Exportação de motos aumenta 129%

A ind£stria de duas rodas registrou um recorde de exporta‡äes em junho, com o crescimento de 343% em compara‡Æo com o mesmo mˆs do ano passado.

Em 2002 foram comercializadas 3,71 mil unidades contra 12,73 mil em 2003, de acordo com dados da Abraciclo- Associa‡Æo Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas. O desempenho das exporta‡äes no semestre foi superior 129,1% a igual per¡odo de 2002. Foram exportadas, no acumulado, 40,38 mil motocicletas contra 17,62 mil comercializadas, no ano passado, para o mercado externo.

A Moto Honda cresceu 130,4% no volume de exporta‡äes no semestre, com um salto de 16,17 mil unidades para 37,26 mil motocicletas em 2003. A outra fabricante de motos, Yamaha, tamb‚m instalada na Zona Franca de Manaus, teve um incremento de 114,5% nas comercializa‡äes para o exterior, passando de 1,45 mil unidades para 3,12 mil motocicletas.

O executivo da Abraciclo, Franklin de Melo Neto, disse que o fortalecimento dos mercados j  conquistados pelos produtos nacionais, como os Estados Unidos e M‚xico, foi um dos motivos para o desempenho tÆo positivo nesse per¡odo. Em junho, as fabricantes iniciaram as exporta‡äes para pa¡ses da Europa, o que elevou o volume de produtos comercializados para o exterior no mˆs passado. A perspectiva do setor ‚ de que essas exporta‡äes sejam acentuadas a partir de 2004. Atualmente, o Brasil exporta 10% do que ‚ produzido no setor de duas rodas. A meta ‚ de que em 2005, haja uma produ‡Æo de 1,5 milhÆo de motocicletas, dessas 15% serÆo direcionadas para o com‚rcio exterio.

As duas principais fabricantes de motocicletas anunciam investimentos e amplia‡äes nas plantas fabris e estÆo com todo vigor para “abocanhar” uma fatia do mercado mundial. As altas taxas de juros praticadas no mercado desestimularam o crescimento interno do setor de duas rodas. A proje‡Æo inicial do setor era de incrementar o desempenho em 25%, comparado ao ano passado, mas pela inviabilidade econ“mica do CDC- Cr‚dito Direto ao Consumidor, mecanismo facilitador para aquisi‡Æo de ve¡culos, a estimativa da ind£stria de duas rodas caiu para 15% de acr‚scimo nos neg¢cios, em rela‡Æo a 2002.

Mesmo com a redu‡Æo nas perspectivas de neg¢cios, o ¡ndice ‚ considerado pelo IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estat¡stica como o maior no crescimento individual entre os setores, conforme informou o diretor-executivo.

Franklin de Melo Neto explicou que o cons¢rcio ‚ hoje o principal meio para a compra das motocicletas, com 55% de participa‡Æo nas transa‡äes comerciais. No mercado interno, foram comercializadas 436,85 mil motocicletas, enquanto no ano passado foram 388 mil unidades. De janeiro a junho, a Honda comercializou 375, 54 mil unidades, fechando com um crescimento de 10,7%, em rela‡Æo a igual per¡odo de 2002. A Kasinski, por outro lado, revelou uma queda de 26,3% nos seis meses.