Falta educação

Falta educação

Falta educação

Ao contr rio do governo, fabricantes de motos investem cada vez mais na seguran‡a com cursos de aperfei‡oamento no trƒnsito como forma de conter acidentes.

 fato! Nunca a motocicleta foi palco de tantas discussäes como atualmente. Um dos motivos ‚ que em meio …s polˆmicas que vÆo e voltam ao tema “seguran‡a”, nos £ltimos meses o que se viu foi uma verdadeira enxurrada de propostas do governo que mais pareceram querer dificultar a vida dos motociclistas ao inv‚s de facilit -la. Com a desculpa de trazer maior seguran‡a … categoria, regulamenta‡äes e mais regulamenta‡äes do Contran (Conselho Nacional de Trƒnsito) tornaram a vida de muitos uma verdadeira loucura nos £ltimos meses.
No entanto, ao mesmo tempo em que essas medidas surgiram, pouco se investiu na forma‡Æo correta de novos condutores, esta sim, a principal causa de acidentes de motos ocorridos no Brasil, segundo levantamento dos ¢rgÆos p£blicos. “Hoje o curso para se tirar a habilita‡Æo de moto nÆo prepara ningu‚m h bil o suficiente para enfrentar o trƒnsito dos grandes centros urbanos, e este ‚ um dos principais problemas”, diz Lucas Pimentel, presidente da Associa‡Æo Brasileira de Motociclistas ABRAM).

Para ele, o investimento nessa  rea poderia trazer muitos benef¡cios para a classe, e, claro, mais seguran‡a. “Vejo que ‚ necess rio criar algo mais espec¡fico para o aprendizado correto de motociclistas. J  at‚ se discute o aprimoramento desse processo no Contran”, informa Pimental

Na contramÆo de toda essa polˆmica estÆo as montadoras, que nos £ltimos anos passaram a investir cada vez mais na seguran‡a com cursos de aperfei‡oamento de pilotagem com o objetivo de conter acidentes. “Todas essas novas propostas surgiram com a desculpa de dar mais seguran‡a ao motociclista. No entanto, a moto nÆo ‚ uma arma, ela nÆo mata ningu‚m sozinha”, diz Marcelo Torres, respons vel pelo novo centro de pilotagem da Honda, o CETH (Cento Educacional de Trƒnsito Honda), em Recife (PE).

Investindo no futuro
Atualmente a Honda mant‚m dois centros de pilotagem, um em Indaiatuba, que responde por toda regiÆo sul, sudeste e centro-oeste do pa¡s, e uma outra unidade em Recife, inaugurada em 2006 e respons vel por atender as regiäes norte e nordeste do Brasil. Com investimento de R$ 25 milhäes, esta nova unidade ‚ a prova de que as grandes marcas vˆm investindo cada vez mais em prol da seguran‡a do motociclista.
Com uma  rea total de mais de 100.000 mý, o CETH de Recife est  dividido em trˆs partes distintas, no que se refere aos cursos de pilotagem: a primeira de 700 m2, direcionada, entre outras fun‡äes, para a realiza‡Æo das aulas te¢ricas; a segunda, uma  rea externa de 30 mil m2 para a aplica‡Æo da parte pr tica do curso; e a terceira, com 90 mil m2, onde est  localizada a pista de terra, reservada … pilotagem em vias nÆo pavimentadas, trilhas e motocross.
Por l  os alunos aprendem t‚cnicas de pilotagem em diferentes situa‡äes que simulam exatamente os tipos de problemas encontrados no dia-a-dia dos grandes centros urbanos, como pista escorregadia e at‚ fechadas.

Os cursos estÆo focados para instrutores da Rede, ¢rgÆos governamentais, frotistas e o p£blico final, este £ltimo atrav‚s das redes de concession rias. Nas aulas te¢ricas sÆo distribu¡dos materiais did ticos compostos por apostilas, fita de v¡deo e folhetos com todas as informa‡äes necess rias, desde o funcionamento da motocicleta at‚ instru‡äes de como se fazer uma curva, por exemplo. De acordo com a Honda, desde o inicio do CETH Recife, em novembro de 2006, at‚ hoje, mais de 2.206 pessoas j  se formaram. “Nosso trabalho dentro do CETH ‚ fazer o motociclista ter consciˆncia para utilizar a moto de forma correta, evitando acidentes”, completa Marcelo Torres.

Outra montadora que mant‚m um sistema parecido realizando cursos para o p£blico final e para corpora‡äes h  v rios anos ‚ a Yamaha, com o CPY (Centro de Pilotagem Yamaha). Com grupos formados pelas redes de concession rias, o curso da Yamaha funciona em dois m¢dulos: um mais b sico, para pessoas que nÆo tˆm habilita‡Æo de moto, e outro um pouco mais avan‡ado, dirigido a pessoas que j  tˆm a CNH, mas querem aperfei‡oar a pilotagem. Ambos os cursos sÆo ministrados em duas bases geridas em Guarulhos e Recife, e respons veis por atender o Brasil inteiro. O objetivo principal ‚ basicamente o mesmo, focar a utiliza‡Æo da moto de forma prudente e com seguran‡a, seja no on-road ou no off-road. “Tentamos passar toda nossa experiˆncia com base na conscientiza‡Æo, na utiliza‡Æo da moto de forma racional, e nÆo agressiva. Assim, procuramos mostrar o limite de cada um ao guidÆo de uma moto, ou seja, preparar cada aluno para sair com seguran‡a de situa‡äes como uma freada repentina, pista desnivelada ou at‚ mesmo um fechada”, informa Jos‚ Roberto Favaro, instrutor de pilotagem do CPY.
Para as associa‡äes de motociclistas, estas iniciativas promovidas por grandes montadoras, poderiam ser a melhor forma de conter acidentes, ao contr rio de novas leis e resolu‡äes propostas por governantes. “O investimento nesses cursos de pilotagem por parte do governo poderia ser uma forma muito mais eficaz na conten‡Æo de mortes envolvendo motociclistas, ao contr rio de certas leis que estÆo sendo propostas, como a proibi‡Æo da circula‡Æo em determinadas vias de SÆo Paulo”, diz Lucas Pimentel, presidente da ABRAM. “A nosso ver, se fosse feito um trabalho mais s‚rio de educa‡Æo no trƒnsito por parte do governo entre motociclistas e motoristas, o n£mero de acidentes diminuiria bastante. O que falta ‚ mais educa‡Æo”, finaliza Pimentel.