Campeonato Brasil Nordeste de Motocross: “É o renascimento do esporte na região”

As grandes distâncias sempre dificultaram a presença de pilotos de nordeste do Brasil no Campeonato Brasileiro de Motocross. Nas etapas da região sul do país, os atletas tem que enfrentar mais de 3 mil km de distância para participar da competição. Pensando nisso e em criar mais competidores na região, a Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM) criou, em parceria com todas as federações locais e com a Honda do Brasil, o Campeonato Brasil Nordeste de Motocross.

A competição já nasceu grande, com cinco etapas, nos estados de Pernambuco, Paraíba, Sergipe, Rio Grande do Norte e Alagoas. A primeira etapa, em Recife, PE, realizada no mês passado, foi aprovada por todos os pilotos e contou com um público superior a dez mil pessoas.

A competição é organizada por todas as federações do nordeste em conjunto, com a coordenação do vice-presidente da CBM no nordeste, Breno Beltrão. A criação da competição agradou em cheio todos os pilotos, o público e os dirigentes da região.

Juvenal Alves, presidente da federação sergipana, é um dos mais entusiasmados com a nova competição. “Como não temos campeonatos regionais aqui, não sabemos ao certo quantos pilotos existem aqui. Na primeira etapa, 80% dos competidores se filiaram para correr e tenho que certeza que teremos filiações até a última etapa”.

Outra grande vantagem que a competição irá trazer, segundo ele, é o aumento do nível das competições da região em geral. “A primeira prova foi montada com uma estrutura maior do que qualquer outra prova aqui no nordeste. Agora, os outros organizadores vão poder ver como é feita uma prova de alto nível e poderão melhorar suas estruturas”, comentou.

O presidente da federação pernambucana, Edinaldo Júnior, complementa com outras vantagens a chegada da competição. “Eu encaro essa competição como o renascimento do motocross no nordeste. È a reativação oficial dos estados e a reinserção deles no esporte. Tenho certeza que, em cinco anos, todos vão ver o bem que a criação desta prova fez para o país”, festejou.

A solução adotada pela Confederação, de criar uma competição regional no mesmo molde do campeonato americano (AMA Motocross) também foi muito elogiada por Edinaldo.

Hoje, os EUA tem duas grandes competições, a da Costa Leste e a da Costa Oeste. Muitos pilotos participam apenas de uma delas, para não enfrentar grandes distâncias. “Essa é a primeira copa regional do Brasil e, acredito que depois dela, muitas outras virão”, prevê.

Este ano, o Brasil teve um piloto do nordeste como campeão brasileiro de motocross na categoria 85cc. Rodrigo “Lama” foi o grande campeão, competindo pelo Team Honda. Para o vice-presidente da CBM e presidente da federação do Rio Grande do Norte, Assis Aquino, com o surgimento do campeonato devem surgir cada vez mais campeões. “O Brasil é um país de dimensão continental e os pilotos do nordeste, como não tinham um regional forte, não conseguiam treinar forte e participar do brasileiro. Agora, com essa competição, tenho certeza que vamos formar novos campeões aqui na região. Será um avanço para o esporte no país”, acredita.

O presidente da federação de Ceará, Alfredo Filho, também comemora a criação da competição e acredita que o torneio chega para suprir uma lacuna existente na região. “Não tinhamos eventos deste porte por aqui. É de uma importância muito grande, porque a modalidade vem evoluindo muito aqui no nordeste e agora, acho que vamos evoluir ainda mais”.

A próxima etapa do Campeonato Brasil Nordeste de Motocross acontece no dia 17 de agosto, em Campina Grande, na Paraíba. O campeonato tem o patrocínio da Honda e Mobil.