linha-cg-2018_cenario_destaque

Linha CG 160 2018 traz novidades nos freios e suspensões

A moto mais vendida do Brasil tem recebido constante atualização para atender o desejo do mercado e da legislação sobre segurança e emissões de poluentes. E agora a Honda apresenta a linha CG 160 na versão 2018 com mais uma novidade na categoria street: todos os modelos da linha CG 160 – CG 160 Start, CG 160 Fan e CG 160 Titan – passam a contar com o sistema de freio CBS (Combined Braking System – freios combinados), e com a suspensão dianteira SFF (Separated Function Fork – Garfos com Funções Separadas), tecnologia anteriormente exclusiva aos modelos de maior cilindrada e de competições off-road, que oferece maior eficiência no funcionamento da suspensão dianteira. Na verdade este sistema coloca funções diferentes em cada bengala do garfo da suspensão dianteira.

Introduzido na linha em 2014 (inicialmente na CG 150 Titan), o sistema de freios CBS foi pioneiro nas motos no Brasil e sua função é auxiliar na frenagem quando se aciona apenas o freio traseiro. Esse sistema serve para corrigir um vício que muitos motociclistas adquirem quando obtém a licença para pilotar motocicleta e os instrutores das moto-escolas “ensinam” para o exame a usar apenas o freio traseiro. A novidade equipa inclusive a Honda CG 160 Start, que tem freio dianteiro a tambor nas duas rodas.

O sistema CBS funciona da seguinte forma: ao acionar o pedal de freio traseiro, a força frenante é distribuída para ambas as rodas, 34% para o freio dianteiro e os 66% restantes para o freio traseiro, proporcionando uma frenagem mais eficaz, impedindo o travamento das rodas e corrigindo por meio de um sistema interligado o mal hábito dos motociclistas de usar somente o freio traseiro. O correto é utilizar os dois freios sempre e modular a força em ambos para parar a motocicleta de forma equilibrada.

CG 160 Start: agora também com freio CBS

CG 160 Start: agora também com freio CBS

A grande novidade neste caso está na Honda CG 160 Start, que tem dois freios a tambor por acionamento mecânico, com varão na roda traseira e cabo na roda dianteira. Agora o sistema CBS colocou um cabo que liga o pedal do freio traseiro diretamente na alavanca do cubo da roda dianteira, acionando também o freio dianteiro quando acionado o pedal do freio traseiro. Tudo isso porque ainda há grande demanda para motos com os ultrapassados freios a tambor na roda dianteira, quando se sabe que o freio a disco é muito mais eficiente.

SFF, a suspensão que faz diferença

Desenvolvida visando as exigências das motocicletas usadas nas competições off-road – motocross, enduro e rally – a nova suspensão dianteira da linha CG 2018 é do tipo SFF (Separated Function Fork). Seu princípio de funcionamento é o mesmo e como indica o nome em inglês, o sistema separa as funções das bengalas da dianteira: nas suspensões convencionais ambas bengalas contam com molas e dispositivos hidráulicos dedicados ao  amortecimento. No sistema SFF, uma bengala é dedicada ao sistema hidráulico, o amortecimento progressivo da compressão e extensão, enquanto a outra bengala abriga a mola.

Suspensão dianteira tipo SFF, com funções diferentes em cada bengala: mais leve e eficiente

Suspensão dianteira tipo SFF, com funções diferentes em cada bengala: mais leve e eficiente

As vantagens deste novo sistema são múltiplas: maior leveza da suspensão, que favorece a melhor dirigibilidade, menor atrito interno, que garante respostas melhores e um funcionamento mais preciso por absorver melhor as irregularidades do terreno. Tudo isso se dá pelo ganho na diminuição de componentes internos, o que facilita a manutenção e aumenta a durabilidade da suspensão.

Outra novidade na linha CG 160 2018 é o painel na Titan e na Fan 2018, que receberam uma painel de instrumentos “Blackout” enquanto a CG 160 Start apresenta instrumento dotado de contagiros. Outra inovação na Start é o acabamento em “Black Chrome” nos aros de roda, que dá um estilo exclusivo aos modelos, além de possibilitar reduzir emissão de elementos nocivos ao meio ambiente em sua produção se comparados aos aros cromados convencionais.

CG 160: motor sem novidades

Linha CG 160 2018: em time que está ganhando não se mexe? Mexe sim!

Linha CG 160 2018: em time que está ganhando não se mexe? Mexe sim!

Com foco na economia e na baixa manutenção, as CG 160 Start, Fan e Titan são equipadas com o consagrado motor de um cilindro com sistema de comando de válvula no cabeçote OHC (Over Head Camshaft), quatro tempos, arrefecido a ar e alimentado por injeção eletrônica com etanol ou gasolina PGM-FI (Programmed Fuel Injection). Com capacidade cúbica de 162,7 cc, gera 15,1 cv (etanol) e 14,9 cv gasolina) a 8.000 rpm. O torque máximo é de 1,54 kgf.m (etanol) e 1,40 kgf.m (gasolina) a 6.000 rpm.

O chassi também na mudou e segue sendo um dos pontos de destaque da moto, com um conjunto leve e que oferece uma pilotagem fácil e segura para todos os tipos de motociclistas, inclusive os menos experientes, com bom nível de conforto para o piloto. O chassi é do tipo Diamond, construído em chapas e tubos de aço, com as rodas e suspensões sem alteração, com aros de 18 polegadas na dianteira e na traseira (raiadas na CG 160 Start), variando a dimensão dos pneus. A suspensão usa um garfo telescópico com curso de 135 mm na frente, e sistema de duplo amortecimento de 106 mm atrás.

Produzidos em Manaus, os novos lançamentos serão disponíveis nas cores Azul Perolizado e Vermelho Perolizado na CG 160 Titan, Vermelha e Branca para a CG 160 Fan e Vermelha na CG 160 Start. A garantia é de três anos, sem limite de quilometragem, com fornecimento gratuito de óleo em sete revisões. Os preços públicos sugeridos são R$ 7.990,00 (CG 160 Start), R$ 8.990,00 (CG 160 Fan) e R$ 10.190,00 (CG 160 Titan).

separador



Sidney Levy

Motociclista e jornalista paulistano, une na atividade profissional a paixão pelo mundo das motos e a larga experiência na indústria e na imprensa. Acredita que a moto é a cura para muitos males da sociedade moderna.