As novas Honda 300, com ABS

As novas Honda 300, com ABS

Não se trata de um sistema como os outros convencionais. Nesta aplicação a Honda desenvolveu um novo tipo, aplicável em motos on-off road que processa as informações provenientes dos sensores das rodas numa velocidade superior. Com isso a modulação se torna mais rápida, e para um piloto familiarizado com as técnicas de frenagem, o resultado é bastante similar ao que ele consegue manualmente, sentindo as respostas dos pneus à pressão aplicada no freio.

Além disso as duas motos contam com o sistema CBS de combinação dos freios dianteiro e traseiro, de forma que para um iniciante, que pise somente no pedal, a pressão é dividida entre os sistemas dianteiro e traseiro, proporcionando uma frenagem equilibrada e mais segura. É comum ao novato evitar o freio dianteiro por receio de que este provoque uma instabilidade porque muitas vezes ele se já se assustou com o efeito de uma frenagem brusca. Assim esse sistema, combina a pressão do pedal direcionando pressão para além da pinça traseira, também para um dos três pistões da pinça dianteira. De forma que se percebe um pequeno mergulho da frente nessa hora e a atuação do ABS em conjunto a esse sistema não deixa o pneu traseiro arrastar, mas nem por isso fica sem atuar, a tração é medida continuamente pelo ABS traseiro e a estabilidade é garantida, pois uma fração dessa pressão também é aplicada na frente. Muitos ABS que há por ai simplesmente “soltam” o freio para uma pressão sem modulação e a moto percorre uma distância superior de frenagem, diferente daquela que ele conseguiria se tivesse ainda como modular a pressão nas pinças.

Outro efeito interessante é obtido por uma válvula que limita a ação do ABS à pressão aplicada pelo piloto e a ação de soltar-apertar automática do sistema passa despercebido, ele não sente o freio trepidar, atua como uma porteira. Isso é muito importante, mais ainda na terra ou situação de baixa tração onde a modulação deve ser bem mais afinada. Nesses casos todo comportamento da moto deve ser levado em conta para a pressão nos freios e esse sistema, já resulta em estabilidade e ação de frenagem eficientes, como um piloto experiente faria nas mesmas condições. O resultado é comparável ao obtido nas esportivas com o sistema CBS e ABS eletrônicos. Nas 300 o CBS atua hidraulicamente e nas importadas há uma interação ativa, que é calculada pela central de processamento e aplicada sob pressão nas pinças pressurizadas por dois motores elétricos. Lançados em 2009 os sistemas CBS e ABS integrados eletronicamente nas esportivas tiveram boa aceitação e a tendência mundial é a aplicação dos sistemas híbridos com combinação hidráulica nos modelos 250 ao redor do mundo. Uma política inteligente, dado que a empresa vem implementando em vários países há vários anos a real necessidade de treinamento mais específico, aprofundado e bem desenvolvido do que os normalmente exigidos pelos órgãos públicos oficiais. O resultado tem sido um índice preocupante de acidentes, notadamente nas esportivas. Agora, essas motos se tornam à prova de idiotas, sem que para isso se limite os recursos de locomoção e diversão do piloto.



Pioneiro no Motocross e no off-road com motos no Brasil, fundou em 1985 o TCP (Trail Clube Paulista), que organizou a 1ª prova de enduro tipo FIM (Enduro da Mentira). Desbravou trilhas em torno da capital paulista enquanto testava motos para revistas especializadas.