Foto: Doctor Tite em entrevista . TV

Alma teimosa

Foto: Doctor Tite em entrevista . TV

Foto: Doctor Tite em entrevista . TV

O primeiro filme brasileiro sobre a paixão pela moto está  na fase final graças a muito suor e teimosia. Quando o Renzo Querzoli apareceu com uma câmera na mão e uma idéia na cabeça eu lembrei de minhas velhas aulas de TV e cinema na faculdade de jornalismo. “Caraca – pensei – já  vi que entrei numa roubada”. Roubada porque eu conheço o mercado brasileiro de moto h  30 anos e h  pelo menos 20 perdi a ingenuidade com relação ao mercado. Roubada porque eu amei a idéia desde o começo e não poderia deixar meu amigo Renzo sozinho. Roubada porque eu convivo há  duas décadas com essa gente que repete catatonicamente “hum, interessante o projeto, mas…”.

Como professor de português conheço bem todas as conjunções coordenativas adversativas: mas, porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto etc e tal. O mercado vive com essas conjunções na ponta da l¡ngua. Faz quatro anos que o Renzo sai em busca de apoio para um filme que tem a importância histórica de mostrar ao Brasil um novo jeito de olhar a moto e esbarra no mon¢logo adversativo: “P”, maravilhoso seu projeto, mas, porém, todavia, contudo não temos verba dispon¡vel!”. Menos de um mês depois a mesma empresa que não tinha verba veicula várias páginas de anúncio nas revistas especializadas. Só agora o Renzo aprendeu algo sobre o mercado que já  sei há 20 anos: nosso mercado ‘ grande, imenso, o quinto maior do mundo, pronto para ser o terceiro em pouco tempo, MAS ‘ pobre!

Foto: Diretor Renzo Querzoli com a cƒmera na cabe+a!

Foto: Diretor Renzo Querzoli com a cƒmera na cabe+a!

A pobreza não ‘ de investimento, de dinheiro, de verba publicitária, mas pobre de criatividade, de coragem e de ousadia. Nosso mercado nasceu velho e está  nas mãos de gente envelhecida. Quando foi a última vez que você viu um anúncio veiculado no Brasil que te fez pirar o cabeçote? No Youtube podemos ver centenas de filmes estrangeiros sobre motos capazes de tirar o fôlego de um jovem pobre (também tem muita porcaria). E no Brasil? As grandes marcas entregam suas campanhas nas mãos de agências mais preocupadas em ganhar prêmios do que fazer um jovem sentir o tesão pela moto. O que assisto na TV são anúncios burocratas, chatíssimos, sonolentos e modorrentos. Idem na m¡dia impressa e pouco menos na internet, que permite viajar mais nas idéias interativas.

Então aparecem dois motociclistas e profissionais experientes, com moto correndo pelas veias, que ainda não lançaram mão do Viagra para recuperarem tesão pela moto e o mercado bate a porta na cara como se fôssemos dois gagos buscando uma graninha na esperança de garantir a aposentaria motocicl¡stica em Miami.

Só que aprendi algo com o Renzo. “A diferença entre o chato e o teimoso ‘ o sucesso”. Tenho certeza que muitos dos empresários que procuramos em busca de patroc¡nio nos chamaram várias vezes de chatos. Quando pegarem o filme Alma Selvagem nas mãos terão de trocar o adjetivo para “teimosos”. Porque foi graças . teimosia quase doentia do Renzo que o Alma Selvagem está  na fase final de produção, prestes a ser lançado no Salão da Moto, em outubro.

Quando algu’m insiste no objetivo e fracassa torna-se “o chato daquela id’ia maluca”. Mas quando a insistência fura a barreira da ignorância e do preconceito e obtém sucesso a reação ‘ “pô, os caras são persistentes”.

Nestes últimos quatro anos o artista Renzo teve de deixar de lado a arte, vestir a carapaça de vendedor de enciclopédia e foi .s ruas batendo de porta em porta para vender um filme. Essa teimosia em breve estar  nas lojas, livrarias, bancas de jornais e, claro, aqui no Motonline na forma de um DVD. Eu mesmo nunca tive essa paciência e coragem de sair vendendo patroc¡nio, porque cansei de me resignar diante de pessoas que se diziam “grandes amigos”, mas na hora de apoiar um projeto meu me deixaram falando sozinho, com cara de trouxa. Cansei de sair de reuniäes chat¡ssimas com a sensação de ter deixado atr s de mim um cara rindo, imaginando que eu estava l  “pra tirar uma graninha deles” e mais preocupado com o que (ou quem) ele comer  no almoço do que aumentar as vendas da sua empresa.

Tive de resgatar meu passado de estudante de rádio/TV/cinema para me vestir de ator criamos o “personagem” Doctor Tite (porque tio ‘ coisa de velho babão mesmo!). No começo, o Renzo tentou me dirigir, mudar a impostação de voz, interpretação e atuação como se fosse um ator profissional. Depois de algumas cenas decidiu – inteligentemente – deixar-me . vontade e ser eu mesmo. Por isso não estranhem as gaguejadas, embaraçadas e a voz de soprano com laringite, porque eu nem sequer conseguia decorar os textos que eu mesmo criava!

Esse esp¡rito espontâneo estar  no filme o tempo todo. Durante os meses de gravação me diverti muito e certamente vocês darão muita risada, principalmente com os extras!

Não posso deixar de agradecer o imenso apoio prestado por amigos que tiveram coragem de investir nesse produto. Empresas que serão sempre lembradas por nós: Escapes Sarachu, Luxotica (óculos Arnette), macacäes Bannypel, motos FYM, capacetes CMS, além das gentilezas oferecidas pelo Hotel Garden Hill (São João Del Rey), Hotel Nacional Inn (Piracicaba) e o restaurante A Cavalgada (rodovia Castelo Branco). E prestar uma homenagem . equipe que nos acompanhou em mais de 2.000 km de estradas, madrugando para preparar nossos lanches, . atenção incondicional de produtores, câmeras, fotógrafos, profissionais que serão todos devidamente creditados e que – desculpem o clichê – formaram uma fam¡lia, mas sem aquele primo pentelho.

Quanto .s outras dezenas de empresas e pessoas que procuramos e rechaçaaram nossa proposta com desculpas evasivas, bom, como dizia o ex-presidente Getúlio Vargas (mas a frase ‘ de outro presidente Arthur Bernardes): “Aos amigos tudo, aos inimigos o rigor da lei!”. Sempre procurei separar o jornalista Geraldo Simäes do personagem Doctor Tite, mas pode crer que todos que viraram as costas para a realização desse sonho também serão lembrados pra sempre.

Meu poeta favorito, Mário Quintana, tem uma poesia genial:

Poeminha do contra

Todos estes que a¡ estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!

Quem tem a Alma Selvagem torna-se leve como um passarinho!

Veja o trailer do filme no link abaixo: