Crise passa longe da indústria de motocicletas

O cen rio desfavor vel que atingiu as montadoras de autom¢veis passou longe do setor de ve¡culos de duas rodas.

O setor apresenta crescimento ano ap¢s ano. A produ‡Æo de motociclos de janeiro a julho de 2003 atingiu 569.018 unidades, n£mero 18% superior ao do mesmo per¡odo em 2001. Nos primeiros sete meses do ano, houve crescimento de 12% nas vendas internas no atacado de motociclos, para 506.366 unidades.

No mercado externo, a situa‡Æo nÆo ‚ diferente. As exporta‡äes, que chegaram a atingir recorde hist¢rico em junho, com 12.737 unidades, encerraram os primeiros sete meses do ano com aumento de 130,9% em rela‡Æo ao mesmo per¡odo de 2002. No total, 52.887 motocicletas foram vendidas em outros pa¡ses, ante 22.907 no ano passado.

Segundo o presidente da Associa‡Æo Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas e Bicicletas (Abraciclo), Yuji Horie, o setor deve continuar obtendo bons resultados no segundo semestre, rumo ao crescimento de 15% previsto para este ano.

A entidade prevˆ uma produ‡Æo recorde de 1 milhÆo de unidades, sendo 910 mil para o mercado interno e 90 mil para exporta‡Æo. Este n£mero ‚ mais do que 11 vezes superior ao total produzido h  10 anos – foram 83.458 unidades em 1993.

Em rela‡Æo …s vendas externas, se a expectativa de exportar o volume recorde de 90 mil for confirmada este ano, o setor ver  um crescimento de 32% frente …s 68 mil unidades exportadas em 2002. Trata-se de um volume cinco vezes superior ao exportado h  10 anos – quando foram comercializadas 15.805 unidades.

A Honda, respons vel por 85% dos ve¡culos comercializados no mercado interno de janeiro a julho (435 mil unidades), conseguiu um aumento de 10% nas vendas sobre aos primeiros sete meses de 2002. A companhia tamb‚m foi a campeÆ nas vendas externas, com 48.553 unidades exportadas at‚ julho, 143% a mais do que em 2002.

Horie, tamb‚m diretor da Honda, afirma que as motocicletas produzidas no Brasil tˆm qualidade e custos de produ‡Æo competitivos e exportadas para pa¡ses da Am‚rica do Sul, M‚xico, EUA, Europa, µfrica e Austr lia.
Os modelos preferidos sÆo os de menor cilindrada, especialmente os de 125 cilindradas. A desvaloriza‡Æo do real impulsiona o desempenho. Horie acredita que a tendˆncia de queda das taxas de juros e a redu‡Æo da al¡quota dos compuls¢rios banc rios devem contribuir diretamente para uma diminui‡Æo progressiva dos encargos repassados aos consumidores, incentivando as vendas.

Atualmente, 30% das vendas de motocicletas sÆo financiadas, mas a maior parte ocorre hoje por meio de cons¢rcios. Para Horie, h  fatores estruturais que explicam a crescente preferˆncia pelo ve¡culo de duas rodas no Brasil. Ele aponta a evidente diferen‡a de pre‡o em rela‡Æo ao autom¢vel popular e a capacidade da moto de superar os congestionamentos nas grandes cidades.