Foto: Os adesivos que serão utilizados nas motos do time, com patrocínio de Rinaldi e Pro Tork

CBM anuncia time brasileiro para a disputa do Motocross das Nações

Foto: Os adesivos que serão utilizados nas motos do time, com patrocínio de Rinaldi e Pro Tork

Foto: Os adesivos que serão utilizados nas motos do time, com patrocínio de Rinaldi e Pro Tork

Logo após a última bateria da 5ª etapa do Pro Tork Brasileiro de Motocross, neste domingo em Canelinha/SC, o presidente da Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM), Alexandre Caravana, anunciou a lista dos pilotos que irão representar o Brasil no Motocross das Nações 2010, nos dias 25 e 26 de setembro, em Lakewood, Denver/Colorado (EUA).

De acordo com os critérios anunciados pela própria CBM no início da temporada, as duas primeiras vagas ficariam para os pilotos brasileiros melhores ranqueados nas categorias MX1 e MX2, além de uma terceira vaga a critério técnico, definido pela própria CBM.

Como o americano Scott Simon (Pro Tork) é o líder de ambas as categorias, os vice-líderes ocuparão estas vagas. Da MX1 vem o catarinense Cristopher “Pipo” Castro (2B Duracell); da MX2 vem o paulista Marcello “Ratinho” Lima (Vaz/Kawasaki/Rinaldi); a terceira vaga é do mineiro Antônio Jorge Balbi Jr (2B Duracell); mas também foi anunciado um quarto integrante, que viajará com o time e fará testes nos Estados Unidos: Thales Vilardi (KTM/Mega).

– O Nações é uma competição que visa o país, o conjunto… Não é individual. Participamos das últimas três edições e queríamos levar um time com características diferentes dos outros anos. Não um time comercial. Um time efetivamente do Brasil. Essa idéia foi comprada pela Pro Tork e pela Rinaldi, que abriram mão de que fossem convocados apenas os seus pilotos patrocinados. Estamos dando um passo à frente nessa maneira de se trabalhar – declarou Alexandre Caravana. – Sabemos que em um esporte como o motocross pode acontecer de um piloto se machucar. E isso poderia comprometer o rendimento do Brasil. Ficar limitado a um grupo de três pilotos, poderia nos comprometer para amanhã ou depois, sem conseguirmos trocar uma inscrição, por exemplo. Então levaremos quatro pilotos. Inicialmente a inscrição será feita para o Pipo, o Rato e o Balbi, mas o Thales, por mérito e desempenho no Brasileiro, viajará com a delegação e a partir de agora os quatro estão convocados – completou.

A chefia da delegação brasileira nos Estados Unidos coube mais uma vez a um dos mais experientes pilotos da história do motocross no país, Roberto Boettcher, atual diretor nacional de motocross da CBM. Dono de cinco títulos brasileiros na modalidade, Boettcher foi o único brasileiro a disputar uma temporada completa do Mundial de Motocross, e durante dois anos correu em mais de 30 países.

– Vou tentar passar para os meninos novos, que estão indo pela primeira vez, que nosso potencial é muito grande, que eles têm todas as condições de representar o Brasil. O que falta é accreditarmos mais. O Nações é uma competição de conjunto. Não é individual. Precisamos dos três pilotos com essa visão. É um trabalho de equipe e vamos lutar muito para essa equipe ser vitoriosa – declarou Boettcher.

Para os pilotos, a expectativa para a prova é enorme.
– Agradeço essa chance que estou tendo de defender o país. Agradeço aos patrocinadores que estão viabilizando a ida do time inteiro, bem como a CBM, que cumpriu o que foi divulgado no início do ano. Estou confiante de que podemos fazer o melhor para trazer um resultado inédito – declarou “Pipo” Castro.

Marcello “Ratinho” também está confiante.
– Sei que não é fácil ir para o Nações, que a competição é muito dura, mas vou dar o meu máximo e fazer de tudo para conseguir um ótimo resultado para o país. Agradeço à CBM pelo apoio e estou muito feliz e confiante para o Nações – disse Ratinho.

Thales Vilardi também quer aproveitar a oportunidade para poder mostrar bom desempenho nos Estados Unidos.
– Também agradeço à CBM e aos patrocinadores por terem viabilizado a ida da equipe. Para mim é a realização de um sonho de tantos anos. É algo que queria ter a oportunidade há muito tempo. Estou muito confiante depois que voltei da minha lesão recuperei minha velocidade bem rápido. Ainda temos mais de um mês para a prova, e junto com o time quero fazer o melhor resultado para o Brasil – encerrou.

A equipe contratada para atender a delegação brasileira nos Estados Unidos, a TripleX, foi a mesma com a qual a CBM trabalhou em 2007, também no Motocross das Nações.

– Nossa expectativa é grande, e é claro que será cobrado um resultado, mas estamos indo para o Nações com uma equipe verdadeiramente brasileira, oriunda de méritos no Campeonato Brasileiro. Acho que temos muita chance de ter um resultado favorável – ressaltou Caravana.