Guzzi V7 Classic - A volta de um mito

Guzzi V7 Classic – A volta de um mito

Guzzi V7 Classic - A volta de um mito

Italiana Moto Guzzi traz de volta ao mercado seu modelo de maior sucesso da d‚cada de 70.

A V7 Classic se destaca pelo visual retr“ e pelo motor V-Twin de 744 cmü.

A £ltima edi‡Æo do SalÆo de MilÆo, realizada em novembro de 2007, foi um verdadeiro show de lan‡amentos e tecnologia para os aficionados pelo mundo das duas rodas. No meio de todo esse alvoro‡o, no entanto, um modelo em especial talvez tenha ati‡ado um pouco mais a curiosidade dos visitantes por seu estilo nada ortodoxo para os padräes atuais. Tratava-se da V7 Classic, da marca italiana Moto Guzzi, uma motocicleta com estilo retr“ de linhas cl ssicas no melhor do estilo anos 70. Mas antes de contar sobre essa bela “novidade”, vale a pena algumas linhas de hist¢ria.

Criada pelo projetista Giulio Cesare Carcano no final da d‚cada de 60, a V7 foi, na verdade, um dos modelos de maior sucesso da Moto Guzzi. Lan‡ada com motor de 703 cmü, a motocicleta ganhou destaque na ‚poca por marcar a estr‚ia dos motores V-Twin transversais da fabricante no mercado mundial. Sucesso de vendas em todo mundo, a V7 tamb‚m trouxe de volta o reconhecimento para a marca italiana criada por Carlo Guzzi e Giorgio Parodi em 1921. O modelo era o objeto de desejos de todo motociclista, verdadeiro ¡cone dos jovens no in¡cio dos anos 1970.

Agora, quase 40 anos depois, o mito est  de volta. · primeira vista, nada mudou na nova V7 Classic. A impressÆo ‚ que tudo permanece igual ao primeiro modelo lan‡ado d‚cadas atr s. Na teoria a id‚ia dos projetistas italianos foi essa mesmo, ou seja, manter a identidade visual da macchina. Na pr tica, no entanto, a hist¢ria ‚ um pouco diferente.

Linhas um pouco mais curvas e acess¢rios cromados ganham destaque nesta nova remodela‡Æo da V7. O p ra-lama dianteiro ‚ praticamente o mesmo, posicionado bem rente ao pneu. O conjunto formado por farol e piscas tamb‚m ganhou um ar mais moderno, mas nÆo perdeu o estilo. O painel de instrumentos ‚ simples, como deve ser a de um modelo retr“, com dois grandes mostradores anal¢gicos para a rota‡Æo e a velocidade. A tampa lateral deixou a forma quadrada e agora est  triangular, nitidamente menor que na velha V7. O tanque de combust¡vel, assento do piloto e p ra-lama traseiro seguem em uma linha mais harmoniosa, mas nÆo deixam de lado o glamour conquistado por sua antecessora.

Em rela‡Æo ao modelo original, a nova V7 tamb‚m incorpora tecnologias mais atuais na parte mecƒnica, como a alimenta‡Æo feita por inje‡Æo eletr“nica da Weber-Marelli. O motor permanece sendo um V-Twin a 90§, mas agora tem 744 cmü. Em sua confec‡Æo ganhou materiais mais leves e modernos, como a liga de alum¡nio. O conjunto ainda ‚ formado por uma igni‡Æo eletr“nica, cƒmbio de cinco velocidades e o mesmo sistema de transmissÆo final da V7 antiga, feito por eixo-cardÆ.

Por uma questÆo de seguran‡a, a Moto Guzzi decidiu aposentar o freio a tambor na dianteira e na traseira da moto. Pudera! Com peso a seco de 182 kg nÆo ‚ qualquer um que iria querer se aventurar por estradas e avenidas com esse tipo de equipamento. No lugar, deu espa‡o para um moderno sistema a discos simples de 320 mm na frente e 260 mm atr s da marca Brembo Serie Oro. A suspensÆo traseira ‚ bichoque com curso de 118 mm e ajuste na pr‚-carga da mola. Na dianteira a V7 vem equipada com um garfo telesc¢pico hidr ulico da Marzocchi com curso de 130 mm. Completam o conjunto o quadro de ber‡o duplo e as rodas, ambas aro 17.

A Moto Guzzi nÆo informa quando o modelo estar  dispon¡vel em sua linha de produ‡Æo. No site da montadora nÆo existe nenhuma nova informa‡Æo da V7 Classic que possa agradar aos fÆs desta lenda da engenharia e do design italiano. Aos mais saudosistas resta apenas esperar por novidades, que por sinal, nÆo devem demorar a chegar. E no que depender de tradi‡Æo, a nova V7 tem tudo para voltar a brilhar.