BUELL 1125 CR - Street-Fighter Norte Americana

BUELL 1125 CR – Street-Fighter Norte Americana

BUELL 1125 CR - Street-Fighter Norte Americana

Buell lança a 1125CR, moto de desenho radical, motor “V-Twin” de 146 cv, com refrigeração líquida

À primeira vista, a nova Buell 1125CR impressiona pelo estilo agressivo, traduzido pelas grandes entradas de ar laterais, que ajudam na refrigeração do motor, e também pelo robusto quadro, que abriga o tanque de combustível. O modelo “Made in USA” está equipado com um potente motor de dois cilindros em “V” de 146 cv de potência, dotado de injeção de combustível e refrigeração líquida.
Construída sobre a trilogia da tecnologia – centralização de massa, chassi rígido e baixo peso – essa street-figther é considerada uma releitura das clássicas Café Racer dos anos 60. Para reforçar ainda mais o estilo radical, essa Buell adotou muitas peças pintadas de preto: quadro, motor, escapamento, garfos, balança traseira e rodas.

Motor e Ciclística – O coração dessa Buell não é norte-americano, mas sim austríaco, construído pela Rotax. Batizado de Helicon, o propulsor de dois cilindros em “V” a 72º, de 1.125 cm³, DOHC (duplo comando de válvulas no cabeçote), é capaz de desenvolver 146 cv de potência máxima a 9.800 rpm.
A moto tem câmbio de seis velocidades, com a transmissão final feita por meio de correia dentada. Se compararmos com sua irmã 1125R, a mudança ficou apenas por conta da relação de marchas. A CR está mais nervosa. Para Erik Buell, criador da marca, que é o “braço esportivo” da Harley-Davidson, a 1125CR é uma nova moto que desafia, em desempenho, as superbikes nipônicas.

BUELL 1125 CR - Street-Fighter Norte AmericanaNa parte ciclística, destaque para o entre-eixos curto, de apenas 1373 mm, que ajuda muito em curvas mais fechadas. Só para comparar, a versão “R” tem entre-eixos um pouco maior, 1387 mm. A 1125CR usa suspensões totalmente ajustáveis. Na dianteira, invertida (upside down) da grife Showa, com tubos de 47 mm de diâmetro e curso de 120 mm. Na traseira, monochoque, também da Showa.

Os freios usam o novo sistema ZTL2, com fixação perimetral dos discos feita diretamente na roda. Na frente disco único de 375 mm com pinças de 8 pistões. Já na traseira um disco simples de 240 mm com pinças de 2 pistões. Para ajudar nesse trabalho de frenagem, a 1125RC está calçada com pneus Pirelli Diablo Corsa III, utilizado no Campeonato Europeu de Superstock.