Foto: acervo JTB

Crise econômica mundial deve impactar preço dos combustíveis no Brasil

Foto: acervo JTB

Foto: acervo JTB

Preço do GNV sobe novamente em setembro e acumula alta de 10% em seis meses

O preço do m³ do GNV registrou alta de 1,7% em setembro, passando a custar R$ 1,75/m³. Com o novo aumento, o gás natural veicular acumula alta de 10% nos últimos seis meses. Já os custos da gasolina, álcool, diesel e biodiesel apresentaram estabilidade no último mês. Essa situação deve ser alterada nos próximos meses em decorrência da crise econômica mundial originada nos Estados Unidos. A expectativa é de que o aumento das commodities e a restrição ao crédito, que irá restringir projetos de novas usinas de álcool, provoque um aumento nos combustíveis. Esses são os resultados da mais recente pesquisa realizada pelo Ticket Car, produto de gestão de despesas de veículos da Ticket.

Segundo o levantamento nacional, em setembro, o litro do álcool custou, em média, R$ 1,85; a gasolina, R$ 2,68; e diesel e biodiesel, R$ 2,19. Contudo, esses valores podem variar muito de Estado para Estado, principalmente, em razão das diferenças de custos para o transporte do combustível. São Paulo é o local com menor valor do álcool, R$ 1,32, enquanto o valor mais caro foi observado no Pará, R$ 2,21. O mesmo ocorre com a gasolina, que custou R$ 2,41 no Distrito Federal e R$ 3 no Acre.

O levantamento, que também avalia em quais Estados é mais vantajoso o uso da gasolina e onde o álcool é mais rentável, mostrou equilíbrio na relação custo-benefício entre os dois combustíveis, quando comparado a meses anteriores. Com isso, a utilização do derivado da cana-de-açucar continua vantajosa em 16 Estados brasileiros, enquanto a gasolina tem melhor custo-benefício em 12 Estados, além do Distrito Federal. São Paulo continua sendo o Estado mais vantajoso para os motoristas que optam pelo etanol, seguido por Mato Grosso e Paraná. Já a gasolina, mais vantajosa em 12 unidades da federação, apresenta maior benefício para a maior parte das regiões Norte e Nordeste e também em Brasília. (Veja abaixo tabela completa)

O Ticket Car faz mensalmente esse levantamento. Além de reduzir os custos com abastecimento, os dados fornecidos também são úteis no momento de definir se vale ou não a pena comprar automóveis bicombustível em sua região. Os dados também podem ser vistos pelos consumidores por meio do endereço www.ticket.com.br/ticketcar.

Para se chegar a essa conclusão, profissionais do Ticket Car verificam junto aos mais de oito mil postos credenciados à sua rede, os preços médios dos dois combustíveis em cada um dos 27 Estados brasileiros. O objetivo do Ticket Car com esse serviço é agregar valor às operações de seus clientes, oferecendo consultoria contínua para gestores e usuários.

De acordo com Marcelo Nogueira, gerente de Negócios Especialista do Ticket Car, o gasto com combustíveis é um dos principais custos de uma frota. “É preciso tomar cuidado pois, apesar de mais barato, a autonomia do veículo com o álcool é em média 30% menor. Assim, para ser vantajosa a sua utilização, o preço do litro também precisa ser 30% menor”, informa o executivo.

No mercado desde 1990, inicialmente apenas para abastecimento, o Ticket Car é uma linha de produtos e serviços para gestão de despesas de veículos, que inclui gestão do Abastecimento e Manutenção, serviços de Assistência 24h, Administração de bomba de combustíveis interna, entre outros.

O Ticket Car traz uma economia média de até 20% na gestão de frotas empresariais e é um produto que opera 100% em cartão. Atualmente atende a mais de 4 mil empresas-clientes. Ao todo, são 220 mil veículos geridos, atendidos por meio de 10 mil estabelecimentos credenciados.