Foto: Maycon Zandavalli teve de assistir à prova dos boxes em Interlagos

Com fratura no cotovelo, Maycon Zandavalli volta às pistas já no mês de março

Foto: Maycon Zandavalli teve de assistir à prova dos boxes em Interlagos

Foto: Maycon Zandavalli teve de assistir à prova dos boxes em Interlagos

Piloto paranaense assumiu risco de usar pneus slicks em pista molhada nos treinos e sofreu acidente.

A temporada nacional da motovelocidade começou neste domingo em São Paulo sem a presença, na pista, do único representante paranaense inscrito. Maycon Zandavalli, piloto de Cascavel, teve o cotovelo fraturado por conta de um acidente nos treinos classificatórios de sábado no autódromo de Interlagos.

A recuperação foi estimada pelos médicos para três semanas, o que deverá permitir ao piloto retomar a atuação na motovelocidade já no mês de março.

Na fase final dos treinos classificatórios, à qual estavam classificados os 10 pilotos mais rápidos, Zandavalli assumiu o risco de usar pneus slicks com pista molhada em vários pontos, úmida em outros e seca em determinados trechos. -A orientação que tive da equipe foi de ir para a pista com pneus para pista molhada, por causa da chuva, mas ainda havia umas partes secas e eu poderia me dar bem com pneus slicks. Preferi assumir o risco-, admitiu o piloto de 26 anos.
Antônio Finardi, chefe da Spiga Racing, equipe de Zandavalli, reforçou-lhe a recomendação. -A maioria dos pilotos estava com pneus para pista molhada, eu disse que ele deveria seguir a decisão da maioria, mas a opção foi dele, a equipe atendeu-, comentou o preparador, conhecido como -Spiga-.

– Foi uma pena, tanto pelo que aconteceu com ele quanto pelo potencial da moto, que está muito rápida. Maycon teria condição de estar no pódio, sem dúvida-, avalizou.

O piloto paranaense ficará afastado dos treinos até o fim de fevereiro. Sua próxima corrida está marcada para dia 21 de março, novamente em Interlagos, na primeira etapa do TNT Superbike, competição de mesmo regulamento que dividirá a programação com as provas automobilísticas do Itaipava GT Brasil. -Vou ter tempo para me recuperar 100%. Não vou desanimar, isso faz parte do esporte-, observou o piloto, que também sofreu torção no tornozelo esquerdo.

A vitória nesta primeira etapa do Pirelli Superbike foi do paulista Bruno Corano, da Suzuki, que largou em oitavo. Murilo Colatrelli, segundo, consolidou a dobradinha da Suzuki. Alecsandre Doca Brieda e o pole Rodrigo de Benedictis, ambos com motos Honda, ficaram em terceiro e quarto. O quinto e último degrau do pódio recebeu José Luís Teixeira Júnior, da Yamaha. O grid da Superbike em Interlagos reuniu 41 pilotos nas classes Pro e Pro-AM.