maiara basso mxf motocross

Maiara Basso é vice no Latino de Motocross

O Campeonato Latino-Americano de Motocross movimentou o México no último final de semana, de 4 a 6 de novembro, reunindo feras do esporte de vários países. Dentre os destaques, uma jovem estrela brasileira: Maiara Basso. Competindo pela primeira vez no Latino, e embalada pelo seu recente bicampeonato nacional conquistado este mês, a piloto de 20 anos enfrentou o circuito de La Quebradora e obteve o vice-campeonato. A prova aconteceu na cidade de Tangancícuaro, distante aproximadamente 450 quilômetros da capital, Cidade do México.

Disputando pela primeira vez o Latino de Motocross, Maiara Basso conquista o vice na MXF

Disputando pela primeira vez o Latino de Motocross, Maiara Basso conquista o vice na MXF

Correndo contra 21 outras competidoras, representando 14 países, Maiara teve a missão de ser o Brasil no Latino-Americano de Motocross, categoria MXF. Em seu perfil no Facebook, após o término da corrida e em tom de comemoração, Maiara escreveu: “A experiência que tive foi maravilhosa, pista diferente, conhecendo pessoas e pilotos de vários lugares da América do Sul. Um agradecimento muito especial a minha família que faz tudo para tornar meus sonhos realidade, a Deus por me abençoar sempre e a todos vocês, que estão sempre torcendo e me incentivando!”.

O ano de 2016 ficará na memória da piloto. No mês passado, conquistou o bicampeonato brasileiro na MXF

O ano de 2016 ficará na memória da piloto. No mês passado, conquistou o bicampeonato brasileiro na MXF

Na prova, foram realizadas duas baterias de 15 minutos cada. Na primeira, Maiara largou em 12º e, em uma corrida de recuperação ótimas médias, conseguiu terminar em terceiro lugar. Já na segunda fez ainda melhor, saindo em décimo e sendo a primeira a receber a bandeira quadriculada. O desempenho foi muito comemorado pela atleta, assim como pela sua equipe Pro Tork Racing Team e os fãs brasileiros. “A pista era diferente da qual estou acostumada, com chão duro, pó de brita e largada no concreto. Foi difícil chegar ao acerto da moto. O título não veio por muito pouco, faltaram alguns detalhes. Mas valeu como uma grande experiência. Espero poder representar o país novamente em 2016 e brigar pelo caneco”, destacou a gaúcha.

Separador_motos

Fonte: Pro Tork



Jornalista gaúcho convicto de que um passeio de moto em um dia de sol é a cura para praticamente todos os males da vida. Fã de motoaventurismo, competições de moto, café, praia e de rock n roll.