Jomar Grecco está com o título do EI 2016 praticamente garantido - foto: Leo Tavares

End. Independência 2016: Jomar Grecco com a mão no caneco

End_Ind_2016_cabeca

O vencedor da categoria Máster no terceiro dia do Enduro da Independência 2016 foi mais uma vez o capixaba Jomar Grecco, que repetiu invicto o resultado das etapas anteriores. Greco está praticamente com a mão na taça itinerante da competição que terá amanhã (7) o seu último dia. Em segundo chegou o piloto Gianino Coscarelli e Mário Vignate em terceiro, ambos mineiros.

Jomar Grecco está com o título do EI 2016 praticamente garantido - foto: Leo Tavares

Jomar Grecco está com o título do EI 2016 praticamente garantido – foto: Leo Tavares

Roteiro deste terceiro dia – 6/9

EI_2016_Mapa_ Dia 03

Para ver o resultado completo do terceiro dia,  clique aqui.

Como será o quarto e último dia do Enduro da Independência – 7/9

O último dia da 34ª edição do Enduro da Independência vai contar com 115 quilômetros de percurso no entorno da cidade de Curvelo. Vai ser um dia mais tranquilo, com previsão de poucos pontos perdidos para que os pilotos possam voltar e subir a rampa de chegada onde receberão a medalha de participação. Nem por isso, as trilhas e a navegação foram esquecidas.

O Enduro da Independência

O Enduro da independência nasceu em 1983, para recriar a última viagem de Dom Pedro I do Rio de Janeiro a Vila Rica, futura cidade de Ouro Preto no ano de 1822. A jornada, para unir a província das Minas Gerais, com crescentes rumores de revolta contra o trono e o futuro Imperador, foi feita em apenas 15 dias, entre 25 de março e 9 de abril, pelo leito do caminho que ficaria conhecido como “caminho novo” da Estrada Real. Assim que entrou em Vila Rica, o Imperador se dirigiu ao povo em um emocionado pronunciamento, com palavras que entrariam para a história.

“Briosos mineiros. Os ferros do despotismo rebentaram-se hoje nesta província. Sois livres. Sois constitucionais. Uni-vos comigo e marchareis constitucionalmente; confio tudo em vós, confiais em mim”. Com a província pacificada e apoio do povo brasileiro contra o domínio português, o caminho estava livre para a proclamação da independência do Brasil, embalado pelo famoso grito do Ipiranga, pouco tempo depois, em 7 de setembro de 1822.

O Enduro da Independência foi disputado pela primeira vez em 1983 recriando esta última viagem de Dom Pedro I a Minas Gerais, percorrendo cerca de 800 km, em 3 dias de duração, o mesmo caminho, às centenárias fazendas, vilas e pontos visitados pelo primeiro imperador do país junto com sua reduzida comitiva, pernoitando nas cidades de Barbacena e Ouro Preto. O enorme sucesso e repercussão da prova, certamente foi um dos responsáveis pela popularização e massificação do esporte no país, como uma espécie de divisor de águas, que encontrou em Minas condições excepcionais de desenvolvimento em função do relevo apropriado e da qualidade de seus praticantes.

Ao longo do tempo, o percurso do Enduro da Independência foi sendo adaptado em função da logística de organização, para acomodar uma caravana itinerante, composta por pilotos, apoios, mecânicos, organizadores, etc, com cerca de duas mil pessoas, em cidades sem estrutura para tanto, e também da descoberta de novas trilhas e alternativas em Minas Gerais, conservando sempre o espírito cívico e de patriotismo.

Separador_motos

Fonte: Corrosivo Filmes / Organização da competição



Mário Sérgio Figueredo

Motociclista apaixonado por motos há 42 anos, começou a escrever sobre motos como hobby em um blog para tentar transmitir à nova geração a experiência acumulada durante esses tantos anos. Sua primeira moto foi a primeira fabricada no Brasil, a Yamaha RD 50.