icgp classic gp goiania

ICGP Brasil reviveu motos clássicas em Goiania

Além de uma viagem no tempo, o ICGP (International Classic Grand Prix) promoveu um verdadeiro tributo às motos clássicas de competição que rasgavam o asfalto (e os ouvidos) nas décadas de 1970 e 1980. O ICGP 2016 chegou ao Brasil para realização de uma única etapa no último domingo, no Autódromo Internacional de Goiânia, quando cerca de 20 motos (de 2 e 4 tempos) encarraram a pista para valer. Além dos pegas, também houve outras ações, como homenagens a pilotos brasileiros.

Viagem no tempo e em alta velocidade. ICGP Brasil aconteceu em Goiânia, encerrando o mundial 2016

Viagem no tempo e em alta velocidade. ICGP Brasil aconteceu em Goiânia, encerrando o mundial 2016

Ao longo do dia 23 de outubro foram duas provas, que proporcionaram grandes emoções ao público do campeonato mundial para motos de GP clássicas. O francês Jean-Paul Lecointe confirmou a pole position obtida nos treinos e venceu as duas provas na categoria 350, enquanto o belga Yves Hecq foi o melhor da 250 nas duas corridas. Entre os brasileiros, o destaque foi Leandro Mello, que além de piloto é apresentador do programa Auto Esporte, da Rede Globo, que obteve dois segundos lugares na 350.

Yves Hecq (44) e Jean-Paul Lecointe (6) foram os vencedores nas categorias 250 e 350, respectivamente

Yves Hecq (44) e Jean-Paul Lecointe (6) foram os vencedores nas categorias 250 e 350, respectivamente

Lecointe precisou brigar com pelo menos três pilotos pela liderança durante a maior parte do tempo. Na primeira prova, iniciada às 11:40, seus adversários foram Yves Hecq e Leandro Mello, com quem trocou várias vezes de posição. Somente nas voltas finais Lecointe abriu uma certa distância em relação aos adversários. Hecq recebeu a bandeirada em segundo lugar (primeiro na 250) e Mello em terceiro, à frente de Serge Guillermin e André Gouin. O carioca Othon Russo, que surpreendeu nos treinos com sua Yamaha TZ “resgatada” de sua oficina após 30 anos, voltou a causar boa impressão: terminou em sexto (quarto na 350) depois de várias voltas brigando pela colocação com o francês Eric Saul e o brasileiro Bob Keller. Saul e Keller ficaram em segundo e terceiro lugares na 250.

Às 15:30, as motos voltaram ao grid para a largada da prova 2. Desta vez, a briga pela vitória teve a participação de quatro pilotos. Além de Lecointe, Hecq e Mello, entrou na briga o alemão Stefan Tennstädt, que levou um tombo na primeira volta da primeira corrida após uma leve colisão com o francês Serge Guillermin. Os quatro pilotos andaram juntos durante a maior parte da prova, até que as posições se definissem com Lecointe à frente de Hecq, Tennstädt e Mello. Por categorias, Lecointe venceu a 350 à frente de Mello e de Jean Dondaine; na 250, subiram ao pódio Hecq, Tennstädt e o ídolo goiano Roberto Boettcher, um dos grandes pilotos brasileiros da década de 1970 no motocross e na motovelocidade.

Bandeirada para Yves Hecq e Stefan Tennstädt, os primeiros da 250 na prova 2 do ICGP Brasil

Bandeirada para Yves Hecq e Stefan Tennstädt, os primeiros da 250 na prova 2 do ICGP Brasil

Entre os demais pilotos brasileiros inscritos no ICGP Brasil, Milton “Cigano” Adib conseguiu o sexto lugar na categoria 350, mas na segunda teve problemas na moto. Alex Machado completou cinco voltas antes de abandonar a primeira volta; na segunda, saiu do box com uma volta de atraso, mas não chegou a completar volta. Outro ídolo goiano, Edmar Ferreira, afastado da motovelocidade desde 1980, participou somente da primeira corrida. Completou duas voltas e recolheu sua Honda aos boxes. Marco Antônio Greco e Sidnei Scigliano não largaram em nenhuma corrida devido a problemas nas motos.

Classificação final do ICGP Brasil 2016

Prova 1 (12 voltas em 20:51.945)
Categoria 350:
1) 6-Jean-Paul Lecointe (França), Yamaha TZ G 350; 2) 9-Leandro Mello (Brasil), Yamaha TZ E 350; 3) 43-Serge Guillermin (França), Yamaha TZ G 350; 4) 313-Othon “Voador” Russo (Brasil), Bakker Yamaha TZ; 5) 81-Jean Dondaine (França), Yamaha TZ F 350; 6) 58-Milton “Cigano” Adib (Brasil), Bakker Yamaha TZ 350. Não classificado: 8-Alex Machado (Brasil), Yamaha TZ C 350. Não largaram: 4-Marco Antônio Greco (Brasil), Yamaha TZ G 350; 14- Sidnei Scigliano (Brasil), Yamaha TZ G 350.

Categoria 250:
1) 44-Yves Hecq (Bélgica), Armstrong Rotax 250, a 5.014; 2) 3-Eric Saul (França), Chevallier TZ 250; 3) 21-Bob Keller (Brasil), Yamaha TZ L 250; 4) 15-Roberto Boettcher (Brasil), Yamaha TZ H 250; 5) 32-Roy Flower (Inglaterra), Yamaha TZ L 250. Não classificado: 18-Stefan Tenndstädt (Alemanha), Bakker Rotax 250.
Categorias YC250 e HC: 1) 5-André Gouin (França), Yamaha TZ A YC250. Não classificado: 13-Edmar Ferreira (Brasil), Honda Bakker 500

Prova 2 (12 voltas em 20:39.480)
Categoria 350:
1) 6-Jean-Paul Lecointe (França), Yamaha TZ G 350; 2) 9-Leandro Mello (Brasil), Yamaha TZ E 350; 3) 81-Jean Dondaine (França), Yamaha TZ F 350. Não classificados: 43-Serge Guillermin (França), Yamaha TZ G 350; 58-Milton “Cigano” Adib (Brasil), Bakker Yamaha TZ 350; 313-Othon “Voador” Russo (Brasil), Bakker Yamaha TZ; 8-Alex Machado (Brasil), Yamaha TZ C 350. Não largaram: 4-Marco Antônio Greco (Brasil), Yamaha TZ G 350; 14- Sidnei Scigliano (Brasil), Yamaha TZ G 350.

Categoria 250:
1) 44-Yves Hecq (Bélgica), Armstrong Rotax 250, a 5.014; 2) 18-Stefan Tenndstädt (Alemanha), Bakker Rotax 250; 3) 15-Roberto Boettcher (Brasil), Yamaha TZ H 250. Não classificados: 21-Bob Keller (Brasil), Yamaha TZ L 250; 3-Eric Saul (França), Chevallier TZ 250. Não largou: 32-Roy Flower (Inglaterra), Yamaha TZ L 250.
Categorias YC250 e HC: 5-André Gouin (França), Yamaha TZ A YC250. Não largou: 13-Edmar Ferreira (Brasil), Honda Bakker 500

Separador_motosFonte: LetraNova Comunicação

 



Jornalista gaúcho convicto de que um passeio de moto em um dia de sol é a cura para praticamente todos os males da vida. Fã de motoaventurismo, competições de moto, café, praia e de rock n roll.