Next 250 e YS250 Fazer - Seis contra cinco marchas, arrefecimento a líquido contra pistão forjado

Comparativo – Yamaha Fazer YS 250 x Dafra Next 250

Pré-leitura – Cada moto possui características específicas e cada pessoa que a utiliza tem diferentes experiências. Por isso cada conjunto piloto-motocicleta resulta em uma experiência única. As pessoas tem preferências e gostos diferentes e por isso o Motonline acredita que a escolha da moto é uma escolha pessoal e que não existe uma moto que seja boa igualmente para todos. Por isso nossos comparativos não trazem uma moto “vencedora”. Motonline traz informações sobre diferentes quesitos das motos – visual, performance, dirigibilidade, consumo e “custo x benefício”. O objetivo destas informações é ajudar você a fazer sua escolha e abrir a discussão. O Motonline sempre incentiva a discussão, mas uma discussão construtiva. Sua opinião pode ser diferente da dos demais motociclistas e é isso que enriquece a discussão. Expresse sua opinião, respeite a opinião de todos e Boa leitura!


Vamos ver como se comporta a segunda moto 250 mais vendida contra a que desafia o status das duas líderes. A Honda CB300 já foi comparada com a Dafra Next 250, agora é a vez de compararmos a Yamaha Fazer 250 contra essa desafiante, a Dafra Next 250. Mas se você quiser saber a opinião dos proprietários destas duas motos, vá ao Guia de Motos do Motonline e consulte.

O nome já incita esse desafio, ela quer ser a sua próxima 250, mas para isso tem que dar conta de duas gigantes do mercado. E ela está num distante terceiro lugar. Nos emplacamentos acumulados de janeiro e fevereiro de 2013, temos 8.091 unidades da CB300, 3.564 da Fazer e apenas 633 motos Next 250. Ou seja: há muito para ser feito em termos de esforço de vendas e serviços para diminuir a distância entre elas. Tarefas para a Yamaha e Dafra.

Next 250 e YS250 Fazer - Seis contra cinco marchas, arrefecimento a líquido contra pistão forjado

Next 250 e Fazer YS250 – Seis contra cinco marchas, arrefecimento a líquido contra pistão forjado e estilos agressivos nas duas

Mas independente do número de concessionárias e do serviço pós-venda que sabemos que o da Dafra tem bastante a melhorar, vamos ver máquina por máquina como essas duas se confrontam.

A Yamaha tem um painel bem atualizado, com todas as funções mais importantes

A Yamaha tem um painel bem atualizado, com todas as funções mais importantes

A Yamaha tem mais tempo em produção e teve mais desenvolvimento e resolução dos possíveis problemas que eventualmente aparecem num produto. A moto é leve, ágil e tem um desenho que demonstra isso. As grandes abas laterais canalizam o vento para o motor e completam o desenho anguloso com o resto da moto.

A Next 250 vem com o peso da marca taiwanesa SYM que consagrou o scooter Citycom 300 também da Dafra. Conseguiram desfazer a má imagem que essa marca vinha tendo no mercado por causa de alguns maus produtos anteriores.
Revertendo essa tendência a Next adiciona novos bons atributos à marca. Arrefecimento líquido e seis marchas são seus maiores destaques, mas o desenho da moto é um ponto que agrada bastante também. A proteção do radiador lembra um pouco as nakeds maiores do mercado e a carenagem sob o motor reforça esse visual mais agressivo.

Na posição do piloto dá para perceber em cada uma delas que o banco é levemente mais alto na Yamaha (1,5cm), mas os assentos são ambos confortáveis e proporcionam conforto também para um eventual garupa até para viagens mais longas. Na Dafra a coluna fica bem ereta, contra uma posição de pernas um pouco travada, posicionadas muito para trás.

A Fazer tem o motor arrefecido a ar e talvez por isso parece fazer mais barulho mecânico do que a Next. Na saída, acelerando de baixa rotação, tanto a Next quanto a Fazer crescem devagar, mas com firmeza. A partir da média até a alta rotação, a aceleração se torna mais forte até chegar no fim da faixa útil de rotação. Conta ainda com a opção do modelo Blue Flex que pode ser uma boa idéia quando o preço do etanol estiver conveniente.

Belo painel da Next 250 tem todas as funções usuais mais o indicador de marchas em um visual agradável

Belo painel da Next 250 tem todas as funções usuais mais o indicador de marchas em um visual agradável

A Next, que tem uma marcha a mais, continua até um pouco além, mas já sem força. Pode-se usar essa gama maior de rotação disponível apenas em ladeiras ou em vento a favor, pois no plano o motor não consegue vencer a barreira do vento. No meio das rotações, na faixa mais gorda, a disposição dos dois motores se assemelham muito.

Suspensão – Nesse quesito a Yamaha sai na frente. Tem ação mais equilibrada nas duas rodas e não mergulha tanto nas frenagens. As duas motos absorvem bem as irregularidades do terreno, mas a Next sofre um pouco mais, principalmente na frente.

Freios fortes e sensíveis nas duas motos, com destaque dos flexíveis revestidos por malha de aço na Dafra. Ainda assim sofre um pouco de excesso de curso, mas a atuação é forte e bem controlada. Na Yamaha eles têm mais sensibilidade, mesmo com os flexíveis normais, e pode-se aplicar com mais vontade o dianteiro porque o mergulho da suspensão é menos pronunciado. Bons resultados com ótimo controle na pilotagem.

Geometria-comparando Next 250 e YS250 Fazer percebe-se como são parecidas nas suas medidas, mas muito diferentes na dinâmica da pilotagem

Geometria-comparando Next 250 e YS250 Fazer percebe-se como são parecidas nas suas medidas, mas muito diferentes na dinâmica da pilotagem

As duas motos tem as suas geometrias muito parecidas. Há uma diferença de meio grau no ângulo do rake, 10 mm a mais na medida da distância entre eixos e no comprimento da balança da Yamaha. Mas a maior diferença está na medida do trail que na Next tem 97mm contra 104,5mm na Fazer. Até ai tudo bem, então a Dafra tem mais esportividade na sua pilotagem, mas nem tanto.

Traseiras similares (Fazer a esq e Next a dir. ) trazem bons equipamentos para amarração e garupa

Traseiras similares (Fazer a esq e Next a dir. ) trazem bons equipamentos para amarração e garupa

Dai acarreta um problema que se não fosse o sistema construtivo do chassi das duas motos o resultado poderia ser outro. O trail menor da Next demanda uma estruturação mais rígida do chassi, para suportar as forças internas maiores. A geometria levemente mais rápida (esportiva) provoca essas forças adicionais na estrutura da direção que a Yamaha acaba por suportar melhor. Tanto pela medida maior de trail quanto pela própria construção do chassi, que com o berço duplo e amarração mais convencional do eixo da balança, dá maior estabilidade estrutural, ao contrário do tubo único tipo “backbone” da Dafra, com barras transversais para a amarração da balança.

Frentes parecidas (Fazer à esq. Next à dir.) mas a Next conta com uma pequena carenagem à frente dos instrumentos

Frentes parecidas (Fazer à esq. Next à dir.) mas a Next conta com uma pequena carenagem à frente dos instrumentos

O resumo dessa ópera é bem definido. A música do motor da Next 250 é mais forte do que o da Yamaha, que por sua vez tem menor peso, diminuindo a vantagem mínima da Dafra que tem que levar 28 gramas a menos. E com a sexta marcha da Dafra ela aproveita um pouco melhor o motor e proporciona maior economia, cerca de 8%. Mas motor não é tudo e há que se ver o conjunto que na Fazer é mais homogêneo. Mas no final, quem manda é a preferência do consumidor.

Se você tem uma moto 250cc street, opine sobre ela!
Acesse agora mesmo: Guia de Motos – Motonline