Foto: Os presidentes das Federações durante a Assembléia, em Macau, na China

Eleição da FIM mostra força da CBM no motociclismo internacional

Foto: Os presidentes das Federações durante a Assembléia, em Macau, na China

Foto: Os presidentes das Federações durante a Assembléia, em Macau, na China

Tendo a histórica participação de 98 Federações Nacionais, aconteceu nesta terça-feira, em Macau, na China, a Assembléia Geral da Federação Internacional de Motociclismo (FIM). Com 55 votos, contra 41 do francês Jean-Pierre Mougin, o venezuelano Vito Ippolito foi reeleito na presidência da entidade máxima do motociclismo mundial.

Mais do que a presença de um sul-americano no comando da FIM, a eleição deste ano mostrou também a força da Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM) no cenário internacional. O português Jorge Viegas, indicado pelo presidente da CBM, Alexandre Caravana, foi eleito como um dos vice-presidentes da entidade.

– A inscrição da chapa do Jorge (Viegas) foi uma solicitação da CBM e teve também a assinatura das Federações de Portugal, das Filipinas e da África do Sul. Essa votação nos enche de orgulho, pois irá contribuir e fortalecer a parceria da FIM com o motociclismo brasileiro – declarou Alexandre Caravana, após a votação.

Além do presidente Vito Ippolito e do vice Jorge Viegas, também foram eleitos durante o 125º Congresso da FIM mais dois vice-presidentes da entidade: o australiano David White e Nasser Khalifa Al Atya, do Catar. O britânico David Francis e o sueco Stig Klemetz serão os auditores internos da entidade pelos próximos quatro anos, mesmo período do mandato da diretoria.

– Estou muito honrado com essa vitória, que significa uma vitória coletiva das Federações e das pessoas que trabalharam duro pelo plano estratégico e pela nova gestão durante os últimos quatro anos. Foi um trabalho de equipe, conduzido com transparência e grande motivação. Vamos continuar construindo juntos o destino da FIM – afirmou Ippolito.

Ex-presidente da Federação de Motociclismo da Venezuela, Vito Ippolito foi o primeiro não europeu eleito para a presidência da FIM, em 2006. Antes disso, ele também passou pelo cargo de vice-presidente, entre 1990 e 1996.