Evolução Tecnológica: Freios ABS já estão Disponíveis em Motocicletas de Média Cilindrada

Até 2009, tecnologia só estava presente em veículos de alta cilindrada

Os freios ABS, antigamente restritos a motos de alta cilindradas, agora já é encontrado em outras linhas, mais econômicas, de motocicletas. E a tendência é popularizar o produto ainda mais. “A ideia é trazermos esse sistema também para as motos de entrada. Isto será possível de acordo com o crescimento do volume em motocicletas de média cilindrada”, afirmou o engenheiro da Moto Honda, Alfredo Guedes, no último painel do II Workshop Abraciclo – Especial Segurança, realizado dia 20 de maio, que tratou das novas tecnologias implantadas nas motocicletas visando proporcionar maior segurança ao condutor e as tendências para o segmento.

A tecnologia ABS ganhou destaque porque evita o travamento das rodas em situações de emergência.

 “O sistema facilita muito a frenagem para o motociclista que faz o uso da motocicleta no dia a dia (piloto não profissional), proporcionando mais segurança ao condutor”, explica Guedes.

Condutor e Tecnologia

De qualquer forma, apesar das evoluções tecnológicas, o gerente institucional do CESVI Brasil, Eduardo Santos, alerta para a necessidade de cursos voltados para o comportamento do motociclista.

“Os condutores precisam entender como essas tecnologias funcionam, como podem auxiliá-lo no dia a dia nas cidades e na qualidade de vida do trânsito”, acrescenta Santos.

Meio Ambiente

“A evolução na tecnologia das motos ajudaram também na redução de emissões. O processo foi muito mais rápido no setor de Duas Rodas do que no do automóvel”, afirma Guedes.

Além de sistema de segurança, diante da preocupação com o meio ambiente, os fabricantes vêm aperfeiçoando também as “tecnologias verdes”.

“Em 2009, as motocicletas alcançaram os mesmos índices de emissões que os carros. Infelizmente, grande parte da população ainda desconhece que a motocicleta também cumpre com a legislação de emissões (PROMOT) e continuam com conceitos que não condizem com a realidade atual”, conclui Guedes.