campanha CET

CET-SP precisa orientar melhor os motociclistas

Realmente louvável a campanha da CET-SP para que os motoristas e motociclistas paulistanos passem a respeitar realmente a faixa de pedestres. Aliás, demorou. No entanto, quem roda diariamente de motocicleta pelas ruas e avenidas da grande São Paulo, sabe que em muitas ocasiões, ao priorizar o pedestre que está na faixa para atravessar corre o enorme risco de ser atropelado.

Algumas cidades brasileiras – Brasília, por exemplo – já adotaram esta regra básica de civilidade e boa convivência no trânsito há bastante tempo e motoristas, motociclistas e pedestres já se acostumaram com a regra e as reações são naturais diante da faixa de pedestres com ou sem semáforo. Contudo, nesta fase inicial, os órgãos responsáveis pelo trânsito deveriam também EDUCAR, ORIENTAR E SINALIZAR com a mesma rapidez e agilidade com que decidiram aumentar o efetivo de fiscais nas ruas para PUNIR os infratores.

Note-se que estamos falando da maior cidade da América Latina – São Paulo – onde o nível de stress de trânsito é altíssimo, igualmente ao volume de carros, motos e pedestres nas ruas, sem falar de caminhões, ônibus e outros veículos que ocupam os espaços nem sempre disponíveis na zona urbana da capital paulita. Então, para um motociclista, que não é o elo mais fraco desta corrente, mas é com certeza o que se expõe ao maior risco, decidir cumprir a regra e priorizar o pedestre que está esperando na faixa para atravessar a via requer atenção e, em muitos casos, coragem.

Se um carro (caminhão, ônibus) decidir em uma avenida de grande movimento reduzir a velocidade e parar para dar passagem aos pedestres na faixa de segurança, tudo normal. Quem vem atrás percebe e reduz a velocidade para acompanhar o gesto de civilidade. Mas se o primeiro veículo for uma motocicleta, o risco é muito grande de o carro que vem por trás decidir acelerar e ultrapassar, talvez ocasionando um atropelamento ou simplesmente atropelando o motociclista.

Ficam aqui então duas sugestões à CET-SP. A primeira e mais óbvia, sinalizar ostensivamente os locais onde houver faixas de pedestres sem semáforo, procurando chamar a atenção de todos para não acontecerem atropelamentos e colisões traseiras com os motoristas ou motociclistas que decidirem cumprir a regra. A segunda sugestão é para que se oriente os motociclistas para, sempre que possível, da mesma maneira que fazem os pilotos de moto em competições, levantarem um dos braços para chamar a atenção de quem vem atrás, indicando claramente a intenção de parar na faixa de pedestre. Pelo menos até que a regra se torne um costume e esteja enraizada na população.

Obs.: Para facilitar a discussão sobre esse assunto, criamos um tópico no fórum para os motonliners. Clique aqui para acessar o tópico.