Capacete - onde recebe o impacto

Capacete acidentado

Capacete - onde recebe o impacto

Capacete - onde recebe o impacto

De: Thiago
Assunto: Capacete Acidentado
Corpo da mensagem:
Ola senhores, estou com um problema, sempre li e ouvi que quando um casco cai o mesmo deve ser substituído, mesmo que não tenha nenhum dano aparente.
Pois bem, sofri um acidente a poucas semanas, meu casco bateu no chão umas duas vezes (o que me deixou com muita dor no pescoço) e terminou o trajeto ralado, como o impacto não foi dos mais fortes, o casco só ficou com a marca dos ralados, da pancada, e a trava da viseira quebrou.
Como ele é segurado pela marca mandei para a substituição, hoje tive a resposta, de que meu casco que está danificado, foi desmontado e analisado, pelos ”técnicos” responsáveis, e os mesmos declaram que ele está apto para o uso e não será substituído.
Eu não vou usar um casco danificado, pois é minha vida que está em risco, mas só “aceitei” o casco da marca em questão, pois ofereciam um seguro contra acidentes e parecia um bom custo beneficio.
O “aceitei” vem de outro problema, pois comprei outra marca (NUVO) de casco do mesmo importador e o mesmo tinha um defeito que eles não sabiam como resolver, e acabaram trocando o modelo do casco por um da outra marca (LS2 Carbon – o casco acidentado).
Agora a dúvida como deve proceder?
Entendo que para um casco ser inutilizado não é necessário que ele parta ao meio, basta uma pancada mais forte para reduzir a resistência. E uma vez que eles oferecem um seguro contra acidentes é meu direito receber um capacete novo.

R: Olá Thiago
De fato, a substituição é recomendada, sempre que não é possível uma análise técnica das características internas do capacete.
Primeiro deve-se verificar o material usado no casco. Normalmente um capacete de plástico injetado não se rompe em microfissuras como num casco de fibra. Esses são os que perdem as características de segurança mais facilmente. A estrutura interna se esfarela, por assim dizer e não dá mais a mesma segurança.
Outra análise a ser feita é na peça interna de espuma semi-rígida expandida. Se ela sofreu deformação no impacto também deve ser substituida. Por último a fita de retenção precisa suportar as forças no caso de um inpacto.
No seu caso, como a empresa com os técnicos responsáveis fez essa análise me parece possível a conclusão de estar apto a lhe oferecer a segurança normal. Mas claro, a opção de continuar usando o capacete é sua.

Abraços,
Bitenca

Considerações do jurídico do motonline:

“Neste caso específico, tudo depende do CONTRATO DE SEGURO que o consumidor firmou com a empresa, ou seja, da relação que o ele estabeleceu quando da compra.
Sendo assim, somente após uma análise deste contrato, poderemos comentar a situação com propriedade. Eu entendo a dúvida do colega motociclista e concordo com ele na questão da substituição do capacete. Contudo, o contrato deve dizer em que tipo de situação o produto irá ser trocado.
Desde já, afirmo que, muito provavelmente, se a empresa não quiser trocar o produto e o amigo motociclista não aceitar essa situação, não haverá nada a fazer, a não ser entrar com uma ação contra a empresa.”

Obs.: Para facilitar a discussão sobre esse assunto, criamos um tópico no fórum para os motonliners. Clique aqui para acessar o tópico.