YZF-R1 personalizada: pouca opção fez o dono fabricar as próprias peças

Detalhes que fazem toda a diferença!

YZF-R1 personalizada: pouca opção fez o dono fabricar as próprias peças

YZF-R1 personalizada: pouca opção fez o dono fabricar as próprias peças

Os motociclistas nunca mais irão esquecer o ano de 1998, porque este foi o ano em que a Yamaha lançou no mercado a YZF-R1, considerada e aclamada como o mais impressionante modelo de motocicleta superesportiva da década. Se não fosse pelos faróis, retrovisores e outros equipamentos exigidos por lei para que o modelo 2010 da consagrada Yamaha YZF-R1 possa rodar nas ruas, facilmente ela poderia ser confundida com a Yamaha YZR-M1, pilotada por Valentino Rossi na MotoGP.

O tencionador de corrente: original (esq) e o fabricado pelo proprietário

O tensionador de corrente: original (esq) e o fabricado pelo proprietário

Porém, se olharmos mais atentamente aos detalhes dessa YZF-R1 modelo 2010 da foto acima, veremos peças e acessórios que nenhuma outra moto desse modelo possui!

Essas peças foram desenhadas, testadas e confeccionadas pelo engenheiro mecânico Gilson Ferreira, que é um apaixonado por motocicletas. Após adquirir sua Yamaha YZF-R1, decidiu dar à moto toques que expressassem mais a sua personalidade. Contudo, durante sua busca no mercado nacional ele descobriu que praticamente não existem peças especiais e acessórios para esse modelo.

Sócio e proprietário de uma empresa que presta serviços de usinagem a terceiros, Gilson, começou a esboçar sua primeira peça – um tensionador  de corrente. Para ele, o que vem de fabrica é muito simples e a criação de uma nova peça daria ao conjunto traseiro um detalhe que faria toda a diferença.

Tampa do tanque de combustível: cuidado máximo na produção

Tampa do tanque de combustível: cuidado máximo na produção

Nascia assim um projeto particular que não só criou o tensionador de corrente,  mas também outras quinze peças, sendo que destas, dez já foram testadas, usinadas e instaladas na moto. Segundo o engenheiro, foram necessários vários dias entre desenhar as peças até a instalação. Veja o exemplo da tampa do tanque relatado pelo próprio Gilson.

“Quando decidi criar, eu queria algo que desse um detalhe na motocicleta, pois todas as tampas são padrão. A principio uma tampa parece simples, afinal, é só para tampar. Mas o que a grande maioria não sabe é que além de vedar, ela tem que ter respiros devido a vapores do combustível e quando o tanque vai esvaziando, deve entrar ar ao mesmo tempo e não pode em hipótese alguma vazar combustível. Como fazer isso, se estou criando um novo componente que ainda não foi criado? Nesse caso peguei e fiz um projeto com base no original para que fosse funcional e o primeiro desafio foi desenhar a peça para obter um modelo em 3D, onde é possível ter uma ideia bem próxima de como vai ficar o componente. Feito isto, fiz um estudo de ligas e dimensões, depois criei um programa para ser usado na máquina CNC (torno), onde usinei e testei muitas vezes!!! Se contabilizarmos o tempo gasto entre projeto e testes, já se passaram muitos dias e muitas noites, pois tive que usar o tempo livre dos meus equipamentos. Mas no final o resultado valeu a pena”, explica Gilson Ferreira.

Slider do motor...

Slider do motor...

Utilizando tecnologia de ponta, equipamentos de precisão e muita determinação, posso afirmar que essa YZF-R1 é única. Confira os detalhes.

Sliders – Esse foi um dos itens que o engenheiro encontrou no mercado nacional. Porém, depois de analisar cuidadosamente os vários modelos oferecidos, resolveu desenvolver seus próprios sliders, já que a grande maioria apresenta falhas de construção que poderiam, numa queda, danificar mais do que proteger. O grande diferencial dos sliders (Balança, Motor e Bengalas) feitos pelo engenheiro foi o estudo de materiais e, acreditem, parafusos de uma liga especial de alumínio que quando sofrem esforço extremo se rompem evitando que o dano seja maior.

A coroa e o slider da balança

A coroa e o slider da balança

Coroa – A nova Coroa foi projetada com uma alteração na quantidade de dentes, obtendo assim uma pegada mais “Racing” que a original e as retomadas ficaram mais fortes. Para essa foi utilizado uma liga de alumínio 7075 importada da Rússia, pois no Brasil não é fabricado. A nova peça tem apenas 400 gramas e com uma resistência maior que a original.

Pedaleiras – As pedaleiras originais são feitas em alumínio injetado, impossibilitando um bom acabamento e até mesmo um tratamento superficial. Por isso, as novas peladeiras foram usinadas e anodizadas e o resultado ficou muito bom, pois são os detalhes que vão construindo a personalidade da motocicleta.

Tampa do reservatório de óleo de freio – A ideia inicial era se fazer todo o reservatório, mas por alguns detalhes de vedação e visor que iriam complicar bastante o projeto, se optou em fazer apenas a tampa, que apresentou um bom resultado estético.

Pedaleira original (dir) e a produzida pelo dono da moto

Pedaleira original (dir) e a produzida pelo dono da moto

Manopla – A alteração desse item se deu para combinar com os pesos de guidão e para uma pegada melhor para a mão do engenheiro.

Manopla: melhor "pegada"

Manopla: melhor "pegada"

Peso de guidão – Algumas motocicletas, especialmente as esportivas e projetadas para rodar no asfalto, têm uma espécie de acabamento metálico na ponta de cada extremidade do guidão. Mas, o que é aquilo e para que serve? Não são meramente enfeites ou peças de acabamento para encarecer as motos, tampouco capricho dos projetistas. São pesos, cientificamente estudados, e funcionam para deixar o guidão mais leve nas manobras em baixas velocidades.

Tampa do reservatório de fluido de freio

Tampa do reservatório de fluido de freio

É que o guidão das motocicletas com características esportivas, ou de rua, são mais estreitos, para facilitar a tocada. Ao contrário das motos de fora de estrada, que têm o guidão mais largo. O guidão funciona como uma alavanca, fazendo girar o garfo que prende a roda dianteira. Segundo as leis da física, quanto maior a alavanca, menor será o esforço. Como o guidão é estreito, os pesos nas extremidades aumentam a massa e funcionam como uma extensão da alavanca, deixando-o mais leve.

Os novos pesos foram feitos respeitando a massa original e, por isso, ficaram um pouco maior para compensar, uma vez que o novo peso fora feito de alumínio anodizado.

Tampa do óleo do motor – Também feita em alumínio e com detalhes tendo a mesma vedação que a original.

Obs.: Para facilitar a discussão sobre esse assunto, criamos um tópico no fórum para os motonliners. Clique aqui para acessar o tópico.