CBR 600 GRRRRRRRR (continuação)

Teste da Honda CBR 600RR – parte 2/2

Para ver a primeira parte desse teste  clique aqui

A CBR 600RR avaliada nos foi entregue com apenas 4 km rodados. Ou seja, ela praticamente saiu da linha de montagem para as minhas mãos. Como ela ficou exposta no Salão do Automóvel, o botão da buzina veio quebrado pelo excesso de ímpeto dos visitantes. Uma moto que viaja a 140 km/h numa boa a buzina fez uma falta incrível. E as esportivas atuais da Honda não contam com lampejador de farol alto. Cada vez que eu tinha de passar um veículo a coisa ficava meio tensa…

Painel e motor

Painel e motor

A velocidade máxima não é declarada pelo fabricante, mas minha experiência diz que ela está em torno de 250 km/h. A primeira medição que fiz em uma CBR 600F ela chegou a 235 km/h e isso foi quase 10 anos atrás. Ganhar 15 km/h apenas é pouco? Não, quando se lembra que velocidade não é sinônimo de desempenho em corrida. O que ganha corrida é aceleração e retomada. Neste quesito a CBR 600RR faz de 0 a 100 km/h em 3,4 segundos, bem menos do que os 5,5 segundos de uma década atrás. Um dos responsáveis pela melhora na aceleração foi o regime que deixou a Honda com apenas 169 kg, contra quase 180 kg de 1994. Outro item que ajudou foi o incremento de mais de 1 kg no torque máximo, chegando nos atuais 7,5 kgf.m a 10.000 rpm (medido no eixo do virabrequim).

O quadro proporciona controle total da moto

O quadro proporciona controle total da moto

A CBR 600RR não é a única 600 esportiva do mercado brasieliro. A AVA-Kawasaki traz a 636 e alguns importadores oferecem a Yamaha R-6. Além disso a J.Toledo Suzuki ventilou a hipótese de trazer a belíssima GSX-R 600, mas talvez apenas para competição. A principal diferença da Honda é uma rede de 600 concessionários com condições de atender e fornecer peças de reposição. Mas quem se interessar deve correr, porque são apenas 390 unidades disponíveis ao preço sugerido de R$ 52.200, porém ela era negociada a R$ 59.000 em São Paulo.

Freios excelentes e a transmissão inspira confiança

Freios excelentes e a transmissão inspira confiança

 

FICHA TÉCNICA

Motor tipo DOHC, 4 tempos, arrefecido a líquido, 4 cilindros em linha, com 4 válvulas por cilindro
Cilindrada 599 cc
Diâmetro x curso 67 x 42,5 mm
Alimentação/diâmetro de venturi Injeção eletrônica PGM-DSFI/ 40 mm
Taxa de compressão 12,0 : 1
Potência máxima 117 cv a 13.000 rpm (DIN)
Torque máximo 6,73 kgf.m a 11.000 rpm (DIN)
Transmissão 6 velocidades constantemente engrenadas
Transmissão final corrente com anéis de vedação
Sistema de partida elétrica (motor de partida)

Chassi tipo perimetral dupla trave em alumínio
Suspensão dianteira/curso garfo telescópico/120 mm
Suspensão traseira/curso UNIT PRO-LINK/120mm
Freio dianteiro/diâmetro A disco duplo flutuante, com acionamento hidráulico, cáliper de quatro pistões e pastilhas de metal sinterizado/ 310 mm
Freio traseiro/diâmetro A disco simples, com acionamento hidráulico, cáliper pistão simples e pastilhas de metal sinterizado/ 220 mm
Pneu dianteiro 120/70 x 17 ZR (radial)
Pneu traseiro 180/55 x 17 ZR (radial)

Dimensões/capacidades
Tanque de combustível de 18 litros
Comprimento X largura X altura = 2.010 x 695 x 1.115 mm
Distância entre eixos 1.395 mm
Altura do assento 820 mm
Distância mínima do solo 130 mm peso seco 169 kg

Sistema Elétrico ignição Avanço controlado por microprocessador digital transistorizado
Bateria 12 V – 8,6 Ah (selada)
Farol/lâmpada “Line Beam”/ 12 V – 55/55

 

Para ir à primeira parte deste teste  clique aqui

Separador_motos