Foto: Giovanni Morando

EXTRA! TESTE EXCLUSIVO DA HONDA CRF 230

Foto: Giovanni Morando

Foto: Giovanni Morando

Nesta ter‡a-feira, dia 29, os jornalistas especializados testarÆo a nova Honda CRF 230 na pista da Honda em Indaiatuba, SP, mas vocˆ saber  tudo sobre esta moto em primeira mÆo, como sempre, aqui no Motonline. Este teste da Honda CRF 230 foi realizado na It lia, pelo jornalista e piloto de teste Giovanni Morando. A moto ‚ feita no Brasil e exportada para a EUA e Europa, onde recebe o codinome Easy (f cil, em inglˆs). NÆo estranhe a narrativa, mas na terra de Dante os jornalistas gostam de escrever testes como se fosse uma hist¢ria. Ah, e tamb‚m nÆo estranhe, porque l  na It lia essa moto pode ser emplacada e rodar nas ruas.

Honda CRF 230, uma fiel companheira

Por tr s da sigla CRF 230 na realidade se esconde uma moto de car ter forte. NÆo teme nada nem ningu‚m. Na cidade se comporta melhor que um scooter, c“moda e relaxante nos deslocamentos extraurbanos e, fant stica no fora-de-estrada. Uma moto para iniciante com alma de verdadeira esportiva.

Se vocˆ procura uma companheira fiel, que nÆo te abandona nunca e te segue em qualquer aventura, sem que exija muita habilidade, entÆo na Honda CRF 230 pode encontrar aquilo que quer. Divertida, mane vel e verdadeiramente ao alcance de todos, esta pequena Honda nÆo tem do que invejar …s irmÆs maiores. A capacidade de adaptar-se a qualquer situa‡Æo ‚ seu ponto forte. Sem mostrar nenhuma incerteza divide-se do trƒnsito, vias ou a estrada de uma grande metr¢poli ao fora-de-estrada intenso dos mais desesperados.

EXTRA! TESTE EXCLUSIVO DA HONDA CRF 230Uma jornada ideal desta pequena monocil¡ndrica pode ser esta: sai-se com ela da garagem bem cedo para ir … escola, espera-se ansiosamente tocar o sinal e tchau, volta pra casa driblando com agilidade o trƒnsito ca¢tico da hora do almo‡o. Uma r pida refei‡Æo e sai-se de novo para uma volta com os amigos pelas montanhas com um deslocamento de 50 km e 100 km de trilhas. Volta-se para casa cansado, mas satisfeito. Por‚m a jornada nÆo termina assim.

Depois de uma lavagem cuidadosa, parte-se com os amigos para um encontro tomar um belo sorvete. Neste ponto a jornada termina e entÆo a moto vai direto pra garagem para recuperar as energias porque amanhÆ ‚ domingo e vamos … praia.

A Easy 230 se revela um ve¡culo ideal para todos os usos. Na cidade se comporta melhor que um scooter, banco baixo, dimensäes reduzidas e sobretudo suspensäes de longo curso te permite deslocamentos r pidos, c“modos entre as ruas esburacadas das cidades. No fora de estrada nÆo tem nada que invejar das motos “especialistas”, a facilidade de uso permite a todos escalar as montanhas mais exigentes para descobrir panoramas inalcan‡ veis.

A nossa aventura no banco desta pequena monocil¡ndrica come‡ou pensando em fazer uma volta tranqila e um completo relax no fora-de-estrada, mas a curiosidade de ver como a 230 respondia as solicita‡äes sempre mais fortes. Sem saber at‚ onde pod¡amos exigir, come‡amos em um degrau mais baixo, mas vendo as ¢timas rea‡äes da “hondinha” t¡nhamos, de repente, enfrentado as trilhas mais exigentes que normalmente percorremos com as motos especiais. E aqui a grande surpresa. Quanto mais o percurso se tornava dif¡cil, mais a pequena 230 mostrava uma vida f cil.

A pequena altura do banco ao solo (872mm), o peso reduzido (107 kg) e um motor que nÆo te coloca em roubadas fazem apreciar os percursos que com outras motos, mais “perform ticas” tent vamos fazer com dificuldade.

Um cora‡Æo doce, mas com muito entusiasmo. Basta uma leve pressÆo no botÆo de partida e o motor come‡a a funcionar. A partida ‚ sempre r pida, tamb‚m nas situa‡äes mais cr¡ticas. O som “educado” (na Europa a 230 ‚ equipada com silenciador) na realidade esconde um motor com grande car ter. Seus dotes nÆo vÆo aparecer no desempenho absoluto, mas na facilidade de gerenciar situa‡äes mais cr¡ticas e na economia de uso. Redonda, fluida na distribui‡Æo de potˆncia do pequeno monocilindro, permite sair-se de qualquer situa‡Æo com desenvoltura. O cƒmbio de seis marchas tem o escalonamento acertado. As primeiras sÆo curtas e pr¢ximas para permitir ao motor estar sempre no ponto com o cƒmbio, enquanto a quinta e sexta marchas se alongam pra permitir uma velocidade de cruzeiro excelente nos deslocamentos.

Destac vel o bom trabalho do sistema de freios, caracterizado por dois discos de 240 mm (no Brasil apenas um disco), mordidos por pin‡as Nissin. Portanto, pra quem tem destacado esp¡rito de aventura e ao mesmo tempo nÆo quer renunciar de uma moto para os deslocamentos di rios, a Honda CRF 230 Easy ‚ a moto ideal: simp tica, f cil de pilotar, econ“mica (tanque de 8,2 litros), valente sÆo alguns dos dotes desta Easy que certamente vai te conquistar.

Teste: Giovanni Morando. Tradu‡Æo: Tite. Agradecimento: www.xracer.net

Ficha T‚cnica
Motor – 4 tempi OHC, duas v lvulas
Arrefecimento – a ar
Sistema el‚trico – 12V-4Ah, farol 35W
Diƒmetro e Curso – 65,5 x 66,2 mm.
Cilindrada – 223 cm 3
Taxa de compressÆo – 9,0 : 1
Carburator – KEIHIN 28 mm.
Potencia – 19,3 CV / 8.000 rpm.
Torque – 1,92 Kgf.m / 6.500 giri min.
Igni‡Æo – CDI
Partida – El‚trica
Cƒmbio – 6 marchas
TrasmissÆo Final – Corrente 520

Dimensäes (CxLxA) – 2.065 x 820 x 1.160 mm.
Entre-eixos – 1.385 mm.
Altura do banco – 880 mm.
VÆo Livre ao solo – 330 mm.
Capacidade tanque- 8,2 litros
Pneu Dianteiro – 90/90 – 21″ MT 320
Pneu Traseiro – 120/90 – 18″
SuspensÆo Dianteira – Garfo telesc¢pico, 37 mm.
SuspensÆo Traseira – Pro-Link com monoamortecedor Showa
Freio dianteiro – A disco  240 mm.
Freio traseiro – a tambor  130 mm.
Peso a Seco – 107 Kg.

Dispon¡vel na cor vermelha, a CRF 230F tem pre‡o p£blico sugerido de R$ 9.963,00, base no Estado de SÆo Paulo, e nÆo inclui despesas de frete e seguro.