O mercado internacional pode estar um desastre, mas a indústria do medo continua muito bem; obrigado.

Medo de ir para o trabalho pedalando

O vizinho vai todo dia de ônibus para o trabalho, que é bem próximo. Não sei quanto demora, mas só até o ponto de ônibus, mais a espera, descer do ônibus e caminhar até o escritório deve dar o tempo que ele levaria pedalando. Não inclui no cálculo o tempo de viagem do ônibus no trânsito, que hoje em dia já não se pode mais precisar. Eu venho tentando convence-lo, sem sucesso, a fazer a experiência de ir de bicicleta. A desculpa, educada, é a mesma da maioria: é perigoso. Ele tem uma linda filha pequena, o que valeira como desconto pelo receio, mas, racionalmente, não é.

O mercado internacional pode estar um desastre, mas a indústria do medo continua muito bem; obrigado.

O mercado internacional pode estar um desastre, mas a indústria do medo continua muito bem; obrigado.

Mesmo com o crescimento do uso da bicicleta tudo o que não temos é uma discussão racional sobre a questão da segurança de pedalar no trânsito, principalmente entre a classe média que trabalha em escritório. Infelizmente nós vivemos um tempo no qual dar ouvidos aos medos parece ser o mais sensato. A verdade parece não interessar.

O que é seguro ou inseguro? Com certeza não é o que se diz em conversa de botequim. Numa sociedade viciada em violência sentar para conversar sobre amenidades, de preferências as boas, agradáveis, racionais, realmente sensatas, costuma cansar a plateia. Talvez a melhor definição do que nos tornamos seria a primeira página do Noticias Populares, extinto jornal sensacionalista que sempre estampava na primeira página o pior ou mais bizarro. Tipo a fotografia do bebe diabo, corpos mutilados, facas ensanguentadas, etc… Isto muito antes do Massacre da serra elétrica. Hollywood não sabe o que perdeu. Todo mundo adorava – e a sociedade incorporou.

Medo talvez seja o melhor negócio dos dias atuais. O mercado internacional pode estar um desastre, mas a indústria do medo continua muito bem; obrigado. Acabou a Guerra Fria, alguém tem sustentar a indústria bélica. “Apavora os trouxas”. Sei lá como foi; talvez tenha sido por ai, mas de qualquer forma vender medo é muito lucrativo. Muito!

Mikael Colville-Andersen, em uma palestra em Copenhagen, disse que um dos grandes interessados na obrigatoriedade de ciclistas usarem capacete é a indústria automobilística. Talvez tenha a ver com o fato que em absolutamente todo local onde o capacete é obrigatório o número de bicicletas circulando diminuiu e o número de ciclistas acidentados aumentou. E que capacete está intimamente ligado a queda, acidente. Simples coincidência. Provavelmente mais uma teoria de conspiração. Existem pesquisas científicas que provam que o uso de capacete em carros de passeio seria realmente útil para diminuir as vítimas.

Porque não?
Não importa que a distância seja a ideal, menos que 4 km; que paralelo a av. Nove de Julho tenha um monte de caminhos alternativos arborizados e seguros; que o caminho no sentido do trabalho seja uma leve descida, portanto vai suar pouco; que sua vizinha de porta sempre foi para o escritório bem vestida e pedalando e trabalhe na mesma área que ele; que eu me disponha a emprestar uma bicicleta e vá acompanha-lo para dar dicas; que indo de bicicleta ele chegue mais rápido e vá ter mais tempo para ficar com a sua filhinha, que ele tanto ama. Não importa nenhum argumento racional. Não dá para ir pedalando. Bicicleta é perigosa e ponto.

Arturo Alcorta – Escola de Bicicleta www.escoladebicicleta.com.br