Lixo perigoso nas estradas

Cuidado com os pedaços de pneus de caminhão

Os caminhões e ônibus representam cerca de 3% da frota de veículos no Brasil, mas é responsável por 21% dos acidentes nas estradas. Acontece que, além dos fatores elencados, existe outro, não listado e não catalogado, o qual pode aumentar este índice para pouco mais de 30%. Algo que você não imagina e nem pensava – os pneus.

Lixo perigoso nas estradas

Lixo perigoso nas estradas

A falta de conhecimento por parte do condutor brasileiro seja de carro, moto ou caminhão, está muito abaixo do que deveria ser pelo menos o mínimo. A maioria das pessoas não conhece nada sobre calibragem, sobre as marcas de fim de pneu, recapagem, reparo, alinhamento, balanceamento e por aí vai.

Para piorar, não entendem que são os pneus que fazem a parte mais importante na frenagem – o atrito. Sem atrito a roda para, mas o veículo continua em movimento. É a primeira Lei de Newton – Todo corpo mantém o seu estado de repouso ou de movimento uniforme seguindo uma linha reta, se não for compelido a mudar o seu estado por forças nele impressas. (Lei da Inércia). O ABS, tecnologia anti-travamento funciona mais perfeitamente se seus pneus estiverem em bom estado. Mas poucas pessoas sabem disso e acreditam que o ABS serve até para ajudar a fazer curva.

Estrutura de um pneu

Estrutura de um pneu

Partindo deste pressuposto ainda temos a turma da Lei de Gerson ou da Lei do Meu – que diz “se a farinha é pouca, meu pirão primeiro”. Segundo esse caminho teremos três atitudes graves – a primeira será a reabertura dos sulcos em um pneu que já chegou a sua marca de fim. A outra é um pneu recapado ou recauchutado de forma errada ou processado para ter baixo custo e baixa qualidade.

Uma coisa importante – não existe bom e barato quando se trata de segurança. Se for muito bom e barato, desconfie. Outra coisa importante é que a pessoa que fabrica ou vende tais tipos de produtos não os usa, pois sabe os riscos que corre por conta da qualidade que entrega.

Voltemos ao próximo problema – a fiscalização. É fácil para patrulheiros da Polícia Rodoviária Federal e da Estadual analisarem e fiscalizarem o estado dos pneus e descobrir, inclusive, se foram riscados, remarcados ou reabertos. Mas não o fazem e não sabemos por quê, pois esta é a única função deles – FISCALIZAR.

Ferramenta utilizada para frisar pneus

Ferramenta utilizada para frisar pneus

Acontece que, quando todos esses ingredientes se juntam, o bolo dos graves acidentes começa a fermentar e para acontecer será só uma questão de tempo e de forno. Sim, forno! É o calor do asfalto que faz com que a banda de um pneu recauchutado de um caminhão venha a se soltar. Na maioria das vezes soltam aos pedaços, que voam indiscriminadamente pela pista. Se você nunca viu isso de perto, recomendo que nunca queira ver, pois é um espetáculo apavorante principalmente para quem está em uma moto. Você vira passageiro.

Em um carro a blindagem da lataria pode oferecer alguma proteção, mas se vier na direção do vidro estes pedaços de borracha misturados com fios de aço entrarão na cabine e aí o estrago será grande. Imagine isso pegando numa motocicleta?

Há ainda outro perigo: os pedaços que ficam na pista. Tais restos de pneus estourados ou desencapados formam uma barreira perigosa que podem furar outros pneus por conta da malha de aço rompida ou mesmo descontrolar veículos ao entremearem-se na suspensão do carro. No caso da moto, é queda certa e se tiverem fios de aço no meio teremos cortes profundos e ainda o risco de uma infecção grave onde o risco de mutilação ou mesmo de amputação é grande.

É apavorante? Não! É desesperador, por que você não pode fazer nada, a não ser rezar e pedir que as autoridades façam seu papel. Para quem vive de frete, reduzir custos é o mais importante e está inversamente proporcional a qualidade da segurança. Se baixa o custo, interessa. Se afeta a segurança, pagam para ver.

Pneu frisado, o antes e o depois

Pneu frisado, o antes e o depois

Mas tudo isso poderia ser evitado se houvesse FISCALIZAÇÃO. Por outro lado, deveria ser proibida a recapagem de pneus para caminhões, assim como é para motos. Neste caso, um governo atento e responsável, poderia reduzir a carga tributária a ponto de o pneu novo tornar-se algo tragável na lista de custos do frete.

Pneu usado recebendo nova banda de rodagem

Pneu usado recebendo nova banda de rodagem

Poucos sabem, mas vários estudos foram feitos para avaliar as consequências de acidentes provocados por pneus. Um deles foi realizado pelo Mithy Busters ou Caçadores de Mitos. E pasmem, os estragos são impressionantes como mostra o vídeo da série da TV entitulado “Pedaços de pneu podem ser mortais”, disponível no Youtube.

Agora o que nem você e nem o governo sabem: não existe nenhuma estatística de acidente provocado por estouro de pneus, falha nos pneus, etc. Nada existe. O que poderia ter sido um acidente provocado por carcaças de pneus na pista ou mesmo pelo estouro ou arremesso de pedaços da banda de rodagem é registrado como ‘perda de controle do veículo’. Sem tais dados nada se pode fazer. Mas no Brasil esses dados não serviriam, pois não se faz nada mesmo. Alguma coisa ainda é feita quando matérias saem nos veículos de comunicação. Caso contrário continua como está. Aliás, caros leitores, quantas vezes você mostrou a sua CNH a um patrulheiro da PRF? Quantas vezes você viu um patrulheiro da PRF fora da guarita? Sei que muitos não vão gostar do que estou questionando, mas PRF e PRE tem como principal função fiscalizar o trânsito e as estradas – sejam elas federais ou estaduais.

Pneu de moto frisado; prática assassina

Pneu de moto frisado; prática assassina

Pneu é coisa séria. As pessoas são mais preocupadas com a troca de óleo do que com os pneus do seu carro ou moto e deveria ser o contrário. Refazer um motor hoje em dia é barato se compararmos o resultado de um acidente provocado por pneus desgastados ou por pneus de caminhões que desencaparam à sua frente. Nos vídeo você vai perceber que primeiro eles desencapam e em seguida estouram. Tudo muito rápido. Não dá tempo de reagir. O assunto é sério e é necessária uma ação firme para prevenir acidentes graves. Ninguém está livre disso. Qualquer pessoa que dirija em estrada corre o risco de sofrer acidentes como os abaixo relacionados com graves consequências.

Se você viu ou passou por isso, deixe seu depoimento. Ajude-nos a documentar ao máximo este grave problema. Só assim poderemos despertar o interesse das autoridades e do poder público para que faça seu papel e fiscalize com rigor.



Motociclista desde os 18 anos. Jornalista e apaixonado por motos desde que nasceu.