Os pilotos da GP Light disputam o título do Brasileiro de Motovelocidade com motocicletas de 1.000 cilindradas - foto: Rodrigo Ruiz

Brasileiro de Motovelocidade: GP Light destaca equilíbrio entre as marcas

A Moto 1000 GP encerrou a primeira metade da temporada de 2015 no dia 26 de julho, com o GP Campo Grande. Depois de quatro das oito etapas, o cenário de mais notável competitividade é o da categoria GP Light, que já teve três pilotos conquistando vitórias. A luta pelo título do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade terá sequência no dia 30 de agosto com a realização do GP Lubrax no Autódromo Internacional de Curitiba.

Os pilotos da GP Light disputam o título do Brasileiro de Motovelocidade com motocicletas de 1.000 cilindradas - foto: Rodrigo Ruiz

Os pilotos da GP Light disputam o título do Brasileiro de Motovelocidade com motocicletas de 1.000cc – foto: Rodrigo Ruiz

O líder da GP Light é Rafael Nunes, catarinense radicado no Paraná que neste ano defende o Team Suzuki-PRT. Ele venceu a primeira etapa, também realizada em Curitiba, foi quarto colocado em Cascavel, voltou a ser o primeiro colocado em Goiânia e ficou em segundo em Campo Grande. Com duas poles e três voltas mais rápidas, que valem bonificações, Nunes soma 88 pontos, 15 a mais que o vice-líder gaúcho Marcelo Dahmer.

“A GP Light sempre foi uma categoria extremamente competitiva, e pelo visto vai continuar sendo”, observa Nunes. “O grid está repleto de pilotos bons, que dão um nível técnico alto ao campeonato. Preciso manter o foco e buscar mais vitórias ou resultados bons. A PRT tem me proporcionado uma moto com excelentes ajustes, muito confiável. É um trabalho constante da equipe para tudo se encaixar no tempo certo”, explana Rafael.

Marcelo Dahmer, que estreou na motovelocidade em 2013 depois de dez anos no motocross, conquistou um quinto, um segundo e um terceiro lugar nas três primeiras corridas. Em Campo Grande, largou da pole e venceu. “Eu estou me preparando muito para chegar o mais competitivo possível a cada etapa. O Rafa é um piloto que admiro muito, mas não tem só ele. São vários outros que aceleram forte”, frisa o piloto da Honda da K Racing.

O terceiro colocado na tabela é o brasiliense Henrique Castro, piloto da Kawasaki da City Service BSB Motor Racing. “Tenho chance de título, sim, e acredito em algumas vitórias. Vou me dedicar ao máximo para vencer todas as próximas etapas e sair campeão”, estipula, confiante. “Em 2014 eu liderei boa parte do campeonato e quem não aparecia na frente é que acabou ficando com o título. Então, estou focado e acreditando no título”, diz.

Campeonato equilibrado
Logo_Moto1000GP_150x113Nunes lidera com 88 pontos, contra 73 de Dahmer e 57 de Castro. Jean Vieira, catarinense inscrito com a Kawasaki da MS Racing Team, é o quarto, com 46. O quinto colocado é o paulista Ricardo Levy, que pilota a Ducati da DRT e soma 36 pontos. O paranaense Marcos Ramalho, que venceu a etapa de Cascavel pilotando a Kawasaki da 2MT-PRT, soma 31 pontos e completa a lista dos seis primeiros na pontuação do Moto 1000 GP.

Ao término das oito etapas, cada piloto terá de descartar os pontos de seu resultado menos expressivo entre as etapas de que tiver participado. Se o descarte obrigatório fosse aplicado sobre a classificação atual, Nunes manteria a liderança com 75 pontos, contra 62 de Dahmer e 47 de Castro. Vieira, Levy e Ramalho mantêm suas pontuações totais, já que cada um ficou uma etapa sem marcar pontos, resultado aplicado no sistema de descartes.

As marcas têm conseguido bom equilíbrio na GP Light. Em Curitiba, Nunes venceu com a Suzuki, à frente de Vieira, com Kawasaki, e Levy, com Ducati. Em Goiânia, nova vitória de Nunes, com Castro e Dahmer levando a Kawasaki e a Honda ao pódio. Campo Grande viu Dahmer vencer à frente de Nunes e Castro. Cascavel teve dois pilotos de uma marca no pódio: Ramalho e Vieira, com Kawasaki, foram primeiro e terceiro, com Dahmer em segundo.

Classificação da Categoria GP LIGHT após 4 etapas:
1º) Rafael Nunes (PR/Suzuki), Team Suzuki-PRT, 88
2º) Marcelo Dahmer (RS/Honda), K Racing, 73
3º) Henrique Castro (DF/Kawasaki), City Service BSB Motor Racing, 57
4º) Jean Vieira (SC/Kawasaki), MS Racing Team, 46
5º) Ricardo Levy (SP/Ducati), DRT, 36
6º) Marcos Ramalho (PR/Kawasaki), 2MT-PRT, 31
7º) Ricardo Negretto (SP/Kawasaki), Tecfil Racing Team, 29
8º) Diogo Ramos (SC/Kawasaki), SBK Moto Racing, 27
9º) Edson Luiz (SC/Kawasaki), 2MT-PRT, 23
9º) Pedro Lins (RJ/Honda), Center Moto Racing Taem, 23

Separador_motos