos Reis, independentemente do número apresentado pela concessionária ser inferior ao do ano passado, sem orientações e medidas preventivas este número pode voltar a crescer. “Sem o aconselhamento dos pais e campanhas educativas, as crianças não têm noção do perigo a que estão expostas. Muitas vezes, nem mesmo os adultos têm conhecimento deste risco. Descargas elétricas causam acidentes gravíssimos, apesar de serem muito fáceis de prevenir”.

“Os meses de férias são os que apresentam maior número de ocorrências. Por isso, essas campanhas devem se intensificar nesse período”, ressalva Carlos Reis. Apenas em dezembro de 2007, foram registradas 2.819 interrupções de energia elétrica, provocadas por brincadeiras com pipas. Em 2008 o maior número foi em janeiro com 2.938 casos.

Quando enroscadas em postes, transformadores e cabos elétricos elas provocam curtos-circuitos e acionamento de chaves e disjuntores para proteção de equipamentos instalados na rede elétrica, tendo como conseqüência a interrupção do fornecimento de eletricidade.

Outro fator perigoso, decorrente da brincadeira, é a linha com cerol. Quando entra em contato com cabos elétricos, o cerol (mistura de vidro, cola e outros ingredientes), pode provocar curto-circuito e descarga elétrica. A linha também pode romper o fio elétrico e, dessa forma, provocar o corte de energia elétrica, além da grande possibilidade de o fio atingir alguma pessoa, gerando um acidente de conseqüências trágicas.

Dicas importantes
Soltar pipa apenas em locais afastados da rede elétrica;
Nunca use fios metálicos nem papel laminado para confeccionar a pipa, eles são como condutoras de energia e podem causar choques fatais;
Se a pipa ficar presa nos fios elétricos, não tente retirá-las;
Não use cerol. Além do risco de ferir ou mesmo matar, o cerol costuma cortar os fios de alta e baixa tensão;
Não jogue objetos na rede de energia elétrica, como arames, correntes e cabos de aço;
Em caso de relâmpagos, recolha a pipa imediatamente;
Não solte pipas em dias de chuva ou vento muito forte;
Preferira pipas que não precisam de rabiola;
Não suba em telhados, lajes, postes ou torres para recuperar pipas;
Caso presencie um acidente desse tipo, para separar a vítima do condutor de energia use objetos de borracha ou madeira, evitando os de metal ou que estejam molhados.