Dever De Todo Piloto – Parte II

Continua‡Æo do texto escrito pelo ex-piloto Marlon Olsen, falando sobre a seguran‡a nas competi‡äes de moto fora-de-estrada nos dias de hoje.

… Por esse motivo, acho que ‚ um dever de todo Piloto, come‡ar a fiscalizar e exigir dos ¢rgÆos competentes (Confedera‡äes, Federa‡äes, Motoclubes e Promotores) que durante a realiza‡Æo de qualquer evento motociclistico, exista o m¡nimo de seguran‡a e infra-estrutura necess rias para garantir a sua integridade f¡sica e a valoriza‡Æo do seu investimento e da sua dedica‡Æo. Assim como n¢s Pilotos, somos fiscalizados e muitas vezes punidos por essas entidades, ‚ uma obriga‡Æo nossa, fazer o mesmo e garantir que sejam respeitadas as nossas reivindica‡äes e sugestäes.

 inaceit vel o fato, dos Pilotos nÆo terem a m¡nima representatividade junto aos ¢rgÆos que controlam o nosso esporte, isso acontece a n¡vel estadual e nacional, estamos sempre reclamando, criticando, mas na verdade nÆo fazemos nada de concreto para ajudar a melhor -lo.

Algumas tentativas j  foram feitas, a fim de se formar uma associa‡Æo de Pilotos no Brasil, mesmo com o reconhecimento da sua importƒncia e a ajuda da Confedera‡Æo Brasileira de Motociclismo todas as tentativas foram fracassadas, em todas elas, cometeram-se os mesmos erros, o de nÆo colocar os Pilotos … frente das decisäes e o de nÆo ter um estatuto claro, contendo detalhadamente quais seriam os seus objetivos.

Existem v rias associa‡äes de Pilotos que funcionam e conseguem cumprir com as suas obriga‡äes, como ‚ o exemplo das associa‡äes de Pilotos de F¢rmula 1 e de Motovelocidade, que possuem uma forte representatividade e respeito junto aos ¢rgÆos envolvidos com o mundo das competi‡äes. Por que eles conseguem e n¢s nÆo? A resposta ‚ simples; quem cuida dos interesses dessas entidades e d  a £ltima palavra sÆo os pr¢prios Pilotos, e nÆo uma pessoa de fora, a qual teria a sua fun‡Æo transformada em mais um cargo pol¡tico que propriamente voltada aos interesses dos Pilotos e do esporte.

A receita ‚ simples, precisamos apenas de vontade de mudar as coisas, temos que ter a consciˆncia de que a nossa participa‡Æo nessa entidade, ‚ tÆo ou mais importante que treinar ou ir … academia, de que adianta se matar de treinar, ganhar um Campeonato Estadual ou Brasileiro e nÆo ter perspectiva de crescimento, tendo que implorar por um patroc¡nio ao final do ano? Ou implorar para representar o seu pa¡s em provas internacionais? Temos que arrega‡ar as mangas e correr atr s dos nossos interesses, pois se nÆo o fizermos, ningu‚m o far  por n¢s.

 necess rio que cada Piloto, dedique um pouco do seu tempo em benef¡cio do nosso esporte, somente assim cresceremos e ajudaremos ele a crescer. Coloco-me … disposi‡Æo para tentarmos mais uma vez mudar as coisas, e nÆo apenas lament -las.