Foto: Camilo Cola Neto, presidente da Garinni

Garinni muda gestão e se reestrutura para crescer

Foto: Camilo Cola Neto, presidente da Garinni

Foto: Camilo Cola Neto, presidente da Garinni

Comprada pelo Grupo Itapemirim, a mais nova de todas as marcas que fabricam motocicletas no Brasil sofre completa mudan‡a estrutural, abre nova f brica, muda linha de produtos, troca a diretoria e aplica novo modelo de gestÆo para manter-se competitiva e aumentar sua participa‡Æo em 2008.

Com sua linha de scooters e motocicletas reformulada, uma nova administra‡Æo e a estrutura industrial e comercial redimensionadas, a Garinni Motors est  estabelecendo novas bases de atua‡Æo para poder ganhar espa‡o no concorrido mercado brasileiro a partir do in¡cio de 2008.

Adquirida pelo grupo Itapemirim, maior grupo empresarial de transporte de passageiros da Am‚rica Latina, a Garinni montou uma nova  rea industrial no PIM (P¢lo Industrial de Manaus – AM) com 5 mil mý e adquiriu tamb‚m outra  rea para armazenamento, com 3 mil mý. Nesta nova f brica, a Garinni possui duas linhas de montagem, com capacidade instalada para produzir mensalmente at‚ 5 mil unidades de motocicletas e scooters.

Os investimentos feitos j  superam 15 milhäes de d¢lares. “Investimos at‚ agora para estabelecer a nova f brica da Garinni, com a compra de novos equipamentos, constru‡Æo, contrata‡Æo e treinamento de mÆo-de-obra e capital de giro para come‡ar a produzir a nova linha 2008″, explica Camilo Cola Neto, presidente da Garinni Motors.

A reestrutura‡Æo da empresa foi necess ria para que a Garinni pudesse tornar-se mais competitiva. Segundo Julio de Almeida, diretor industrial da Garinni, a opera‡Æo era terceirizada em Manaus, e isso tornava qualquer necessidade de mudan‡a no processo de montagem mais demorado. “Consideramos agilidade uma condi‡Æo fundamental para crescermos no mercado brasileiro”, ressalta Almeida.

Parte do investimento tamb‚m est  sendo direcionado para a abertura de um novo escrit¢rio comercial e de p¢s-vendas em SÆo Paulo (SP) e de um armaz‚m de pe‡as em Vit¢ria (ES). Toda esta reestrutura‡Æo conta com o a participa‡Æo de 180 funcion rios diretos, entre f brica, armaz‚m e  rea administrativa, comercial e de p¢s-vendas. “Estamos fazendo todo o esfor‡o para melhorar nossa gestÆo e ter melhor controle sobre toda a opera‡Æo da Garinni”, justifica Camilo Neto.

A linha 2008 de motocicletas e scooters come‡arÆo a ser montados na nova f brica da Garinni em fevereiro de 2008 e imediatamente deverÆo ser distribu¡dos para os 40 pontos de venda da marca espalhados pelo Brasil. “Alguns modelos sÆo versäes atualizadas de produtos que j  estavam na linha e outros sÆo modelos novos que estamos trazendo para o mercado brasileiro e que acredito terÆo grande sucesso”, diz Edson Messora, gerente comercial da Garinni.

O principal parceiro da Garinni ‚ a Qian Jiang (QJ), uma das cinco maiores fabricantes de motocicletas do mundo, que exporta mais de 300 mil unidades para diversos pa¡ses do mundo. A QJ ‚ propriet ria da f brica italiana Benelli e seus produtos sÆo vendidos em mercado maduros e concorridos, como pa¡ses da Europa, µsia e Estados Unidos. Al‚m da QJ, a Garinni tem parceria para fornecimento da Jianshe e da CF Motos.

A Garinni est  nacionalizando alguns componentes, como pneus, bateria, sinaleiras, cavalete e buzina. Com o crescimento da produ‡Æo, a empresa pretende aumentar o n£mero de pe‡as nacionais. “O processo de nacionaliza‡Æo dos componentes de uma motocicleta pode ser muito r pido j  que em Manaus estÆo instalados mais de 40 ind£strias fornecedoras para o p¢lo de duas rodas que l  est “, informa Almeida.

O plano da Garinni para 2008 ‚ produzir e vender 30 mil unidades de seus 8 modelos de motocicletas e scooters. “Teremos tamb‚m um modelo de quadriciclo (ATV – All Terrain Vehicle) que ser  importado”, informa Camilo Neto. A Garinni tamb‚m planeja abrir mais pontos de venda e acredita que estar  com cerca de 150 pontos de venda abertos em todo o Pa¡s no final de 2008.