Foto: YPVS da Yamaha

Alterações no escape – parte 2

Foto: YPVS da Yamaha

Foto: YPVS da Yamaha

Uma moto para maior velocidade, por exemplo, precisa ter um escape que permita a sa¡da r pida dos gases para poder trabalhar melhor com o motor em alta rota‡Æo. Por outro lado, a aceleracÆo em baixa rota‡Æo fica prejudicada. J  uma moto de cross ou enduro, adota um escape com curvas grossas e acentuadas, justamente para obter mais for‡a com o motor em menores rota‡äes.

Numa moto de passeio com motor dois tempos, essas formas ficam “camufladas” por tubos que dÆo a forma externa do escapamento. Por dentro estÆo os difusores e silenciadores. Por isso, quando um motociclistas retira o silenciador do escapamento, em busca de mais rendimento, na verdade est  s¢ aumentando o barulho e a moto passa a render menos.

A todas essas particularidades do escape de um motor dois tempos ainda deve-se somar mais uma: a carboniza‡Æo. Como o ¢leo queimado ‚ expelido pelo escape, parrt¡culas desse carvÆo vÆo se acumulando na parte interna, “entupindo” o escape e piorando o rendimento em altas rota‡äes. A descarboniza‡Æo deve ser peri¢dica, observando as recomenda‡äes do manual do propriet rio.

A etapa final da sa¡da dos gases ‚ a ponteira. Ela tem a fun‡Æo de reduzir a emissÆo de ru¡dos e tamb‚m altera o rendimento do motor. A partir de uma medida padrÆo para um motor espec¡fico, uma ponteira mais longa permite maior velocidade final, enquanto uma ponteira curta determina mais torque em baixa rota‡Æo. Mas todas essas dimensäes sÆo calculadas a partir de testes, sempre levando em conta as caracter¡sticas de um motor. A “receita” de um motor pode nÆo ficar boa em outro.

Foto: Moto custom: escape piora rendimento

Foto: Moto custom: escape piora rendimento

Certamente quando se trata de motores de rua, as medidas sÆo mais padronizadas e pode-se utilizar as ponteiras vendidas comercialmente. Sempre respeitando os limites de emissÆo de decib‚is. Porque um motor pode ser r pido bastante para agradar o motociclista, mas barulhento o suficiente para ganhar uma pesada multa.

O motor quatro tempos ‚ menos sens¡vel …s altera‡äes do escapamento, se comparado com um dois tempos Geralmente pode-se melhorar o rendimento mais facilmente alterando o diagrama de abertura das v lvulas de escape (trocando o comando, por exemplo) do que alterando curvas e diƒmetros do escape. Mas uma regra prevalece: quanto mais livre o escape, melhor o rendimento em alta rota‡Æo, e quanto mais fechado escape mais for‡a em baixa rota‡Æo.

Existe ainda outra semelhan‡a entre os motores de quatro e de dois tempos: os gases tendem a retornar para o cilindro, quando o pistÆo est  descendo e chegando no PMI (ponto morto inferior). Se em vez de gases queimados retornar ar frio, (devido a um escape muito aberto), esse ar vai encontrar uma v lvula de escape em alta temperatura e o choque t‚rmico pode provocar uma trinca na v lvula. Por isso, o chamado escape “corneta”, que se via nos motores quatro tempos de competi‡Æo, ganharam novas formas e estÆo mais para “clarinete”. Tamb‚m nÆo se deve pura e simplesmente arrancar o miolo do escape para te um motor “falando mais alto”. Realmente o barulho ser  ensurdecedor, mas o rendimento vai melhorar quase nada. O barulho ‚ que vai dar a impressÆo que a moto est  “andando muito”

Aqueles estouros que os donos de motos 125/150 adoram fazer para pentelhar a humanidade tamb‚m provocam um refluxo de gases e danifica a v lvula de escapamento. O estouro ‚ feito quando o pentelho acelera tudo, desliga a igni‡Æo do motor, acelera tudo de novo e religa a igni‡Æo. A mistura sai do cilindro sem ser detonada pela vela e fica toda no escapamento. Ao religar, uma fa¡sca da vela recupera a detona‡Æo e aquela mistura que estava “boiando” dentro do escape tamb‚m detona, provocando o estouro. O problema est  nesse estouro, que produz uma onda de choque e retorna no sentido da v lvula de escape. Como a v lvula ‚ feita para abrir pelo comando e retornar pela for‡a da mola, nÆo est  preparada para o choque muito mais forte e o resultado ‚ o empenamento da haste. Com o tempo, o assentamento da v lvula de escape fica prejudicado e o motor perde rendimento. Quer dizer, al‚m de pentelhar nossa paciˆncia, esses pipocos prejudicam o motor!

E um recado …queles donos de motos custom que adotaram escapes curtos e diretos, daqueles que saem quase ao lado do motor: al‚m de o motor perder MUITO rendimento, o refluxo de ar frio tamb‚m manda o assentamento de v lvula pro espa‡o. Em mat‚ria de comprimento de escape, a regra ‚ simples e imut vel; quando mais comprido maior a velocidade final e menor a retomada; quanto menor, melhor a retomada e menor a velocidade. As motos custom j  nÆo sÆo muito velozes, se reduzir a velocidade elas acabam se arrastando!