Jean Azevedo mantém a 9ª posição

O brasileiro lamenta ter perdido tempo por causa das poucas referˆncias … navega‡Æo na planilha; distƒncia para o oitavo colocado ‚ de apenas 8 minutos.

Na etapa de hoje do Dakar 2006, entre as cidades de Atar e Nouakchott, na Mauritƒnia, o piloto Jean Azevedo foi o 10§ colocado e manteve a nona posi‡Æo na classifica‡Æo geral do Dakar 2006. O piloto da equipe Petrobras Lubrax percorreu os 508 quil“metros cronometrados em 6h9m47s. O vencedor da etapa foi o francˆs David Casteu com o tempo de 5h55m55s. Quem surpreendeu foi o francˆs Cyril Despres, que apesar de correr com uma luxa‡Æo na clav¡cula, nÆo se perdeu, conseguiu o terceiro lugar na etapa e manteve a quarta coloca‡Æo na geral.

Jean Azevedo chegou com cara de poucos amigos por volta das 16h ao acampamento do Dakar na cidade de Nouakchott, a capital da Mauritƒnia. Ele sabia que um erro na navega‡Æo por volta do km 300 do trecho cronometrado havia lhe tirado a chance de terminar a etapa na 7a coloca‡Æo. Pior. Ele acreditava ter sido £nico a ser tra¡do pela complicada navega‡Æo da etapa entre Atar e Nouakchott. No entanto, os trˆs primeiros colocados na prova – Marc Coma, (Espanha), Isidre Esteve (Espanha) e Carlo de Gavardo (Chile) – tamb‚m pegaram o caminho errado em um trecho onde o deserto se abre e nada parece servir como referˆncia.

No final das contas, apesar de nÆo ter sido a etapa que Jean esperava, o d‚cimo lugar no dia o manteve na 9¦ coloca‡Æo na classifica‡Æo geral e ainda o aproximou do oitavo e do s‚timo colocados. O brasileiro est  a apenas 7 minutos do oitavo e a 16 minutos do s‚timo. “Ningu‚m gosta de perder tempo por causa da navega‡Æo, mas as referˆncias na planilha eram poucas para uma navega‡Æo apenas com a b£ssola. Por isso, muitos pilotos se perderam”, disse. Segundo o piloto, mais de 40 quil“metros separavam as indica‡äes da planilha. “J  teve Dakar que esta distƒncia era de 300 quil“metros, mas t¡nhamos a seta do GPS para ajudar”.

Os pilotos que acertaram a navega‡Æo na etapa foram os que chegaram na frente. David Casteu (Fran‡a), Chris Blais (EUA) e Cyril Despres (Fran‡a) foram os trˆs primeiros. Marc Coma (Espanha), o quarto no dia, manteve a ponta, a apenas 6m23s de seu compatriota Isidre Esteve. O chileno Carlo de Gavardo, o mais prejudicado com o erro de navega‡Æo, foi o 12] no dia e aparece em terceiro na geral.

AmanhÆ, no dia de descanso do Dakar, Jean nÆo pretende sair do acampamento. “Vou ficar por aqui fazendo nada. Quero estar pronto para a segunda metade da prova”. Dos 9.043 quil“metros da prova, restam ainda 4.095 quil“metros e Jean continua na briga pelas primeiras posi‡äes.

Kolberg e Bampi sobem para a 13¦ coloca‡Æo na geral – O dia parecia ruim para a dupla. Mas um acerto na navega‡Æo nos quil“metros finais colocou os brasileiros entre os mais r pidos do Dakar

Ap¢s enfrentar outra etapa longa e extenuante, a dupla Klever Kolberg e Eduardo Bampi cruzou h  poucos intantes a linha de chegada do percurso especial de hoje, 508 quil“metros entre Atar e Nouakchott, na Mauritƒnia. Com o tempo de 6h57min28s, eles possuem a 18¦ melhor marca do dia. Na classifica‡Æo geral, a regularidade mantida pela equipe brasileira faz com que nesse momento ela apare‡a em 13§ lugar, o que significaria um ganho de uma posi‡Æo em rela‡Æo … situa‡Æo de ontem. O resultado aproxima a dupla do objetivo tra‡ado para o Dakar 2006: chegar entre os dez primeiros. “Estamos no caminho, mas ainda tem muita areia pela frente”, disse Kolberg ao chegar ao acampamento de Nouakchott. Na categoria T1, na qual competem carros super preparados movidos a gasolina, a dupla da Equipe Petrobras Lubrax ‚ a quinta colocada.

Os primeiros momentos do dia, no entanto, nÆo foram bons para os brasileiros. “Em menos de 100 quil“metros, j  hav¡amos atolado duas vezes e tivemos um pneu furado”. Depois, um erro de navega‡Æo levou o Mitsubishi para um dos cordäes de dunas mais duros da hist¢ria do Dakar. “O caminho certo desviava das dunas, mas erramos e atolamos trˆs vezes seguidas”, contou Kolberg. Com tantos problemas, ele chegou ao acampamento pensando que ficaria aqu‚m da 30¦ posi‡Æo. “O que salvou o nosso dia foi uma bela navega‡Æo nos 200 quil“metros finais”, disse. Os dois way points – pontos pelos quais os pilotos precisam passar obrigatoriamente – neste trecho final foram encontrados sem maiores problemas pela dupla.

O mais r pido nos 508 km percorridos hoje foi o francˆs Thierry Magnaldi, marcando 5h00min56s a bordo do bugue Schles-Ford-Raid.  a segunda vit¢ria do piloto no Dakar 2006, resultado que pode lev -lo … 6¦ coloca‡Æo na soma geral dos resultados. J  a segunda coloca‡Æo na 8¦ etapa teve de ser dividida entre o atual campeÆo Stephan Petehansel (Mitsubishi) e o americano Mark Miller (Volkswagen), pois ambos cravaram exatamente o mesmo tempo: 5h07min48s.

Peterhansel, por‚m, termina o dia mais feliz. Com o resultado, o francˆs assume a lideran‡a da classifica‡Æo geral, apenas 32 segundos … frente de seu companheiro de equipe, o tamb‚m francˆs Luc Alphand. Com os resultados, a Mitsubishi chega ao tÆo esperado dia de descanso, em Nouakchott, com o al¡vio de manter uma dobradinha na ponta da tabela.

AmanhÆ, a caravana do Dakar descansa. A etapa de hoje marcou a metade do rali. Dos 9.043 quil“metros da prova, restam ainda 4.095 quil“metros. Na segunda-feira, os ve¡culos voltam ao deserto para a nona etapa, entre Nouakchott e Kiffa. SerÆo 874 quil“metros, sendo 599 de especial.
Nono dia: folga no domingÆo

Ap¢s largar em Portugal, passar pela Espanha, sair da Europa, atravessar o Mediterrƒneo, desembarcar no Marrocos e percorrer a Mauritƒnia, a caravana do Rally Dakar 2006 registra nos hod“metros a marca de 4.948 km percorridos em oito dias de prova (isso, claro, sem contar a quilometragem extra que o pessoal menos orientado teve de andar entre desvios e meia-voltas). Todos estÆo exaustos, sujos e com o p‚ (ou a mÆo) atrofiados de tanto acelerar.

Para esse povo que deu duro durante toda a semana, nada mais justo que um domingo de sol tranqilo em Nouakchott, capital da Mauritƒnia, um lugar que j  foi definido como a encruzilhada geogr fica entre o estilo n“made dos habitantes do deserto e a vida urbana nas grandes cidades, como em Nouakchott. NÆo h  muitos atrativos tur¡sticos na cidade, mas nÆo importa: o que pilotos, navegadores, mecƒnicos e jornalistas querem mesmo ‚ um belo domingo de descanso.