Foto: acervo JT

Com pressa, motoboy se acidenta mais a caminho do trabalho

Foto: acervo JT

Foto: acervo JT

Estudo inédito da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo aponta que 77% dos acidentes com motociclistas, incluindo motoboys, ocorrem quando eles estão a caminho do trabalho ou, então, indo de volta para casa. A pressa de iniciar rapidamente as entregas, já que esses trabalhadores normalmente recebem por produção, ou o cansaço após um dia extenuante são os principais fatores de risco apontados para a ocorrência dos acidentes.

Foram analisados 444 Comunicados de Acidentes de Trabalho feitos entre os anos de 2003 e 2005 no Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de São Bernardo do Campo, incluindo ocorrências da cidade de São Paulo, São Bernardo, Diadema e Santo André. O estudo é o primeiro do país que analisa dados epidemiológicos sob o ponto de vista da saúde do trabalhador.

Segundo o levantamento, em 45,5% dos acidentes com motociclistas que as vítimas apresentam algum tipo de fratura. Já em 18% dos casos há traumas múltiplos (várias fraturas e lesões), 18,2% apresentam contusões, 7% têm ferimentos como cortes e arranhões e 4,5% sofrem entorses. A parte do corpo mais atingida são os membros inferiores, responsável por 38% dos casos.

Do total de acidentes com motociclistas analisados pela Secretaria, 33% foram causados por colisões com automóveis, e 28% por quedas. As ocorrências são mais comuns no período entre 6h e 12h (36% do total) e das 12h às 18h (36,9%). Dos motoqueiros acidentados, 57% tinham entre 20 e 29 anos de idade, 26% de 30 a 39 e 8% de 40 a 49 anos. A grande maioria (95,3%) dos acidentados era homem.

“O acidente a caminho do trabalho é o mais comum entre os motoboys por conta da pressão que esse trabalhador sofre para iniciar logo as entregas, pois quanto mais entregas ele fizer, mais irá receber. Por conta disso eles acabam excedendo a velocidade e cometendo imprudências”, afirma Silvana Tognini, da Divisão de Vigilância Sanitária do Trabalho da Secretaria, responsável pelo estudo.