Indústria mostra o que está fazendo para reduzir o consumo de sacolas plásticas

Solu‡äes para o uso e o descarte excessivos de embalagens ser  o tema central das apresenta‡äes dos representantes da ind£stria do pl stico no semin rio “Sacolas pl sticas: a vilÆ da hist¢ria?”, promovido pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normaliza‡Æo e Qualidade Industrial (Inmetro), na segunda-feira, dia 17, no audit¢rio do Centro Operacional – Pr‚dio 6 – em Xer‚m – Rio de Janeiro. Participam do evento o diretor-superintendente do Instituto Nacional do Pl stico (INP), Paulo Dacolina; o presidente da Plastivida Instituto S¢cio-Ambiental dos Pl sticos, Francisco de Assis Esmeraldo; e o presidente da Associa‡Æo Brasileira de Embalagens Pl sticas Flex¡veis (Abief), Rog‚rio Mani.

O semin rio ‚ comemorativo ao Dia Mundial do Consumidor e tem como objetivo reunir agentes e representantes de v rios setores da sociedade para um amplo debate sobre a responsabilidade dos fabricantes e fornecedores de bens e servi‡os e dos consumidores no combate ao desperd¡cio e na preserva‡Æo do meio ambiente.

A ind£stria tem certeza de que h  caminhos para promover a conscientiza‡Æo ambiental e mudar o comportamento dos consumidores. “NÆo podemos tratar o pl stico como lixo.  preciso que haja uma mudan‡a comportamental da sociedade. Isso s¢ ser  poss¡vel por meio de a‡äes de educa‡Æo”, afirma Esmeraldo.

O trip‚ da sustentabilidade, representado pelos 3R’s – Reduzir, Reutilizar e Reciclar – tem pautado as a‡äes da ind£stria do pl stico. Exemplo disso ‚ a uniÆo da Plastivida, do INP e da Abief para lan‡ar o Programa de Qualidade e Consumo Respons vel de Sacolas Pl sticas, que visa a combater o consumo excessivo e o descarte indiscriminado da embalagem no meio ambiente. Como resultado da iniciativa, foi firmado em dezembro do ano passado Termo de Parceria entre a Plastivida, o INP, a Abiplast e a Abief com a Associa‡Æo Brasileira dos Supermercados (Abras) pelo qual a ind£stria e o varejo se comprometeram a produzir e a distribuir sacolas pl sticas mais resistentes.

Em conformidade com a Norma T‚cnica ABNT 14.937, as novas embalagens passarÆo a acondicionar mais produtos, o que evitar  o desperd¡cio e o uso de sacolinhas sobrepostas e possibilitar  uma redu‡Æo de aproximadamente de 30% no consumo. O programa contempla ainda a‡äes para sensibilizar o consumidor a evitar o desperd¡cio.

“Essa ‚ uma iniciativa in‚dita. O programa de auto-regulamenta‡Æo conta com a participa‡Æo das 12 maiores fabricantes de sacolas pl sticas, que representam 75% do mercado. A adesÆo ao programa ‚ uma prova de que a ind£stria est  comprometida com o combate ao desperd¡cio”, afirma Dacolina.

Hoje, as sacolas pl sticas sÆo apontadas pela popula‡Æo como a melhor alternativa para o acondicionamento das compras do dia-a-dia e para o descarte dos res¡duos dom‚sticos. Foi a constata‡Æo de pesquisa Ibope realizada em outubro do ano passado com mulheres das classes B, C e D. O levantamento revelou que 71% declararam considerar as sacolas pl sticas a forma ideal de transportar as compras, e 75% se manifestaram amplamente favor veis ao seu fornecimento pelo com‚rcio, sendo que, desse total, 60% nÆo vˆem outra forma de levar os produtos adquiridos. Al‚m disso, das 600 ouvidas, 100% afirmaram que usam a sacolinha para o descarte do lixo dom‚stico, dispensando o uso de sacos pl sticos para esse fim.

“Embora jamais se tenha estimulado o aproveitamento das sacolas para o descarte de lixo dom‚stico, os consumidores perceberam que a embalagem poderia dispensar o saco pl stico tradicional e fizeram a troca. Isso ‚ prova de que, se percebem que uma determinada mudan‡a de comportamento ‚ vantajosa, mudam”, diz Mani.

Sobre a Plastivida, o INP e a Abief – A Plastivida Instituto S¢cio-Ambiental dos Pl sticos foi fundada em 1994. Nesses 13 anos de vida, acumulou grande conhecimento em  reas como educa‡Æo ambiental, responsabilidade social e legisla‡Æo sobre manejo de res¡duos s¢lidos urbanos, coleta seletiva e reciclagem. Com esse perfil, a entidade vem promovendo a intera‡Æo entre a sociedade, os governos e as ind£strias do setor. A utiliza‡Æo ambientalmente correta do pl stico est  entre seus principais objetivos.

O Instituto Nacional do Pl stico (INP) iniciou suas atividades em 1989 com o prop¢sito de atuar como vertente tecnol¢gica da cadeia produtiva do pl stico. Trabalha ainda no sentido de tornar o mercado brasileiro de pl sticos mais competitivo no cen rio internacional e desenvolve projetos a partir das seguintes frentes de trabalho: Qualidade e Produtividade, Tecnologia, Agroneg¢cio, Qualifica‡Æo Profissional, Normaliza‡Æo, Imagem do Pl stico e Exporta‡Æo.

A Associa‡Æo Brasileira da Ind£stria de Embalagens Pl sticas Flex¡veis (Abief), criada em 1977, re£ne hoje 166 empresas respons veis pela produ‡Æo de diversos tipos de embalagens. Tem como um de seus principais objetivos promover a integra‡Æo de toda a cadeia produtiva do pl stico at‚ a empresa usu ria de embalagem. A entidade tamb‚m fomenta a reciclagem de conhecimentos e a atualiza‡Æo tecnol¢gica e mercadol¢gica das empresas do setor nos ƒmbitos nacional e internacional.

SERVI€O: Semin rio “Sacolas pl sticas: a vilÆ da hist¢ria?” Dia 17, das 9 …s 12 horas
Local: Centro Operacional do Inmetro – Pr‚dio 6 – Avenida Nossa Senhora das Gra‡as, 50, Xer‚m – Duque de Caxias – Rio de Janeiro.