bmw-g-310-gs_destaque

BMW G 310 GS traz novo padrão para as trail médias

Finalmente chega uma moto ao mercado brasileiro capaz de tirar da mesmice um dos segmentos com maior potencial para atrair consumidores, o das trail médias. A BMW G 310 GS estreia no mercado brasileiro por quase 25 mil Reais (R$24.885,00, preço FIPE) – valor que assusta numa primeira análise. E se você já está torcendo o nariz e não quer nem saber da moto porque acha ela cara demais, recomendo fazer um test-drive, porque ao experimentá-la nas diferentes situações que a moto pode enfrentar, será possível perceber que a moto entrega muito mais do que aparentemente se possa esperar dela. E aí o preço pode não ser assim tão salgado.

Boa estabilidade e pouquíssima vibração no moderno motor de um cilindro

Boa estabilidade e pouquíssima vibração no moderno motor de um cilindro

Quando afirmamos que o preço pode ser (ou não) alto, claro que estamos comparando com o que há por aqui no nosso mercado. Entendemos que esta moto pode atrair consumidores que buscam comprar uma moto versátil de média capacidade no motor, mas que não encontra nas sonolentas Honda XRE 300 e Yamaha XTZ 250 Ténéré o que deseja. Basta perceber que ambas estão praticamente iguais há anos, apenas com novas cores, novos grafismos, novas….. uuuuaaaaaahhhh que sono…..  Há também que se considerar a outra japonesa, Kawasaki Versys-X 300, cujas características estão muito mais para uso estradeiro e mais distante do uso off-road, sobretudo se for algo mais cascudo. Nesse caso, ficam as outras três, com boa aptidão para o off-road, apesar da BMW não ter rodas raiadas, aro dianteiro de 21″ e o escapamento alto como as legítimas trail, mas tem os pneus de uso misto (Metzeler Tourance).

BMW G 310 GS: inovação e tecnologia

Essa análise comparativa pode começar pelo grande pacote de novidades tecnológicas que a nova moto da BMW traz para o segmento.  Sua vocação urbana e aventureira tem muitas virtudes sob diferentes pontos de vista, com soluções normalmente só encontradas em motos de competição ou em motos grandes e de alta performance. Veja algumas:

  • Motor invertido, com a admissão na frente e o escape atrás, encurtando o caminho da saída de gases, o que aumenta a eficiência energética e aumenta a potência;
  • Eixo do virabrequim com bronzinas e que gira no sentido anti-horário (para trás), ajudando o equilíbrio da moto e jogando peso e esforço mais para trás na moto e eliminando vibrações;
  • Suspensão dianteira com garfo telescópico invertido (up-side-down), reduzindo a massa a ser movimentada, deixando a frente da moto mais leve, a direção mais precisa e com melhor capacidade de absorção das imperfeições do piso;
  • Freios ABS que podem ser desligados para a prática do off-road;
  • Chassi treliçado e com o motor fazendo parte da estrutura, que oferece maior rigidez e menos peso.

As novidades seguem pelo design, que está inspirado na família GS da BMW e traz o espírito aventureiro com as suspensões de curso longo (180 mm na dianteira e na traseira), “grande” tanque de combustível – falso, tudo aquilo é capa -, banco em dois níveis que oferece bom conforto para piloto e garupa e um grande bagageiro em alumínio que permite facilmente amarração de bagagem ou o uso das bolsas e acessórios vendidos para a família das aventureiras da marca. Na frente o para-lama dianteiro rente à roda e o bico sob o farol dizem claramente “sou irmã da GS 1200″ e se destacam o dourado dos tubos da suspensão dianteira e o grande radiador ocupando espaço à frente do motor.

A sigla que identifica a família vem aplicada no grafismo da moto e não deixa dúvidas quanto ao desejo da BMW de identificar sua moto como uma aventureira autêntica, que oferece a mesma eficiência e desempenho que suas irmãs maiores, mas sem prejudicar suas características para rodar no cenário urbano ou por boas estradas. Num esforço para resumir o que a BMW G 310 GS entrega aos seus consumidores, é possível dizer que ela reúne numa única moto a mistura fina das três japonesas do segmento: uma trail versátil, muito confortável, leve, ágil e pronta para enfrentar viagens de todos os tipos, inclusive por maus caminhos.

Trail médias – 250 a 400 cc

Marca Modelo Motor Potência Peso Preço (FIPE)
Yamaha XTZ 250 Téneré 1 cilindro, 249,4 cc 20,7 cv 154 kg  R$ 16.715,00
Honda XRE 300 1 cilindro, 291,6 cc 25,4 cv 153 kg  R$ 17.837,00
BMW G 310 GS  1 cilindro, 313 cc 34,0 cv 169,5 kg  R$ 24.885,00
Kawasaki Versys-X 300 2 cilindros, 296 cc 40,0 cv 175 kg  R$ 25.990,00

Para comprovar esse resultado, a BMW nos proporcionou um test-ride realizado num dia garoento por cerca de 230 km entre a capital paulista e uma bela propriedade rural na região da cidade histórica de Itu, distante 100 km de São Paulo. Percorremos um trecho travado de trânsito urbano para sair de São Paulo, aceleramos forte na rodovia Castelo Branco, fizemos o caminho da Rodovia dos Romeiros, uma linda e sinuosa estradinha cheia de curvas que serpenteia pelas montanhas e acompanha um trecho do Rio Tietê, até chegarmos na estradinha de terra e cascalho com 8 km que chega na sede da Fazenda Capoava, em Itu (SP).

Suas dimensões compactas se mostraram adequadas para o travado trânsito da capital paulista e quando chegou o trecho de rodovia, onde a velocidade regulamentar é 120 km/h, a moto acelerou rápido em sexta marcha, o giro subiu até a faixa dos 7.000 rpm e ainda há razoável folga do motor para empurrar mais quando necessário, já que a faixa vermelha está nos 10.000 rpm. O motor realmente é um grande destaque da nova moto e suas características inovadoras trazem resultados muito bons no desempenho, como o avantajado torque de 2,9 kgf.m a 7.500 rpm, os 34 cv de potência a 9.500 rpm que já mostra sua forma e boa disposição a partir dos 3.000 rpm com o torque disponível mesmo em sexta marcha.bmw-g-310gs_medidas

Esse motor de um cilindro e arrefecimento líquido com 313 cc de capacidade cúbica tem o eixo do virabrequim com bronzinas e gira no sentido anti-horário – para trás, da mesma forma que o pistão está inclinado para trás e o cabeçote está invertido 180º, com a admissão na frente e a exaustão atrás. Há dois eixos de comando de válvulas e o pistão tem curso menor que o diâmetro (62,1 mm x 80 mm), o que explica porque esse propulsor fala alto e sobe de giro muito rápido. Complementam essa eficiência o sistema de injeção de combustível muito bem ajustado, padrão da marca, a captação forçada para a caixa de ar frontal e o fluxo de alimentação direto, o que otimiza a mistura ar-combustível e melhora (muito) o desempenho.

Competência no off-road

Na trecho off-road que percorremos, um estradinha de 8 km com muitas pequenas pedras e cascalho, a moto se mostrou bem estável e os pneus Metzeler Tourance ajudaram muito. A posição do guidão poderia ser um pouco mais alta para este uso, sobretudo porque nessas condições se recomenda pilotar a moto em pé nas pedaleiras e aí o guidão exige curvar-se um pouco para manter o controle da moto. O motor mais uma vez se mostra o diferencial favorável, com torque e aceleração disponíveis para subidas longas sem necessidade de troca de marcha e as suspensões fazem um trabalho exemplar, inclusive quando aceleramos um pouco mais em trechos com alguns pequenos saltos e costelas. O destaque que só moto grande possui: o conveniente botão que desliga o ABS.

Muito leve e ágil, contornar curvas mesmo as mais sinuosas é muito fácil

Muito leve e ágil, contornar curvas mesmo as mais sinuosas é muito fácil

O chassi da nova G 310 GS traz uma estrutura treliçada tubular de aço com uma sub-seção traseira parafusada para sustentar a rabeta e o bagageiro da moto. Com o motor fazendo parte da estrutura, o chassi oferece boa rigidez a torções e grande resistência para suportar carga, como uma boa aventureira deve ser. No uso regular durante o test-ride a moto se mostrou sempre com respostas bem equilibradas e precisas. Contudo, a frente da moto é muito leve, o que é ótimo para a agilidade, mas prejudicial em piso ruim, como no off-road, quando senti necessidade de colocar peso sobre o guidão para a frente ficar uma pouco mais estável.

Essa geometria com as massas concentradas mais para trás da moto, fruto também do cilindro inclinado para trás e do giro do eixo do virabrequim anti-horário, torna a moto muito segura em todas as velocidades no asfalto e em pistas sinuosas, com grande segurança para inclinar e contornar curvas. A balança traseira é de alumínio e ela colabora para o peso de 169,5 kg (sem carga). Já as suspensões com o garfo invertido na dianteira e o setup de fábrica no amortecedor traseiro na posição 2 (são sete, onde a 7 é a mais rígida) e curso de 180 mm (nas duas) permitem bom nível de conforto para piloto sem carga nem garupa. Os freios da G 310 GS trazem discos simples em cada uma das rodas com ABS, sistema seguro e suficiente para a moto.

Painel completíssimo, com computador de bordo e marcador de marcha engatada

Painel completíssimo, com computador de bordo e marcador de marcha engatada

Completam as virtudes da nova BMW G 310 GS o excelente nível de acabamento que a moto recebe, com bons encaixes das peças plásticas, o banco em gel, a lanterna traseira em LED, o protetor do cárter e o pequeno e eficiente para brisa, que em velocidade de cruzeiro (120 km/h) protege bem e faz sua função de desviar o vento do peito do piloto. Por fim, o painel da moto está num bloco único com uma tela LCD (Liquid Crystal Display) totalmente digital que mostra além das funções básicas como velocidade, conta giros (em barras) e luzes espia, hodômetro total e parcial (trip 1 e 2) e todas as informações do computador de bordo como média de consumo, consumo instantâneo e autonomia, além das informações de manutenção, relógio, data e indicador de marcha engatada.

Dois detalhes adicionais estão presentes na BMW G 310 GS: uma luz indicadora para troca de marcha (giro máximo) e o botão no punho esquerdo que desliga o ABS, algo que todas as trail deveriam ter para facilitar o uso da moto no off-road. Com a nova BMW G 310 GS a marca germânica mexe com o mercado e pode atrair para o segmento novos consumidores, aqueles que até hoje não se sentiam atraídos porque queriam uma moto versátil e com melhor desempenho, mas que não tivessem grande peso nem para o bolso tampouco para o uso prático. Bem vinda a novidade e a tecnologia!

Ficha Técnica BMW G 310 GS

Preço R$24.885,00 (FIPE, 10/3/2018)

Motor Um cilindro, 4 tempos, arrefecido a líquido, 4 válvulas, DOHC
Capacidade cúbica 313 cc
Diâmetro x Curso 80 mm x 62,1 mm
Taxa de compressão 10,6:1
Sistema de partida Elétrica
Bateria 12V – 8 Ah
Sistema de Ignição Eletrônica
Tipo de combustível Gasolina
Capacidade do tanque de combustível 11 litros
Alimentação Injeção Eletrônica
Torque máximo 2,9 kgf.m a 7500 rpm
Potência máxima 34 cv a 9500 rpm
Transmissão 6 velocidades
Embreagem Multidisco em banho de óleo
Transmissão final Corrente (16 x 40)
Tipo de chassi Estrutura tubular de aço treliçada com sub-chassi parafusado
Pneu dianteiro 110/80 R19
Pneu traseiro 150/70 R17
Freio dianteiro Disco simples de 300 mm com ABS
Freio traseiro Disco simples de 240 mm com ABS
Comprimento total 2.075 mm
Altura total 880 mm
Altura do assento 835 mm
Trail 98 mm
Rake 63,3º
Peso em ordem de marcha 169,5 kg
Distância entre eixos 1.420 mm
Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido, tubos de 41 mm de diâmetro e 180 mm de curso
Suspensão traseira Balança de alumínio, um amortecedor c/ regulagem na pré-carga da mola, s/link e 180 mm de curso
Consumo (dado de fábrica) 3,33 litros / 100 km (30 km/l)
Capacidade total de carga 345 kg
Velocidade máxima (dado de fábrica) 143 km/h

separador_bmw



Sidney Levy

Motociclista e jornalista paulistano, une na atividade profissional a paixão pelo mundo das motos e a larga experiência na indústria e na imprensa. Acredita que a moto é a cura para muitos males da sociedade moderna.