Foto: Cadˆ o amortecedor da Harley?

As mentiras que o povo conta

Foto: Cadˆ o amortecedor da Harley?

Foto: Cadˆ o amortecedor da Harley?

Ele veste bombachas, botas e tem um pelego sobre o banco. NÆo h  qualquer d£vida. Trata-se de um t¡pico ga£cho; que p ra sua Honda CG 125 ao lado de outra CG, esta com placa de SÆo Paulo. O ga£cho olha de soslaio e provoca:

– Bah, guri paulista, tu queres tirar um racha, ou tens medo de perder para uma CG especial.

– P“. meu, especial em quˆ? Pergunta o paulistano.

– EntÆo nÆo sabes que as CG 125 vendidas aqui no sul tˆm uma rela‡Æo prim ria mais longa?  para andar mais nas nossas plan¡cies.

Essa conversa nÆo existiu de verdade.  apenas uma mentirinha, assim como ‚ mentira essa est¢ria de CG com rela‡Æo longa vendida no sul do pa¡s. Ningu‚m sabe de onde partiu essa mentira, assim como outras mentiras sobre detalhes mecƒnicos que nunca existiram ou t‚cnicas de pilotagem totalmente fict¡cias. Como todos os boatos, depois que cai na boca do povo praticamente assume caracter¡sticas de “verdade”.

Muitas dessas mentiras tˆm origem no desconhecimento e, o que ‚ pior, espalham-se como verdadeiras, contaminando aqueles que ainda estÆo engatinhando na vida motocicl¡stica. Alguns chegam a ser at‚ engra‡ados, como a Honda XLX 250R com dois cilindros. At‚ hoje essa moto nunca existiu, mas essa est¢ria come‡ou a circular quando a Honda lan‡ou a XLX com dois carburadores e algu‚m logo imaginou que um motor com dois carburadores e duas sa¡das de escapamentos, claro, s¢ poderia ter dois cilindros.

O mais ir“nico ‚ que duas d‚cadas antes houve a mesma confusÆo, gra‡as …s motos Jawa, que na versÆo 250cc tinha um cilindro e dois escapamentos; e na versÆo 350 que tinha dois cilindros e apenas um carburador. Realmente, nesses casos fica dif¡cil saber quem tem um ou dois cilindros. Uma coisa ‚ certa, a XLX 250R tinha apenas um carburador e sempre teve um £nico cilindro.

ConfusÆo com carburadores tamb‚m gerou um boato interessante. Quando a Honda equipou a CG 125 com carburador Ecco, com injetor, muitos motociclistas sa¡ram divulgando aos invejosos amigos que sua moto tinha “inje‡Æo direta”.

– Est  escrito aqui, olha s¢ – mostrava o motociclista – “carburador com injetor”!

A ausˆncia das aletas de refrigera‡Æo no motor Yamaha DT 200 tamb‚m gerou suas confusäes. Aquele cilindro “pelado”, sem aletas deu pano para muitas mangas. Na ‚poca do lan‡amento diziam que o motor iria travar nas regiäes mais quentes porque nÆo tinha as aletas de refrigera‡Æo.

– Olha a¡ – diziam – esse motorzinho “pelado”, desse tamanho nunca vai “andar mais” do que o motorzÆo da minha CG 125.

As motos importadas come‡aram a sofrer esse tipo de boataria desde que a Honda importou algumas CBX 750F, em 1986, para realizar a chamada pesquisa de mercado. Eram as primeiras motos grandes a desembarcarem em terras tropicais vindas por cima do pano, por isso mesmo alvo de muita curiosidade. A embreagem hidr ulica foi a respons vel pela primeira onda de boataria. Como o reservat¢rio do ¢leo era exatamente igual ao cilindro mestre do freio dianteiro, nÆo demorou para aparecer gente afirmando que a nova CBX 750F tinha duas alavancas de freio, uma para cada disco de freio dianteiro. O que nÆo explicaram era aonde tinha ido parar a alavanca de embreagem.

Mais recentemente, quando a Kawasaki ZX-7R chegou ao Brasil, os dutos de refrigera‡Æo do cabe‡ote que coletam ar na porta frontal superior da moto foram confundidos com algum esp‚cie de sistema de abastecimento r pido, que existe nas motos de competi‡Æo. Seria muito curioso e perigoso algu‚m tentar abastecer a moto por aqueles tubos, mas de qualquer forma o erro seria descoberto na primeira tentativa.

Nem mesmo as Harley-Davidson, que j  existem h  d‚cadas, escaparam dos boatos. Quando as motos versÆo “rabo duro” foram expostas muita gente achou que elas nÆo tinham amortecedores traseiros.

– Olha a¡, nÆo te falei? Indagava um incauto – tÆo cara e nem sequer instalaram um amortecedor na parte traseira.

-. E ainda tem gente que chama isso de confort vel!

Realmente nÆo ‚ f cil encontrar os amortecedores, que ficam sob o motor, colocados horizontalmente, justamente para nÆo serem vistos e a moto conservar o estilo rabo duro, tÆo apreciado pelos harlistas mais tradicionais. Pode-se garantir que os amortecedores funcionam muito bem e que as Harley da s‚rie”Soft Tail” (rabo mole – no bom sentido), sÆo extremamente confort veis.

Semelhante confusÆo foi feita no lan‡amento da Yamaha DT 180, no long¡nquo ano de 1981. Ela estava exposta num SalÆo do Autom¢vel e a “ausˆncia” dos amortecedores traseiros deu o que falar, j  que era a primeira moto nacional com monoamortecimento na traseira. Um visitante perguntou ao colega:

– Onde est  a suspensÆo traseira?

O amigo respondeu que o £nico amortecedor passava “por dentro” do tanque de gasolina querendo dizer, na verdade, que a pe‡a passava “por baixo” do tanque. O outro amigo ouviu, co‡ou a cabe‡a e comentou:

– Deve ser muito bem feito para nÆo vazar toda a gasolina…

Na pilotagem as mentiras proliferam com a mesma velocidade, pondo em risco a seguran‡a dos motociclistas novatos. H  quem jure de p‚s juntos que usando s¢ o freio dianteiro a moto pode capotar. Nunca foi conhecido um caso onde isso tivesse realmente acontecido e para quem acha que isso ‚ verdade, um conselho: comece a utilizar o freio dianteiro antes que apare‡a algu‚m todo engessado dizendo “era mentira”.

Alguns viajantes costumam dizer que o ideal ‚ parar a cada 100 km para um descanso… do motor. Nada mais inver¡dico: um motor nÆo precisa de descanso, precisa estar regulado, com tudo em ordem e ter combust¡vel. NÆo se tem not¡cias de um motor que precise de “uma noite de sono para recuperar as energias”. Quem precisa de descanso ‚ o motociclista e parar a cada 100 km ‚ uma distƒncia razo vel. Isso por‚m pode variar conforme o comportamento de cada motociclista. Depende s¢ de cada um.

Mas a mentira mais grave ‚ a de que pilotando motos ‚ imposs¡vel dormir, como acontece aos motoristas cansados. Grande mentira. Um jornalista. que nÆo quis se identificar, por razäes profissionais, conta uma est¢ria exemplar.

– Estava viajando … noite, com a namorada na garupa e comecei a sentir sono. Bobagem, pensei, basta come‡ar a falar e ficar atento que o sono logo vai pas…zzzzzzzzzzzzz!

Acordou com os berros de sua namorada, quando a moto j  estava rodando no gramado, fora da estrada. Parou no primeiro hotel e dormiu depois que o cora‡Æo voltou ao normal.

Nessas horas, uma mentira muito difundida ‚ a famosa mistura de caf‚ com Coca-Cola para tirar o sono. Pura balela, se fosse verdade boa parte da popula‡Æo nÆo iria conseguir dormir, j  que quase ningu‚m escapa a essa dupla escurinha. A £nica coisa comprovada que resolve o problema do sono continua sendo uma boa e confort vel cama, assim que as p lpebras come‡arem a cair.

Essas mentiras todas, sejam de mecƒnica, ou de pilotagem, servem apenas para atrapalhar, quando nÆo sÆo esclarecidas. Mas quando o motociclista vai buscar a verdade acaba aprendendo uma informa‡Æo nova que ir  ajud -lo. Quando ouvir alguma est¢ria mal-contada, desconfie, pode ser mais uma mentira.