Portal no início da Estrada da Graciosa, logo que se sai da BR-116

Estrada da Graciosa, um pedaço do paraíso na terra

Portal no início da Estrada da Graciosa, logo que se sai da BR-116

Portal no início da Estrada da Graciosa, logo que se sai da BR-116

A Estrada da Graciosa, como é conhecida a Rodovia PR-410, é uma estrada pertencente ao governo do Paraná que utiliza a antiga rota dos tropeiros em direção ao litoral do Estado, interligando a capital Curitiba às cidades de Antonina e Morretes.

Por atravessar o trecho mais preservado de Mata Atlântica do Brasil, marcado pela mata tropical e pelos belos riachos que nascem na Serra do Mar, sendo o principal deles o Rio Nhundiaquara com suas águas cristalinas, em 1993, parte do trecho da Serra foi declarada pela Unesco como Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Na região, existem dois importantes parques estaduais: o Parque Estadual da Graciosa e o Parque Estadual Roberto Ribas Lange.

A estrada mescla piso asfaltado e os originais paralelepípedos da época da sua construção

A estrada mescla piso asfaltado e os originais paralelepípedos da época da sua construção

Morretes é uma cidade turística do Estado do Paraná, encravada no meio da belíssima paisagem da Serra do Mar e a Estrada da Graciosa é o melhor, mais curto, mais barato (não pedagiada) e mais prazeroso caminho para se chegar lá a partir de Curitiba (70 km), passando também pelo município de Quatro Barras.

Datam do início do século XVIII as primeiras notícias sobre a pioneira Trilha da Graciosa, que deu origem ao trajeto. As obras de construção da estrada foram concluídas em 1873, tendo sido iniciadas logo após a criação da Província do Paraná, por ordem do seu primeiro presidente. Até a metade do século XX, a Estrada da Graciosa permaneceu como única estrada pavimentada do Estado, sendo importante rota de escoamento da produção agrícola (café, erva-mate e madeira) do Paraná rumo aos Portos de Paranaguá e Antonina, outra cidade turística paranaense, distante a apenas 15 km de Morretes.

Por estar tão perto da capital paranaense a Estrada da Graciosa é passeio constante dos motociclistas curitibanos e, basta passar apenas uma vez por lá para descobrir o por quê. Suas curvas abundantes são apaixonantes, isso somado à exuberante paisagem verde formada pela grande variedade de plantas que compõem a mata atlântica, a quantidade de rios e cachoeiras próximas ao leito da estrada e ao grande número de recantos com churrasqueiras e sanitários em toda a extensão da parte de serra, que lotam nos finais de semana com famílias fazendo churrasco e se confraternizando.

Trecho da estrada com paralelepípedos do século XVIII

Trecho da estrada com paralelepípedos do século XVIII

Dos vários rios do trajeto, o principal é o Nhundiaquara que, em vários pontos ao lado da estrada, oferece e convida para um mergulho em suas águas frias e transparentes. Até uma pesca de lambari pode ser incluida no programa. O principal “balneário” do rio localiza-se num lugarejo chamado Porto de Cima, onde há uma ponte centenária que só permite a passagem de um carro ou moto de cada vez. De cima da ponte tem-se a visão de famílias banhando-se ou praticando o que chamam de “boiacross”, que é a descida do rio flutuando em câmaras de ar de automóveis.

Em todo o trajeto é farta é a existência de bancas, quiosques, lanchonetes e restaurante que comercializam produtos e a comida típicos da região, como farinha de mandioca, cachaça e doces de banana e o delicioso barreado, prato herdado da cultura dos antigos tropeiros que faziam a rota Paranaguá-Curitiba transportando produtos em lombo de mulas.

A bela e bucólica cidade de Morretes, cortada pelo Rio Nhundiaquara

A bela e bucólica cidade de Morretes, cortada pelo Rio Nhundiaquara

 

Ao final da estrada chega-se a Morretes que data de 1721, quando foi fundada como povoado, passando a município apenas em 1841. A cidade é cortada pelo Rio Nhundiaquara e oferece uma paisagem bucólica e nostálgica, com seu coreto na praça central, os casarões e palmeiras do tempo do império e ruas ainda com o pavimento secular. Aos turistas são oferecidos ótimos restaurantes como o Madalosso, que serve o tradicional barreado acompanhado de peixe frito e camarões, por R$ 40,00 por pessoa, mas também tem restaurantes mais modestos para quem não quer gastar muito, como o anexo ao Posto Robassa na saída para Paranaguá, onde é possível comer peixe frito no sistema self-service, por módicos R$ 15,00 por pessoa.

Em determinadas épocas do ano o trajeto é todo adornado por milhares de hortências floridas

Em determinadas épocas do ano o trajeto é todo adornado por milhares de hortências floridas

Se estiver com tempo sobrando, há ainda a opção de ir até Antonina, cidade histórica datada de 1648 (15 km de morretes – fundos da baia de Paranaguá) ou Guaraqueçaba (80 km de estrada não pavimentada – tentadora para quem tem moto trail).

Até 1969 a Estrada da Graciosa era a única ligação rodoviária da capital com o litoral paranaense, por onde trafegavam todos os caminhões com destino ao porto de Paranaguá; ferraduras como essa exigiam manobras complicadas dos grandes caminhões da época

Até 1969 a Estrada da Graciosa era a única ligação rodoviária da capital com o litoral paranaense, por onde trafegavam todos os caminhões com destino ao porto de Paranaguá; ferraduras como essa exigiam manobras complicadas dos grandes caminhões da época

Em sua próxima viagem ao sul do país, não deixe de incluir a Estrada da Graciosa no seu roteiro, pois será um passeio encantador e inesquecível. Se o seu destino for Santa Catarina, a Estrada da Graciosa serve como caminho alternativo, passando pelas cidades de Matinhos e Guaratuba (ferry-boat), pegando a BR-101 na cidade de Garuva (SC).

A paisagem fica, mas a imagem e o prazer são gravados na mente e no coração

A paisagem fica, mas a imagem e o prazer são gravados na mente e no coração

A foto foi tirada numa segunda-feira, mas nos finais de semana é grande a concentração de motociclistas que optam por simplemente descer e subir a Estrada da Graciosa

A foto foi tirada numa segunda-feira, mas nos finais de semana é grande a concentração de motociclistas que optam por simplemente descer e subir a Estrada da Graciosa

Recanto às margens do Rio Nhundiaquara, tentador convite para um mergulho

Recanto às margens do Rio Nhundiaquara em Porto de Cima, tentador convite para um mergulho

 

Localize-se

Localize-se

Caminho alternativo para pegar a BR-101 a partir de Morretes; inclui a travessia da Baia de Guaratuba a bordo de um ferry-boat

Caminho alternativo para pegar a BR-101 a partir de Morretes; inclui a travessia da Baia de Guaratuba a bordo de um ferry-boat

 



Mário Sérgio Figueredo

Motociclista apaixonado por motos há 42 anos, começou a escrever sobre motos como hobby em um blog para tentar transmitir à nova geração a experiência acumulada durante esses tantos anos. Sua primeira moto foi a primeira fabricada no Brasil, a Yamaha RD 50.