Honda BIZ 125 Fuel Injection

Honda BIZ 125 Fuel Injection

Honda BIZ 125 Fuel Injection

Honda lança Biz 125 com injeção eletrônica, motoneta ganhou o sistema para atender à nova lei de emissão de poluentes, que entra em vigor em 2009. Economia de combustível pode chegar a 7%

Pode parecer estranho para quem não conhece o mercado de duas rodas, mas só agora em pleno século XXI uma motocicleta popular sai de fábrica equipada com injeção eletrônica no Brasil. A Honda acaba de lançar a BIZ 125 Fuel Injection, o primeiro modelo de baixa cilindrada equipado com alimentação eletrônica de combustível.
Terceira motocicleta mais vendida do País – até setembro deste ano haviam sido vendidas mais de 149.000 unidades – a pequena CUB só ganhou o sistema em função da nova lei de controle de emissão de poluentes. O Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares, o famoso Promot, entra em janeiro de 2009 em sua terceira fase, mais rígida. Com isso as fábricas de motos estão tendo que adaptar sua linha de motocicletas de baixa cilindrada – justamente as líderes de venda.
Em agosto, a Yamaha apresentou a YBR 125 Factor ainda sem injeção, mas com um carburador mais moderno e catalisadores. Agora foi a vez de a Honda lançar nesta terça-feira, 23 de setembro, a BIZ 125 com PGM-FI (Programmed Fuel Injection, ou seja, Injeção Programada de Combustível). Sistema que, junto com o novo catalisador no escapamento, fará com que a motoneta atenda com folga aos limites estabelecidos pelo Promot 3.
Mesmo desempenho, mais economia
Assim como havia acontecido com a custom Shadow 750, que também ganhou injeção no modelo 2009, a Honda não fez grandes mudanças visuais em sua pequena motoneta. A Biz 125 manteve o design lançado em 2005, mas ganhou melhorias. O banco está mais confortável e o escudo frontal, ligeiramente mais largo. O pedal do câmbio rotativo mudou para facilitar as reduções de marcha com o calcanhar. Um pedido das mulheres, 60 % das compradoras da Biz, segundo a fábrica, e que costumam pilotar com sandálias. Uma imprudência, cabe dizer. Outra alteração para 2009 está na nova cor vermelho metálico que mais parece um vinho.
Mas a grande novidade está mesmo no novo sistema de injeção eletrônica de combustível, desenvolvido pela Keihin em conjunto com a Honda. Além de atender à lei, traz outra vantagem para o consumidor deste tipo de motocicleta: a economia de combustível. Segundo dados da fábrica, o consumo médio pode ser cerca de 7% menor que na versão anterior, carburada.
Como rodamos pouco com a nova Biz 125 Fuel Injection só pudemos confirmar outras qualidades do sistema, como acelerações mais lineares e sem “buracos” nas retomadas. Os números de desempenho continuam praticamente iguais. O monocilíndrico de 124,9 cm³ de capacidade, refrigerado a ar, produz 9,1 cv de potência máxima, mas agora em uma rotação maior, aos 7.500 rpm. O torque também se manteve: 1,06 kgf.m. Mas agora a força chega mais cedo, já nas 3.500 rotações têm-se o par máximo.
Na prática, a nova Biz parece ter o motor mais cheio em baixas rotações. Nas acelerações e saídas também se pode notar que ela ficou mais esperta.
2,5% mais cara
Outro fator de suma importância para o sucesso das motos de baixa cilindrada está no preço. A desculpa de outras fábricas para não usarem a injeção eletrônica em seus modelos populares é o alto custo. Porém, como a Honda já utilizava tecnologia semelhante em motos de 125cc vendidas na Tailândia, Indonésia e Vietnã, a adoção da Fuel Injection não alterou tanto o preço da Biz 125. Em média, o aumento foi de 2,5%.
A versão mais básica, a KS, com partida a pedal e freio a tambor na dianteira, agora tem preço sugerido (sem frete e seguro) de R$ 5.147 – um acréscimo de R$ 126 em relação ao modelo anterior. Já na versão ES, com partida elétrica e freio a tambor, o preço foi para R$ 5.854 (R$ 143 mais cara).
O freio a disco, como ainda não é exigido por nenhuma lei, continua disponível apenas na versão top de linha da motoneta. A Biz +, que tem também rodas de liga-leve e marcador de combustível e hodômetro digitais, subiu apenas 2%. O preço sugerido da Biz + foi para R$ 6.480.
Com o novo modelo injetado, que chega às concessionárias na primeira quinzena de outubro, a Honda espera aumentar em 5% as vendas da Biz 125. Neste ano, as vendas do modelo devem alcançar 230.000 unidades. Em 2009, a fábrica projeta comercializar 240.000 motonetas Biz 125. Injetadas, de acordo com a lei e, o mais importante, menos poluentes e mais ecológicas.

Honda BIZ 125 Fuel InjectionFICHA TÉCNICA
Honda Biz 125 Fuel Injection
Motor OHC, monocilíndrico, 4 tempos, arrefecido a ar
Cilindrada 124,9 cc
Potência Máxima 9,1 CV a 7.500 rpm
Torque Máximo 1,06 kgf.m a 3.500 rpm
Diâmetro x Curso 52,4 x 57,9 mm
Sistema de Alimentação Injeção Eletrônica PGM-FI
Taxa de Compressão 9,3 : 1
Ignição Eletrônica
Farol 32/32W
Sistema de Partida Pedal (KS) e elétrica (ES e +)
Tanque de Combustível 4,0 litros
Transmissão 4 velocidades
Embreagem Centrífuga automática
Suspensão Dianteira Garfo telescópico
Suspensão Traseira Braço oscilante
Freio Dianteiro / Diâmetro A tambor/ 130 mm (KS e ES) A disco/ 220 mm (+)
Freio Traseiro / Diâmetro A tambor/ 110 mm
Pneu Dianteiro 60/100 – 17M/C 33L
Pneu Traseiro 80/100 – 14M/C 49L
Chassi Monobloco
Altura do Assento 755 mm
Distância Mínima do Solo 133 mm
Dimensões (C x L x A) 1880 x 726 x 1075 mm
Distância entre Eixos 1261 mm
Peso Seco 98 kg (KS), 100 kg (ES) e 101 kg (+)
Cores amarela, preta, prata metálica e vermelha metálica (KS e ES) e Vermelha e cinza metálica (+)
Preço Público Sugerido R$ R$ 5.147 (KS), R$ 5.854 (ES) e R$ 6.480 (+)