Foto: Divulgação

KTM 690 SMR, supermoto austríaca esbanja potência

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A KTM 690 SMR impressiona pelo seu potente monocilíndrico de 63 cv, freios ariscos e desenho inusitado.

Antes de entrar na pista de testes da Pirelli, em Sumaré (SP), para experimentar a KTM 690 SMR estranhei as inúmeras recomendações: “cuidado, ela freia demais!”, “Se acelerar muito a roda da frente sai do chão!”. Foram tantas advertências que nas primeiras voltas segui os conselhos dos representantes da marca. Freei com cautela e acelerei sem muito ímpeto.

Mas a pista livre e essa supermoto equipada com o potente motor LC4 da marca austríaca instigaram minha curiosidade. Na reta, era hora de conferir o que o propulsor de um cilindro, 653,7 cm³ de capacidade, quatro válvulas e comando simples no cabeçote com refrigeração líquida, tinha para oferecer. A resposta veio em números. O conta-giros de leitura analógica crescia rapidamente para os padrões de um monocilíndrico e pedia outras marchas. O câmbio de seis marchas com vocação esportiva permitia aproveitar toda a força do motor. Resultado: no final da curta reta, o mostrador digital indicava 173 km/h.

Originário das vitoriosas KTMs no Rally Paris-Dakar, o motor LC4 produz 63 cv de potência máxima (a 7.500 rpm) – número bastante impressionante para um monocilíndrico dessa capacidade cúbica. Só para se ter uma idéia, o motor de um cilindro da Yamaha XT 660R produz 48 cv a 6.000 rpm.

Foto: Mario Villaescusa

Foto: Mario Villaescusa

O torque máximo, famoso por levantar com facilidade a roda dianteira, é de 6,6 kgf.m a 6.550 rpm. Demonstrando o caráter bem esportivo do motor, que tem uma estreita faixa útil. Em resumo, sobra força para as arrancadas e potência para altas velocidades. Segundo a fábrica, pode-se chegar a 200 km/h.

Freios e chassi à altura
Um motor com esse desempenho pede um projeto ciclístico à altura. Nisso a KTM também não economizou. Pelo contrário, usou do bom e do melhor na construção da 690 SMR. O quadro tubular é fabricado em cromo-molibdênio, as rodas nessa versão “R” são da Marchesini e feitas em liga de alumínio, já as suspensões trazem a marca da holandesa White Power. Na dianteira, um garfo telescópico invertido e, na traseira, a balança também de alumínio usa um monoamortecedor fixado por links. Ambas têm curso 210 mm, revelando a origem off-road dessa e de todas as supermotos.

Na prática, essas especificações técnicas de dar inveja a qualquer piloto profissional resultam em uma moto bastante estável, seja para deitar nas curvas ou torcer o cabo nas retas. Os pneus radiais de desenho esportivo sem câmara garantem a aderência necessária para brincar com essa supermoto austríaca. Aliás, essa KTM 690 SMR é o que se pode chamar de brinquedo de gente grande.

Para parar esse conjunto – que pesa 152 kg sem combustível – os freios da italiana Brembo são realmente ariscos, justificando as advertências antes de testar essa KTM. Na dianteira, um disco de 320 mm de diâmetro é mordido por uma pinça radial de quatro pistões. Na traseira, um disco de 240 mm com uma pinça de um único pistão. As mangueiras de freio tipo “aeroquip” evitam a fadiga e explicam em parte a sensação de brutalidade na hora que se acionam os freios. Provando, mais uma vez, que a KTM não economizou para fazer essa supermoto.

Desenho e preço diferenciados
Além dos diversos itens de primeira qualidade, o desenho da KTM 690 SMR a diferencia de outros modelos supermotard existentes. Marcado pelo pára-lama dianteiro bico-de-pato, seu design termina em duas grandes ponteiras de escape, desenvolvidas nos ralis pela KTM. A versão “R”, testada, traz ainda quadro na cor laranja para contrastar com a roupagem toda em preto.
Mas o design diferenciado e todos os atributos dessa supermotard também resultam em um preço bastante elevado. Cotada a R$ 43.000, a KTM 690 SMR tem poucas concorrentes diretas no Brasil. No mesmo estilo, mas com motor menos potente, há a Husqvarna SM 610 i.e. vendida a R$ 29.400.00 (sem frete).
KTM 690 SMR
FICHA TÉCNICA
Motor Um cilindro, refrigeração liquida, OHC, 4 válvulas
Capacidade 653,7 cm³
Câmbio 6 velocidades
Potência máxima 63 cv / 7.500 rpm
Torque máximo 6,6 kgf.m a 6.550 rpm
Quadro Tubular em cromo molibdênio
Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido com 210 mm de curso
Suspensão traseira Balança em alumínio com monoamortecedor com 210 mm de curso
Freio dianteiro Disco simples de 320 mm de diâmetro com pinça radial de quatro pistões opostos Freio traseiro Disco simples de 240 mm de diâmetro com pinça de um pistão
Pneu dianteiro 120/70-17
Pneu traseiro 160/60-17
Comprimento total não disponível (n.d.)
Largura n.d.
Altura n.d.
Entre-eixos 1460 mm
Altura do assento 875 mm
Peso (sem combustível) 152 kg
Tanque de combustível 13,5 litros
Cores Preta
Preço R$ 43.000,00
Mais informações www.ktm.com.br