Foto: Fabio Vianna roda todos os finais de semana

La nostra poderosa – Norton 500, de 1948

Foto: Fabio Vianna roda todos os finais de semana

Foto: Fabio Vianna roda todos os finais de semana

A Norton 500, fabricada em 1948, demorou trˆs anos para ser totalmente reformada.

Digna de uma superprodu‡Æo cinematogr fica, a moto do executivo Fabio Vianna roda todos os finais de semana.

As motocicletas sempre causam fasc¡nio do p£blico quando sÆo usadas em filmes de a‡Æo. Bons exemplos nÆo faltam: O Exterminador do Futuro 2 (Harley-Davidson), MissÆo Imposs¡vel 2 (Triumph), Corridas Clandestinas (Honda, Suzuki e Yamaha), Motoqueiros Selvagens (Harley-Davidson) e Motoqueiro Fantasma (motos customizadas). J  o Di rios de Motocicleta , dirigido pelo brasileiro Walter Salles, conta a hist¢ria de dois jovens – Ernesto Guevara (Gael Garc¡a Bernal) e Alberto Granado (Rodrigo De la Serna) – que partiram para uma grande aventura pela Am‚rica Latina. Nesta viagem, os moto-aventureiros usaram uma Norton 500, fabricada em 1939. Apelidada de –La Poderosa–, a inglesinha levou a dupla para conhecer os contrastes pol¡tico, sociais e geogr ficos da Am‚rica Latina. J  que o assunto gira em torno do universo cinematogr fico e tamb‚m das motos cl ssicas esta reportagem servir  de roteiro para contarmos a hist¢ria de uma Norton 500, de 1948, que demorou trˆs anos para ser totalmente restaurada. Essa raridade sobre duas rodas pertence a Fabio Vianna, vice-presidente da Paramount Home Entertainment Latin America.

Abandonada em um s¡tio no sul de Minas Gerais, Fabio s¢ iria compr -la se a moto estivesse funcionando. Depois de algumas tentativas, o motor da velha guerreira voltou a “pulsar”. Na ‚poca da ressuscita‡Æo, a Norton tinha cƒmbio de uma BSA (outra marca de moto inglesa), veloc¡metro da WV Variant e magneto de aviÆo.

Reconstru‡Æo – Como em um –serial killer–, a reconstru‡Æo da Norton 500 foi feita em partes e dividida em v rias frentes de trabalho. A desmontagem da moto foi feita na Moreno Motos. A Doby Motos fez a funilaria do tanque de combust¡vel e tamb‚m do reservat¢rio de ¢leo. J  a Choppers Paint a pintura total. Para finalizar, toda a parte el‚trica ficou a cargo da Jacar‚ Motos.

Agora quem montou este grande quebra-cabe‡as foi Samuel Alleman. O mecƒnico-artesÆo fez algumas adapta‡äes, entre elas, a utiliza‡Æo dos raios da Honda CB 750 Four e as barras que fixam o p ra-lama nas rodas sÆo hastes de retrovisores de caminhÆo. Para ficar o mais original poss¡vel, o executivo da ind£stria do entretenimento teve de compara v rias pe‡as no exterior: veloc¡metro, platinado, suportes, placa, lanterna e adesivos. O pneu “quadrado” da Metzeler veio da Alemanha. Cƒmbio, d¡namo e magneto vieram de uma outra Norton. O cl¡max deste ‚pico foi ver a moto em perfeito estando, tanto visual como de funcionamento. “Esta ‚ a minha j¢ia-rara. NÆo vendo minha Norton por dinheiro nenhum no mundo”, conta, orgulhoso, o executivo da Paramount, que ao longo de sua vida motocicl¡stica teve 17 motos. A primeira, aos 15 anos, uma Yamaha RX 80. Hoje, F bio tem mais trˆs motos: duas Honda XLX 350 para trilha e uma BMW R 1200 GS Adventure para viajar.

Caracter¡sticas t‚cnica – A Norton 500, do executivo paulista, est  equipada com um motor monocicl¡ndrico de 500 cilindradas, que gera 21 cv de potˆncia. A cl ssica moto inglesa apresenta uma configura‡Æo motriz muito peculiar: motor, cƒmbio e carter sÆo totalmente separados.  engra‡ado, mas a moto de 1948 tem a mesma concep‡Æo de motoriza‡Æo que as Harley-Davidson “zero quil“metro”.
Outra caracter¡stica marcante desta Norton ‚ o quadro semiduro, j  que a suspensÆo traseira nÆo usa balan‡a. O eixo da roda trabalha verticalmente dentro do amortecedor. O banco, como molas, tamb‚m ajuda no trabalho de absor‡Æo dos impactos. J  na dianteira, a tradicional suspensÆo telesc¢pica.

O primeiro contato com esta moto de cinema ‚ de certo ponto estranho. O pedal de freio fica do lado esquerdo e o de cƒmbio do lado direito. Ou seja, sÆo invertidos, se comparados com os padräes atuais. Para acionar a primeira marcha (para cima) ‚ preciso que o motociclista dˆ um bom tranco com o peito do p‚. Depois ‚ s¢ fazer uma viagem no t£nel do tempo, se transportar para a d‚cada de 50 e imaginar que est  rodando pelas cercanias de Londres do p¢s-guerra. “Piloto minha Norton praticamente todos os finais de semana”, conta o vice-presidente da Paramount Home Entertainment.