José Hélio aposta fichas na quinta etapa do Dakar

O espanhol Marc Coma somou a terceira vitória em quatro etapas e se ditancia na liderança

A primeira participação do paulista José Hélio no Rally Dakar continua positiva. O melhor brasileiro na disputa entre as motos celebrou o 14º lugar na quarta etapa, realizada nesta terça-feira (6), porém, lamentou o resultado da classificação geral. De 12º, José Hélio passou para 14º, devido a uma penalização de 20 minutos sofrida na prova de ontem. O fato não desanimou o competidor que aguarda a quinta das 14 fases da longa competição, nesta quarta-feira. No próximo desafio, desbravar o longo caminho repleto de dunas será o objetivo.

Na prova de hoje, José Hélio marcou o tempo de 4h28min31s, com 19min9s de diferença do primeiro colocado, o espanhol Marc Coma. O vencedor da edição 2006 mantém a liderança geral, após vencer três etapas até aqui. Coma só não alcançou o prim eiro lugar na segunda fase, liderada pelo holandês Frans Verhoeven.

José Hélio é o único representante da equipe ASW ainda na competição. Os pilotos Dimas Mattos, João Tagino e Carlos Ambrósio deixaram a disputa na segunda etapa. Além dele, apenas mais um brasileiro, Rodolpho Mattheis, compete entre as motos.

De volta ao Brasil, Dimas Mattos lamenta o fato de ter deixado a edição 2009 do Dakar de forma tão precoce. O piloto com larga experiência em provas internacionais, inclusive na região onde o rali está sendo realizado, encontrou um toco pelo caminho, escondido em uma região de pastos com mato alto. “Eu vinha fazendo uma prova bem tranqüila, dentro dos meus objetivos. Andei bem, com segurança, o tempo todo. Quando cheguei nesta região de pastos, estava passando por trechos de mato com cerca de meio metro de altura. Alguns tocos estavam e scondidos no meio dele e eu me choquei com um. O toco bateu entre a ponta do meu pé e o motor da moto. Eu nem cheguei a cair. Tinha esperança de que fosse apenas uma luxação. Então, continuei até quando eu agüentei, mas não tinha mais condições”, descreveu Dimas. Depois de ser socorrido pelo helicóptero da organização e encaminhado ao hospital de Puerto Madryn, foi constatada a fratura no tornozelo direito.

“Os médicos engessaram meu tornozelo. Mas preferi fazer o tratamento no Brasil. Vou procurar um médico e saber se será necessário fazer alguma operação”, completou.

A decepção por ter de sair da competição já no segundo dia permanece. Segundo o brasileiro, este mesmo trecho foi o responsável por acidentes com cerca de dez pilotos. “Inclusive o Cyril Despres també se chocou com um tronco, chegou a cair, mas não se machucou. Para mim, foi m uita falta de sorte. Estava muito bem preparado, com uma moto boa. Fico triste, porque a gente se prepara tanto. É um grande esforço participar do Dakar, a preparação é longa. Mas, no esporte que nós escolhemos outros fatores devem ser levados em consideração, além da preparação. A sorte é um dos principais. Faz parte do jogo.”

O piloto utiliza nas trilhas equipamento completo da linha ASW Podium 2009. A equipe ASW conta ainda com o apoio da Brasil Moto Tour (www.brasilmototour.com.br), Honda, Pirelli e Sax Logistica.