Foto: Injetores F1 - Honda Tech.com

Defeito na Lander, ou bico antes ou depois da borboleta – Injetada que morre – Carburada sem lenta.

Foto: Injetores F1 - Honda Tech.com

Foto: Injetores F1 - Honda Tech.com

Olá, sou dono de uma Yamaha/Lander 250 com 15000km e gostaria de saber a opinião de vocês sobre um assunto que vem me incomodando há um tempo. Tenho outros colegas proprietários do mesmo modelo e da Fazer também e a maioria já passou pelo mesmo problema. Carbonização da borboleta da injeção. Forma-se aquela gosma e o acelerador fica duro, sem falar no derretimento da guarnição do sensor TPS. Neste ano, foram duas limpezas completas. Considerando que abasteço num posto de confiança, que faço a manutenção correta da moto, o que acontece? O mecânico que cuida de minha moto levantou uma hipótese que acho que tem a ver: como o sistema da Yamaha é mais antigo, o bico injetor fica antes da borboleta, aumentando, teoricamente, as chances de acontecer a carbonização. Na Honda, o bico fica depois da borboleta, minimizando esse problema. Claro que envolve uma série de outros fatores, mas não seria mais ou menos como no início da injeção nos carros nacionais, que, salvo engano, também eram passíveis dessa característica por conta do sistema utilizado. O que acham?
Nelson, 39, Ribeirão Preto, SP.

Foto: Kasinski Comet GTR tem recall, morre à toa. - Bitenca

Foto: Kasinski Comet GTR tem recall, morre à toa. - Bitenca

R: De fato Nelson, há motos que têm os bicos antes e agora, mais recentemente recebem os bicos depois da placa aceleradora. O que ocorre na verdade é que há um efeito nebulizante quando o jato da injeção atinge a placa e isso ajuda na atomização do combustível, principalmente nas baixas e médias acelerações. Por isso na F1 como na MotoGP as injeções especiais de competição usam esse sistema, alinhando multiplos bicos por duto, antes e depois da placa aceleradora para cada posição de abertura. Você já reparou como há detonação nos escapes e na entrada de ar desses motores, são quase como granadas de tão explosivos.
É fato também que a gasolina brasileira não é muito confiável e o sistema que coloca o bico apenas no lado da borboleta em que há vácuo ajuda a evitar vazamentos e acúmulo de carvão.
Tradicionalmente a Yamaha coloca nas suas motos a tecnologia retirada das pistas e isso sempre agradou o consumidor. Se força mais manutenção esse deve ser um custo a mais a ser calculado não acha? Os puristas gostam, e eventualmente usam gasolina premium para manter limpo o sistema. Também o antigo YPVS das RD 350 dois tempos vivia engripando por excesso de carvão, eram amadas e odiadas essas “viuvas negras”.
Abraços,


Olá, Bitenca e equipe! Sou navegante deste site desde a sua criação e é fonte absolutamente confiável (minha opinião para quem chega aqui hoje). Amigo, dúvida estranha:Tenho Titan ESD I.E. 2009. Em determinadas situações, ao reduzir de 3a.marcha para 2a. o motor apaga. Ligo novamente e ele funciona normalmente. Está com 7 mil rodados. Acontece com qualquer combustível (gas/alc).É raro acontecer, mas somente nesta situação. Pode desvendar esse segredo?Abs a todos! Osmar, 46, Rio de Janeiro, RJ.

R: Osmar, a sua moto como quase todos os veículos injetados tem um sistema de corte de combustível nas descidas ou nas reduções de marcha para melhorar as emissões e economia. Em alguns casos há uma pequena demora na recuperação da injeção ao se atingir a rotação de marcha lenta. Isso pode ser causado por vários problemas, um deles seria um desajuste do sensor de posição do acelerador.
Mande numa boa oficina para verificar. Muita gente está convivendo com esse problema. A Kasinski tem até um recall a respeito disso. Abraços,


Boa noite! quero agradecer desde já todas as suas dicas, elas foram e estão sendo muito válidas. você deve saber no começo é tudo muito dificil e a insegurança é o que mais encomoda nas primeiras fases, enfim… obrigado pela força!
Estou com uma titan 150cc, 2004, ES… esta moto chegou para mim sem marcha lenta nehuma…
-limpei carburador e regulei mas a moto continuou sem marcha lenta. Regulei a válvula, pois ela poderia estrar presa ou algo assim, enfim regulei novamamente a valvula. A moto continuou sem marcha lenta! Para verificar, troquei o carburador, coloquei este carburador em uma outra moto e este carburador funcionou redondo com otima marcha lenta, ou seja, carburador nao é.
Fiz outros testes, testei regulador retificador, motor de partida, bobina de ignição, estator completo, tirei a tampa de uma e passei para outra moto, relê de partida, vela, caximbo, fiz ligação direta. Na verdade testei todos os meios, acho eu que o problema realmente esta no motor, o que voces acham? A moto, depois de todos os testes ela continua sem marcha lenta. O problema parece ser como se ela estivevesse fora de ponto, fui ver. As duas marquinhas da engrenagem de comando junto com a marca T ficam de acordo com o cabeçote. O que pode ser? Você conseguiu entender mais ou menos? agradeço desde já..obrigado. Rodrigo, 25, Bragança Paulista, SP.

R: Rodrigo,
Você fez alguma verificação na compressão? – Veja. Há três condições básicas para a ocorrência da explosão e portanto ao funcionamento do motor.
1 – mistura e quantidades suficientes de ar – combustível dentro da camera de combustão no momento da explosão. Essa condição é determinada pelo sistema de carburador ou injeção, dutos da admissão, válvulas e escapamento.
2 – Ignição. Essa função é executada pelo sistema que fornece a faísca na vela no momento correto para a explosão.
3 – Compressão. O funcionamento adequado das peças mecânicas como pistão, válvulas etc.
Pela descrição das condições dos componentes que você indica, ainda permanecem incertas as condições 1 e 2, veja porque.
São defeitos comuns, que podem prejudicar a presença das três condições que mencionei acima na rotação de marcha lenta, um pequeno vazamento de compressão que em baixas rotações provocam perda significativa pois em baixas velocidades os gases têm mais tempo para vazar e assim a pressão cai abaixo do mínimo necessário. Se você não identifica queima de óleo (fumaça), essa perda não se dá através dos anéis, então ela pode estar em um assentamento incorreto de alguma válvula um pouco torta, ou alguma entrada falsa de ar no duto de admissão (borracha do coletor rachada ou junta danificada). Medir a compressão conforme recomenda o manual de serviço é uma boa medida para eliminar essa causa, você identifica um problema de válvulas pois a pressão na camera estaria baixa nesse caso e a explosão na lenta é que fica prejudicada. Se o valor medido não estiver abaixo do mínimo necessário, procure pelo vazamento no coletor de admissão. Boa sorte,