Caros Motociclistas e Triciclistas (I)

Caros Motociclistas e Triciclistas (I)

Caros Motociclistas e Triciclistas (I)

Nesta semana de entrada da folia,nosso abre alas não vai ser poesia, será a tentativa de decifrar o nosso dia-adia, de um problema que nos trás muita agonia.

Pois é, sem poesia, este assunto tem a bastante tempo perturbado motociclistas, triciclistas e amantes de eventos e encontros no motociclismo.
Pode ser qualquer Evento, Encontro, Churrasco, Batizado, Churrascando, Motocando, Aniversário, Moto Fest, “Cunfó do Judas” Cycle, Motorcycle, Megacycle ou sei lá qual codinome, não importa.
Temos no motociclismo de MC, MG e MT que algumas necessidades básicas e cuidados precisam ser disponibilizadas à este universo, já que ele é a razão principal da realização destas iniciativas. Bom, pelo menos era pra ser.
Na semana passada esse assunto “pegou fogo” no grupo Antena Ligada do Yahoo, trata-se nada mais do que o rotineiro abuso de preços na exploração dos serviços de hospedagem na rede hoteleira e no aluguel de casas e apartamentos em determinadas cidades onde ocorrem iniciativas no motociclismo.
Em outras palavras, é a majoração dos preços das hospedagens e alugueis para patamares acima do valor da mais alta temporada que possa existir, como uma prática oportunista e anti-profissional de comerciantes, imobiliárias e proprietários de imóveis de temporada.
Muitos, com um certo sorriso maroto e descarado numa quase desonestidade, simplesmente colocam que o responsável por isso é a “famosa” lei da oferta e procura, traduzida por uma mente sã como a forma mais capitalista, egoísta e especulativa de ganhar mais alguns trocados, custe o que custar.
Como motociclistas integrantes de moto clube, participamos e curtimos 60 eventos em 2010, todos no eixo Minas-Rio-São Paulo. Em cerca de 20 deles acampamos, noutros 20 arrumamos uma pousada ou hotel pra “descansar os ossos” e no restante viajamos no estilo bate-volta.
Nos anos anteriores, a nossa média esteve próxima de 50 eventos.
Temos uma opinião formada sobre este assunto e uma discussão dele tem espaço pra tudo, mas vamos tentar nos focar com objetividade na verdadeira razão dele e em como este problema pode ser minimizado, segundo os preceitos de fomento do motociclismo de MC, MG e MT que pregamos.
Somente por este último parágrafo, fica muito difícil colocar neste rol de atendimento adequado por parte dos realizadores das iniciativas no motociclismo, os que as empreendem com objetivo unicamente comercial, visando somente maximização de lucro.
Este tipo de iniciativa não é empreitada para o movimento do motociclismo que pregamos, é para admiradores do mundo da motocicleta e afins, ela não distingue motociclista de não motociclista, muito menos motociclista “escudado”.
Alguns destas iniciativas, organizadas pura e exclusivamente pra comércio e maximização de lucro, até merecem ser visitadas por nós, para conhecermos novos lançamentos de motocicletas, assistirmos apresentações de boas bandas e mantermos contato com pessoas do comércio e indústria da motocicleta, mas não podemos ter muito mais anseios a serem satisfeitos, além de termos que concordar em arcar com os normalmente altos custos de entrada e consumo nas suas dependências, para os nossos padrões. A escolha é de cada um.
Cremos que nosso foco deva ser as iniciativas declaradas ou pseudo-declaradas como sendo destinadas aos motociclistas, triciclistas, MCs, MGs e MTs e organizadas ou co-organizadas por estes 3 últimos.
E existe de tudo. Temos aquele pequeno MC de uma simples cidade do interior que tem o maior sacrifício pra realizar um evento, onde a própria cidade não tem recursos de hospedagem em condições e quantidade necessária. Para estes, os conselhos são o de deixar claro estas condições durante a divulgação do evento e procurar compensar com o capricho na escolha do local de camping, para que seja coberto, que tenha controle de entrada pra somente campistas motociclistas, banheiros e chuveiros decentes e fiscalização de silêncio à partir das 22 horas.
A gente curte pra caramba este tipo de evento, pois ele é de alta socialização, devido a grande interação dos participantes, sem falar da qualidade da recepção dos anfitriões e a comida que costuma ser ótima e abundante. Vale muito à pena, mas a escolha, sabendo dos limites e benefícios, é de cada um.

A questão primária deste texto está mais centrada na falta de cuidado com ela em eventos maiores, realizados em cidades com uma certa qualidade de recursos para estadia, onde por diversos motivos, relatados à seguir, podem ocorrer a majoração e abuso de preços dos serviços de hospedagem na rede hoteleira e no aluguel de casas e apartamentos.
Como falamos, existe de tudo. Existem casos em que moto clubes ou pessoas integrantes de algum, são cúmplices e co-responsáveis por realizarem iniciativas, não declaradas, pra fins unicamente comerciais e pra sua subsistência, cujo foco neste objetivo os dispersam com relação as reais necessidades dos motociclistas e triciclistas. Desconfiamos até, que devida as estas desorientações de objetivos, a grande maioria deles nem alcança a lucratividade desejada. Como a sugestão pra estes vão ser praticamente iguais a outras iniciativas que iremos comentar, vamos deixá-la para o final.