“Será um sonho realizado, todos almejam chegar um dia ao topo das competições, vencendo novos obstáculos”, afirmou Deni, que fará a sua estreia no Dakar.

Equipe Petrobras Lubrax confirma sua 25ª participação no Rally Dakar com novidades

A Equipe brasileira Petrobras Lubrax fará a sua 25ª participação no Rally Dakar cheia de novidades: um novo carro e estreia de piloto na categoria Motos. A dupla Jean Azevedo/Emerson Bina Cavassin contará com um veículo ainda mais competitivo nesta edição da maior prova off road do planeta, um Nissan Frontier. O carro veio atender às expectativas da equipe, que busca sempre a inovação e melhores resultados nas provas nacionais e internacionais que participa.

“Será um sonho realizado, todos almejam chegar um dia ao topo das competições, vencendo novos obstáculos”, afirmou Deni, que fará a sua estreia no Dakar.

“Será um sonho realizado, todos almejam chegar um dia ao topo das competições, vencendo novos obstáculos”, afirmou Deni, que fará a sua estreia no Dakar.

Reforçando o time na prova que terá início em janeiro, o catarinense Denisio do Nascimento (Honda 450) prova que já superou as dificuldades enfrentadas no Rally dos Sertões 2011 e já está pronto para o grande desafio do Dakar. “Será um sonho realizado, todos almejam chegar um dia ao topo das competições, vencendo novos obstáculos”, afirmou Deni, que fará a sua estreia no Dakar.

Embora novato, ele contará com a experiência de uma das equipes com mais participações no Rally Dakar. “Daremos toda a assistência necessária ao Denisio, confiando no trabalho que ele já vem fazendo durante o ano. Sabemos de seu empenho e sua luta para estar 100% apto a disputar o Dakar”, afirmou o piloto Jean Azevedo.

“Este será um Rally Dakar especial para nós. Afinal, 25 anos não é para qualquer um. Sempre fizemos questão de valorizar nosso esporte no Brasil e fazer parte desta evolução, com novo veículo e integrante, sem dúvida é motivo de muito orgulho”, contou André Azevedo, um dos responsáveis pela fundação e administração da equipe. André continuará pilotando o caminhão Tatra ao lado de Maykel Justo e de Mira Martinec, parceiro tcheco especializado na mecânica do peso-pesado. Maykel está ansioso para o início da competição. “Como eu não competi no último Rally dos Sertões, estou animado para fazer uma grande prova. Estou me preparando bastante fisicamente e a psicologicamente para o Rally Dakar”, contou.

Nesta edição do rali, 471 veículos de diversas nacionalidades disputarão a prova. De 1º a 15 de janeiro, 173 carros, 189 motos, 32 quadriciclos e 77 caminhões farão parte desta grande competição que agregou ainda, além da Argentina e o Chile, mais um país da América do Sul ao percurso, o Peru.

O rali mais difícil do mundo, não importa a região
“Este ano voltaremos a passar por San Rafael onde vamos enfrentar as primeiras dunas realmente complicadas nesta edição da prova. Novamente Fiambalá e Copiapó farão parte do roteiro e prometem serem responsáveis pelas etapas mais difíceis do rali este ano. Afinal, andaremos quatro dias na região de Copiapó, mas com a novidade que largaremos do Atlântico para chegarmos ao Oceano Pacífico!”, explica o experiente piloto Jean Azevedo. O navegador do carro, Emerson Cavassin, também concorda que este Dakar será ainda difícil. “Pelo que vi do roteiro divulgado pela organização, teremos muito mais etapas em areia do que pistas rápidas. Sem dúvida, será um rali bem duro, um verdadeiro fora de estrada!”, ressaltou.

Confira abaixo as etapas detalhadas do Rally Dakar 2012:
29 a 31 de dezembro
Verificações técnicas e administrativas em Mar Del Plata

1º de janeiro – domingo
Etapa 1: Mar Del Plata/Santa Rosa de la Pampa (Argentina)
Deslocamento: 796 km
Especial: 60 km

O balneário de Mar del Plata será palco para a cerimônia de apresentação ao público do rali em 31 de dezembro de 2011. Durante a curta especial do dia seguinte os competidores terão direito a uma paisagem de praia, quando as dunas servirão como um primeiro teste para a competição. Depois deste trecho cronometrado, os participantes do rali realizarão um grande deslocamento até a cidade de Santa Rosa de la Pampa.

2 de janeiro – segunda-feira
Etapa 2: Santa Rosa de la Pampa/San Rafael (Argentina)
Motos – quadriciclos – caminhões
Deslocamento: 486 km
Especial: 295 km
Carros
Deslocamento: 486 km
Especial: 290 km

A largada da segunda etapa acontecerá bem cedo e um grande deslocamento fará parte do dia até a chegada do trecho cronometrado. Na primeira metade da especial os competidores percorrerão pistas rápidas, exigindo bastante concentração. Em seguida eles passarão por uma série de dunas, diminuindo sensivelmente a velocidade. Em Nihuil, a pista mudará a sua coloração para tons de cinza, já que a região tem como herança uma intensa atividade vulcânica.

3 de janeiro – terça-feira
Etapa 3: San Rafael/San Juan (Argentina)
Motos – quadriciclos
Deslocamento: 293 km
Especial: 270 km

Carros – caminhões
Deslocamento: 293 km
Especial: 208 km

A Cordilheira dos Andes, presente em todo o Dakar 2012, irá impor todas as suas dificuldades aos pilotos. Na especial do dia muitas passagens por rios e pedras deverão ser evitadas. Sem dúvida, será um dia de bastante trabalho aos mecânicos após a especial. Já a altura e os relevos do trajeto oferecem paisagens suntuosas aos competidores, com variados tons de vermelho.

4 de janeiro – quarta-feira
Etapa 4: San Juan/Chilecito (Argentina)
Deslocamento: 388 km
Especial: 326 km

Rios secos no caminho e muita atenção. A navegação deverá ser precisa, pois terão muitas armadilhas no decorrer do trajeto. Segundo os organizadores, muitos participantes poderão ser eliminados na etapa de hoje.

5 de janeiro – quinta-feira
Etapa 5: Chilecito/Fiambalá (Argentina)
Motos – quadriciclos
Deslocamento: 151 km
Especial: 265 km

Carros – caminhões
Deslocamento: 246 km
Especial: 177 km

Nesta edição do rali, o percurso foi diferenciado para cada categoria. Entre os competidores de motos, estes deverão redobrar a atenção na planilha, a fim de evitarem erros. Também terão calafrios ao passarem por uma estreita pista na lateral de uma montanha, pouco antes de chegarem às dunas. Já o percurso para carros e caminhões será bem diferente, com mais areia.

6 de janeiro – sexta-feira
Etapa 6: Fiambalá (Argentina)/Copiapó (Chile)
Deslocamento: 394 km
Especial: 247 km

O verão austral reservará algumas surpresas. Por exemplo, as temperaturas negativas complicarão a vida dos pilotos que chegarão à noite na subida até o Paso de San Francisco, onde cruzarão a fronteira a mais de 4700 metros de altura. No Chile, a especial acontecerá em solo duro, com a brutal aridez do Deserto de Atacama.

7 de janeiro – sábado
Etapa 7: Copiapó/Copiapó (Chile)
Deslocamento: 154 km
Especial: 444 km

O peso dos quilômetros acumulados desde Mar Del Plata começará a ser sentido pelos competidores, principalmente no momento em que cruzarão uma grande cadeia de dunas. O começo da especial terá pistas em meio a colinas e cactos, que parecem inofensivos. Felizmente, o regulamento autoriza que os veículos podem se apresentar no acampamento até às 18h do dia de descanso.

8 de janeiro – domingo
Descanso

9 de janeiro – segunda-feira
Etapa 8: Copiapó/Antofagasta (Chile)
Deslocamento: 209 km
Especial: 477 km

Nesta altura da competição o número de competidores terá sido drasticamente reduzido. Neste dia acontecerá a maior especial do rali com pistas cheias de pedras que levarão os participantes até Antofagasta.

10 de janeiro – terça-feira
Etapa 9: Antofagasta/Iquique (Chile)
Deslocamento: 9 km
Especial: 557 km

Uma etapa com duas paisagens que seguem ao norte do continente, entre oceanos e montanhas. A programação do dia está separada por um trecho neutralizado. No início da especial os competidores passarão por canyons e as pistas terão a vegetação do tipo fesh-fesh. Já na segunda parte o talento dos navegadores será exigido, com poucas referências na planilha e desta forma manterem mais atenção aos dados do GPS.

11 de janeiro – quarta-feira
Etapa 10: Iquique/Arica (Chile)
Deslocamento: 317 km
Especial: 377 km

Logo cedo os pilotos terão fortes emoções. No começo da especial contarão com uma vista espetacular, que mesclará areia e ondas durante vários quilômetros. No final do dia, mais uma vez os competidores passarão por regiões de fesh-fesh.

12 de janeiro – quinta-feira
Etapa 11: Arica (Chile)/Arequipa (Peru)
Motos-quadriciclos
Deslocamento: 171 km
Especial: 538 km

Carros
Deslocamento: 120 km
Especial: 478 km

Caminhões
Deslocamento: 120 km
Especial: 432 km

No primeiro dia de Dakar no Peru, alternância de trechos de terra e zonas entrecortadas por rios. Etapa sem assistência para motos e quadriciclos, dificultando a vida destes competidores.

13 de janeiro – sexta-feira
Etapa 12: Arequipa/Nasca (Peru)
Motos – quadriciclos
Deslocamentos: 259 km
Especial: 246 km

Carros – caminhões
Deslocamentos: 440 km
Especial: 246 km

Somente um voo na região para admirar as belas linhas de Nasca, figuras enigmáticas construídas no solo há mais de 2000 anos. As zonas de dunas foram repartidas de forma igualitária, mas uma em especial será lembrada pelos competidores, pois marcou também a equipe de levantamento da planilha do rali. São cerca de 20 quilômetros de dunas, sem interrupção, transportando os competidores a uma nova “dimensão”.

14 de janeiro – sábado
Etapa 13: Nasca/Pisco (Peru)
Deslocamento: 76 km
Especial: 276 km

Muitas dunas nesta parte do país. Elas irão garantir a decisão do rali até o final da prova. Travessia de dunas aliada ao cansaço dos dias do rali recordarão aos competidores o que significa resistência extrema.

15 de janeiro – domingo
Etapa 14: Pisco/Lima (Peru)
Deslocamento: 254km
Especial: 29 km

Na curta especial até a chegada, as pistas e dunas irão divertir os competidores, que não devem se descuidar. No centro da capital peruana, os herois da edição 2012 serão conhecidos e recebidos com uma grande festa. O desafio foi cumprido: ficam imagens, sensações e a marca da experiência inigualável.

Sobre a Equipe Petrobras Lubrax

Pioneira no esporte, a Equipe Petrobras Lubrax ficou conhecida por ter sido a primeira a ter participado do Rally Dakar, em 1988. Com o passar dos anos ela manteve a sua evolução e hoje é a única equipe do mundo a competir o Dakar em três categorias simultaneamente: moto, carro e caminhão. Também possui o maior número de vitórias no Rally dos Sertões: dez no total. Atualmente, a Equipe Petrobras Lubrax compete nas principais provas nacionais e internacionais, conquistando sempre resultados de excelência e representando com seriedade e dedicação o seu país.

A Equipe Petrobras Lubrax tem patrocínio da Petrobras, Petrobras Distribuidora, CCR NovaDutra, Prefeitura Municipal de São José dos Campos, Mercedes-Benz Caminhões e apoio da Renov, BorgWarner, Mahle, Capacetes Bieffe, Sparco América Latina, Fazenda Real, Eye to Eye, SCHIO, Pro Tork, Inmarsat e Artfix.