Acidentes de moto exigem atendimento especial

O “Mapa da Violˆncia” realizado pela Unesco, Secretaria de Direitos Humanos e Instituto Ayrton Senna, revela um aumento de 19,5% no n£mero de acidentes de transporte, entre os anos de 1993 e 2002 – devido ao grande aumento da frota circulante.

Os acidentes sÆo respons veis por 15,5% dos ¢bitos, sendo que em 81,5% as v¡timas sÆo do sexo masculino. O aumento no n£mero de motociclistas – somente em SÆo Paulo sÆo 7% da frota circulante na cidade – dados da CET Companhia de Engenharia e Tr fego – tem chamado a aten‡Æo dos profissionais de sa£de. Estat¡sticas de ¢rgÆos brasileiros de trƒnsito apontam que 71% dos acidentes com motociclistas fazem v¡timas graves. Na capital paulista, acontecem cerca de 70 acidentes ao dia, com duas v¡timas fatais.

Muitas mortes poderiam ser evitadas se houvesse um maior preparo das equipes e hospitais que socorrem esses feridos, diz o doutor Carmo Vicentini, radiologista da URP Diagn¢sticos M‚dicos. “Em primeiro lugar, ‚ imprescind¡vel frisar a importƒncia do atendimento imediato que a v¡tima recebe ainda no local do acidente, com os cuidados cab¡veis e imobiliza‡Æo adequada da v¡tima para o transporte hospitalar”.

Para o ortopedista do Hospital Santa Paula, Gilberto Anauate, “assim que o ferido d  entrada no pronto-socorro, um exame cl¡nico preciso ‚ determinante. SÆo verificadas as vias a‚reas (respira‡Æo, traqu‚ia e pulmäes), os membros que foram lesionados, e pesquisados poss¡veis sangramentos. Uma equipe de radiologia e outra multidisciplinar atenderÆo o paciente em um segundo momento”.

 nesse ponto que se d  a importƒncia dos exames poli-X, uma bateria de exames radiol¢gicos para pesquisar lesäes no corpo. “Isso garante, por exemplo, que nenhuma hemorragia interna passe despercebida e leve o acidentado ao ¢bito. SÆo radiografias do crƒnio e da coluna cervical, do t¢rax e da bacia, como tamb‚m da coluna lombar ou de algum outro membro em que recaiam suspeitas de fraturas. “Sempre que alguma dessas radiografias evidenciar fratura, a pesquisa dever  continuar atrav‚s de uma tomografia computadorizada”, explica o radiologista da URP.

Fontes – Dr. Carmo Vicentini, m‚dico radiologista da URP Diagn¢sticos M‚dicos e Dr. Gilberto Anauate, ortopedista do Hospital Santa Paula.