Conar recomendou que propaganda da Fiat seja retirada do ar

O Conselho Nacional de Auto-Regulamenta‡Æo Publicit ria (Conar) decidiu suspender a veicula‡Æo da campanha de lan‡amento do novo Palio, da Fiat.

A susta‡Æo tem car ter liminar e foi decidida pelo presidente do Conar, Gilberto Leifert. Juntamente com a suspensÆo do an£ncio, Leifert determinou a instaura‡Æo de um processo no qual tanto a Fiat como a Leo Burnett, a agˆncia que criou o an£ncio, serÆo chamadas para se defenderem.

“Todas as redes de TV do pa¡s j  foram comunicadas de que o Conar recomenda a susta‡Æo imediata daquele an£ncio”, afirmou uma fonte ligada ao ¢rgÆo. Assim, o processo no Conar dever  transcorrer com o an£ncio fora do ar.

Na campanha do novo Palio, criada pela Leo Burnett, um ex-presid rio aparece deixando a cadeia e enquanto caminha pela rua, avista o carro da Fiat, que passa a contemplar com fasc¡nio. O filme tem um corte e com a tela escura, ouve-se um vidro de carro sendo quebrado. Em seguida, soam alarmes e sirenes de pol¡cia.

Em comunicado divulgado na noite de quinta-feira, a assessoria de comunica‡Æo da Leo Burnett negou veementemente que o filme publicit rio em questÆo tivesse a inten‡Æo de estigmatizar o presidi rio brasileiro. Ao contr rio, diz a agˆncia, mostra um ser humano sens¡vel, preocupado com sua fam¡lia, com seus amigos, ao sair da prisÆo(???). A Leo Burnett disse que apenas recorreu a uma cena do cotidiano brasileiro e nÆo teve de forma alguma a inten‡Æo de promover a discussÆo sobre o que o filme mostra.

A agˆncia afirmou que, assim como nas campanhas anteriores em que tratou de questäes polˆmicas como o preconceito, agora levanta mais um aspecto do cotidiano da vida brasileira.